Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Correntes e massas de água da plataforma continental norte de são Paulo (1997)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CASTRO FILHO, BELMIRO MENDES DE - IO
  • USP Schools: IO
  • Subjects: CORRENTES MARINHAS
  • Language: Português
  • Abstract: Foram analisados os dados provenientes de sete cruzeiros hidrográficos realizados sucessivamente no verão e no inverno na Plataforma Continental Norte de São Paulo, bem como de 5 períodos com duração de cerca de três meses cada, de fundeios de correntógrafos em dois pontos. Entre os resultados principais podemos destacar a identificação de três regiões com características dinâmicas e termodinâmicas diferentes. Na Plataforma Continental Média (PCM), em particular, a variação sazonal da estratificação é marcante, enquanto que na Plataforma Continental Externa (PCE) é praticamente inexistente. As três regiões da plataforma são separadas por duas frentes, a Frente Térmica Profunda, que separa as duas partes mais costeiras, e a Frente Halina Superficial, que fica situada entre PCM e a PCE. Foi possível mostrar que a formação da termoclina sazonal na PCM, durante o verão, tem como agente principal a advecção subsuperficial de águas frias da Corrente do Brasil (CB), e não os mecanismos de troca de calor e de massa entre o oceano e a atmosfera. Essa águas frias são identificadas como Água Central do Atlântico Sul (ACAS). A circulação durante o inverno é dominada por fluxos com sentido SW, desde a quebra da plataforma continental até a isóbata de 20-30 m. Durante o verão, aparentemente, o movimento na Plataforma Continental Interna (PCI) é predominantemente para NE. Nas duas outras regiões o fluxo mais freqüente continua sendo para SW durante a estação quente. Obalanço de momentum mostra que as correntes paralelas à costa estão em equilíbrio geostrófico com a força de gradiente de pressão normal à batimetria, tanto na PCI quanto na PCE. Os efeitos baroclínicos nesse balanço são maiores durante o verão. Na PCM as correntes paralelas são essencialmente barotrópicas. Há evidências de que a variabilidade subinercial dessas correntes está associado à propagação de ondas de plataforma continental livres, com sentido SW-NE. ) Na direção normal é necessário considerar o primeiro modo baroclínico para explicar a maior parte da variância das correntes. Fica comprovado que a intrusão da ACAS na Plataforma Continental Norte de São Paulo é sazonal. O sinal sazonal é claramente identificado com a formação da termoclina na PCM durante o verão. Na PCE a ACAS está presente durante praticamente todo o ano. A influência das águas transportadas pela Corrente do Brasil, Água Tropical e Água Central do Atlântico Sul, na região estudada é muito grande: no verão mais de 70% do volume da plataforma é ocupado por essas águas. As intrusões dessa última na PCM, durante o verão, podem ser efetuadas localmente ou remotamente, à partir da região de Cabo Frio
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 07.05.1997

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IO1220001056101.110 C351c Tese Livre Doc.
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CASTRO FILHO, Belmiro Mendes de. Correntes e massas de água da plataforma continental norte de são Paulo. 1997.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.
    • APA

      Castro Filho, B. M. de. (1997). Correntes e massas de água da plataforma continental norte de são Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Castro Filho BM de. Correntes e massas de água da plataforma continental norte de são Paulo. 1997 ;
    • Vancouver

      Castro Filho BM de. Correntes e massas de água da plataforma continental norte de são Paulo. 1997 ;