Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Água do equipo odontológico: técnicas convencionais e modernas para avaliar a contaminação microbiana (2007)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: WATANABE, EVANDRO - FCFRP
  • USP Schools: FCFRP
  • Subjects: BIOFILMES; EQUIPAMENTO ODONTOLÓGICO; AGENTES MICROBIANOS
  • Language: Português
  • Abstract: A água do equipo odontológico pode servir como meio de disseminação de microrganismos, uma vez que é a segunda maior fonte de contaminação na Odontologia. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o nível de contaminação por bactérias aeróbias totais em água de equipos odontológicos (reservatórios, seringas tríplices e alta rotação) e torneiras de 5 Clínicas Odontológicas da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto -USP, por meio do método convencional (R2A Agar) e o sistema ‘Petrifilm POT. TM’ AC (‘3M POT. TM’, St Paul, MN, USA). Além disso, determinou-se o nível de contaminação por Pseudomonas spp. (Cetrimide Agar Base), coliformes (Endo Agar) e fungos (‘Petrifil POT. TM’ YM para bolores e leveduras), como também identificou-se as bactérias com série bioquímica na forma de kit comercial (API 20NE), detectou-se bactérias da boca pela técnica de Checkerboard DNA-DNA Hybridization e analisou-se o biofilme formado nas linhas d'água dos equipos (seringas tríplice e alta rotação), com auxílio de microscópio eletrônico de varredura (MEV). Por outro lado, foram sugeridas recomendações para a manutenção da qualidade microbiológica da água de equipos odontológicos. As comparações estatísticas mostraram que os níveis de contaminação bacteriana das águas de torneiras, bem como dos equipos foram mais elevados pelo método R2A Agar do que pelo sistema ‘Petrifil POT. TM’ AC (p<0,001). Embora, as amostras de água das torneiras utilizadas para preencher os reservatóriosdos equipos tivessem pequeno número de bactérias (908UFC/ml) -R2A e (2UFC/mde 0 a 6.300.000UFC/ml (média de 862.279UFC/ml) - R2A Agar, e de 0 a 730.000UFC/ml (média de 61.817UFC/ml) - ‘Petrifilm POT. TM’ AC. As placas ‘Petrifilm POT. TM’ AC incubadas a 23°C por 7 dias demonstraram um nível maior de contaminação bacteriana do que aquelas incubadas a 35°C por 48h (p<0,001). De acordo com o método de cultura, Escherichia coli, coliformes totais e Pseudomonas ) spp. estavam ausentes das amostras de água das torneiras, embora 11 (44%) dos equipos tivessem apresentado E. coli e/ou coliformes totais e em 1 (4%) de alta rotação, Pseudomonas aeruginosa. Todavia, segundo o método molecular, 1 (50%) amostra de água de torneira e 36 (48%) de equipos mostraram contaminação por E. coli. Das águas de 10 torneiras e 25 equipos, 1 (10%) e 17 (68%) estavam contaminadas com fungos, respectivamente. As análises com MEV mostraram biofilmes nas linhas d'água de todos os equipos, constituídos por uma diversidade microbiana embutida em densas e extensas matrizes de substâncias poliméricas extracelulares. As bactérias identificadas por meio do API 20 NE foram Acinetobacter Iwoffii, Brevundimonas vesicularis, Burkholderia cepacia, Moraxella spp., Oligella ureolytica, Pasteurella spp., P. aeruginosa e Sphingomonas paucimobilis. Nas águas dos equipos, as bactérias mais prevalentes exclusivas da boca foram Streptococcus gordonii (35/46,7%), Treponema denticola (28/37,3%), e Aggregatibacteractinomycetemcomitansb (9/25,6%). Em conclusão, o BIOFILME formado nas linhas d'água dos equipas funciona como um "sistema amplificador" do pequeno número de microrganismos das águas de torneiras, sendo a causa principal dessa alarmante contaminação das águas dos equipas, Assim, recomendações para a manutenção da qualidade microbiológica da l) - ‘Petrifil POT. TM’ AC, as dos 25 equipos apresentaram: reservatórios de 0 a 3.900.000UFC/ml (média de 211.705UFC/ml) -R2A Agar, e de 0 a 231.000UFC/ml (média de 14.065UFC/ml) - ‘Petrifil POT. TM’ AC; seringas tríplices de 0 a 5.200.000UFC/ml (média de 509.068UFC/ml) -R2A Agar, e de 0 a 610.000 UFC/ml (média de 30.842UFC/ml) - ‘Petrifilm POT. TM’ AC; e alta rotação água de equipas, bem como a avaliação de fungos deveriam ser acatadas pelos profissionais da Odontologia
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.10.2007
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCFRP10600009183Watanabe, Evandro
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      WATANABE, Evandro; ITO, Izabel Yoko. Água do equipo odontológico: técnicas convencionais e modernas para avaliar a contaminação microbiana. 2007.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-02102008-162841/ >.
    • APA

      Watanabe, E., & Ito, I. Y. (2007). Água do equipo odontológico: técnicas convencionais e modernas para avaliar a contaminação microbiana. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-02102008-162841/
    • NLM

      Watanabe E, Ito IY. Água do equipo odontológico: técnicas convencionais e modernas para avaliar a contaminação microbiana [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-02102008-162841/
    • Vancouver

      Watanabe E, Ito IY. Água do equipo odontológico: técnicas convencionais e modernas para avaliar a contaminação microbiana [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-02102008-162841/