Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Relação da distância interimplantar e altura do ponto de contato na formação de papilas gengivais: estudo em cães (2009)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CRUVINEL, DIOGO RODRIGUES - FORP
  • USP Schools: FORP
  • Sigla do Departamento: 805
  • Subjects: PAPILA DENTÁRIA; REABSORÇÃO ÓSSEA ALVEOLAR; IMPLANTE DENTÁRIO ENDOÓSSEO; PRÓTESE DENTÁRIA
  • Language: Português
  • Abstract: Os implantes dentais são considerados uma modalidade de tratamento bastante previsível para a reposição de dentes perdidos Os implantes osseointegráveis principalmente quando colocados em regiões anteriores devem oferecer, além de excelente função, ótima estética, e fonética. Sendo que o critério para o sucesso envolve o estabelecimento do contorno de tecido mole, apresentando a área interproximal intacta. O propósito deste estudo foi avaliar a influência das diferentes distâncias (3 e 5 mm) entre a crista óssea e ponto de contato interdental, na formação de papila gengival associado à presença de diferentes distâncias (2 e 3 mm) entre implantes contíguos e na região de extremo livre mesial e distal. Foram selecionados para o experimento 8 cães adultos jovens e executada a exodontia dos 4 pré-molares mandibulares: 'p POT. 1', 'p POT 2', 'p POT 3', 'p POT 4', para cada hemi-mandibula. Três meses após as exodontias foram colocados 3 implantes Replace Select Tapered com superfície tratada e dimensões de 4,3 X 10 mm, em cada hemimandibula animal. O primeiro implante foi colocado a 10 mm da distal do canino remanescente, o segundo (intermediário) foi colocado a 2 mm do primeiro e o terceiro implante (posterior) foi colocado a 3 mm do segundo. Foi iniciada a reabilitação protética, no dia da colocação dos implantes. Primeiramente foi feita a moldagem para a confecção das próteses metálicas. As coroas metálicas definitivas, confeccionadas, apresentaram distânciado ponto de contato à crista óssea de 3 e 5 mm lado esquerdo e direito respectivamente. Ao completar 12 semanas pós-colocação das próteses definitivas, os animais foram sedados e as análises clínicas foram executadas. Esta avaliação foi feita a partir da utilização de um compasso de pontas secas, medindo as distâncias entre os pontos de contato e as pontas das papilas (PC-P) e dos pontos de contato aos extremos livres mesial e distal (PC-ELM e PC-ELD ) respectivamente). O delineamento das situações experimentais foi executado levando em consideração as associações das diferentes distâncias interimplantar com as diferentes distâncias do ponto de contanto a crista óssea, assim encontramos a seguinte disposição: Situação -01 (PC3A) Distância do ponto de contato a gengiva do extremo livre mesial, do lado esquerdo; Situação -02 (PC3B) Distância do ponto de contato, a gengiva interproximal sendo à distância interimplantar de 2 mm, lado esquerdo da mandíbula; Situação -03 (PC3C) Distância do ponto de contato, a gengiva interproximal sendo a distância interimplantar de 3 mm, lado esquerdo da mandíbula; Situação -4: (PC3D) Distância do ponto de contato a gengiva do extremo livre distal, do lado esquerdo situação -05 (PC5A) Distância do ponto de contato a gengiva do extremo livre mesial, do lado direito; Situação -06 (PC5C) Distância do ponto de contato, a gengiva interproximal sendo a distância interimplantar de 3 mm, lado direito da mandíbula; Situação -07 (PC5B)Distância do ponto de contato, a gengiva interproximal sendo a distância interimplantar de 2 mm, lado direito da mandíbula e Situação -08 (PC5D) Distância do ponto de contato a gengiva do extremo livre distal, do lado direito. Ao analisar as medias das alturas gengivais temos: PC3A a média de : 2,9±0,5 mm; PC3D 2,5±0,5 mm; PC3B 1,8±0,6 mm; PC3C 2,0±0,8 mm; PC5A 3,0±0,5 mm; PC5D 3,5±0,4 mm; PC5C 3,6±0,4 mm e PC5B 3,9±0,7 mm. Como as premissas de aderência à distribuição normal, independência entre os indivíduos estudados e pareamento entre as diferentes etapas foram cumpridas, empregou-se a análise de variância (ANOVA) para mensurações repetidas, a dois fatores. Nos casos em que a ANOVA encontrou diferença entre as situações testadas, uma comparação a posteriori foi executada por meio do teste de Bonferroni. O nível de significância empregado para todos os testes foi de 0,05 (5%). Logo as ) distâncias de : 2,0 e 3,0 mm entre implantes contíguos não apresentaram diferença significativa na formação de papila quando as restaurações protéticas são confeccionadas com 3 ou 5 mm de distância entre o ponto de contato e a crista óssea. Considerando a provável reabsorção óssea em ambos os grupos, quando a distância do ponto de contato à crista óssea foi inicialmente de 3 mm esta condição apresentou melhores resultados na formação de papilas do que a distância de 5 mm em todas as situações estudadas. A presença do ponto de contato de 3 mm influencia positivamente naformação de papila, quando comparada com as regiões de extremo livre
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.04.2009
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FORP11700008272`Cruvinel, Diogo Rodrigues
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CRUVINEL, Diogo Rodrigues; MUGLIA, Valdir Antonio. Relação da distância interimplantar e altura do ponto de contato na formação de papilas gengivais: estudo em cães. 2009.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/58/58131/tde-11052009-165635/ >.
    • APA

      Cruvinel, D. R., & Muglia, V. A. (2009). Relação da distância interimplantar e altura do ponto de contato na formação de papilas gengivais: estudo em cães. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/58/58131/tde-11052009-165635/
    • NLM

      Cruvinel DR, Muglia VA. Relação da distância interimplantar e altura do ponto de contato na formação de papilas gengivais: estudo em cães [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/58/58131/tde-11052009-165635/
    • Vancouver

      Cruvinel DR, Muglia VA. Relação da distância interimplantar e altura do ponto de contato na formação de papilas gengivais: estudo em cães [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/58/58131/tde-11052009-165635/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: