Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Distribuição e produção estimada do copépode Calanoides carinatus (Kroyer, 1849) na Plataforma Continental Sudeste Brasileira (2006)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CRÉTÉ, ADRIANA RACHEL DE MORAES - IO
  • USP Schools: IO
  • Sigla do Departamento: IOB
  • Subjects: COPEPODA; CALANOIDA; PRODUÇÃO SECUNDÁRIA; RESSURGÊNCIA
  • Language: Português
  • Abstract: As variações espaciais do copépode Calanoides foram analisadas em dois períodos de coleta (verão e inverno de 2002) na Plataforma continental sudeste do Brasil (PCSE). A presença de ventos de NE favoreceu a intrusão da ACAS junto à costa, caracterizada pela temperaturas abaixo de 20 'GRAUS'C, e consequentemente, o aumento da biomassa fitoplanctônica, principalmente no verão. As maiores densidades e biomassas dos diferentes estágios de desenvolvimento do C. carinatus (copepoditos de I a V, machos e fêmeas) foram observados no verão e nas estações costeiras (batimetria < 100m) em comparação com as estações intermediárias (batimetria entre 100 e 200 m) e oceânicas (batimetria superior a 200m). no inverno, o copépode esteve ausente na maioria das estações. Os estágios iniciais (copepoditos I e II) foram observados preferencialmente nas camadas superficiais da coluna de água (entre 0 -20m), os copepoditos III e IV, entre 40 - 60 m e os copepoditos V e fêmeas entre 60 - 80 m, nas estações intermediárias. Os machos ocuparam as maiores profundidades, abaixo de 60 m. Os copepoditos V foram o estágio predominante no verão, enquanto as fêmeas predominaram no inverno, em densidades muito mais baixas que no verão. Todos animais tiveram seus prossomos medidos, viabilizando a determinação da sua biomassa, através de equação de regressão. A produção secundária do copépode Calanoides carinatus foi estimada através de três modelos empíricos, para a obtenção das taxas decresimento. A produção secundária do copépode variou entre 5 a 32 mgC/'m POT. 2'/d, com maiores taxas no verão. Estes valores corresponderam em média de 0,4 a 2,8% da produção primária para o verão, dependendo do método utilizado. As taxas de produção secundária de C. carinatus foram similares às encontradas em outros sistemas de ressurgência do Atlântico
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.11.2006

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IO1220001571103.316.20 C942d Tese Mestr
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CRÉTÉ, Adriana Rachel de Moraes; LOPES, Rubens Mendes. Distribuição e produção estimada do copépode Calanoides carinatus (Kroyer, 1849) na Plataforma Continental Sudeste Brasileira. 2006.Universidade de São Paulo, São Paulo, BSP, 2006.
    • APA

      Crété, A. R. de M., & Lopes, R. M. (2006). Distribuição e produção estimada do copépode Calanoides carinatus (Kroyer, 1849) na Plataforma Continental Sudeste Brasileira. Universidade de São Paulo, São Paulo, BSP.
    • NLM

      Crété AR de M, Lopes RM. Distribuição e produção estimada do copépode Calanoides carinatus (Kroyer, 1849) na Plataforma Continental Sudeste Brasileira. 2006 ;
    • Vancouver

      Crété AR de M, Lopes RM. Distribuição e produção estimada do copépode Calanoides carinatus (Kroyer, 1849) na Plataforma Continental Sudeste Brasileira. 2006 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: