Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Correlação clínica das dimensões de enxerto gengival autógeno livre com a reconstrução dos parâmetros de homeostasia do periodonto marginal (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BARROSO, EMILDRE COSTA - FOB
  • USP Schools: FOB
  • Sigla do Departamento: BAP
  • Subjects: GENGIVA; HOMEOSTASIA PERIODONTAL; ENXERTO AUTÓGENO; RETRAÇÃO GENGIVAL
  • Language: Português
  • Abstract: As cirurgias de enxerto gengival autógeno livre estão indicadas conforme critérios aceitos na literatura, tendo sido realizadas neste estudo cirurgias deste tipo em 57 dentes de 33 pacientes de ambos os sexos com idade de 23 a 57 anos. As cirurgias foram realizadas segundo a técnica de SULLIVAN; ATKINS modificada por PASSANEZI et al., sem o objetivo de recobrimento radicular. Após a seleção, os pacientes foram inicialmente avaliados quanto à profundidade de sondagem, recessão gengival, largura da faixa de gengiva ceratinizada e espessura gengival medida pelo ultra-som SDM. Durante a cirurgia nos sítios indicados, foram tomadas as medidas da distância da crista óssea à junção cemento-esmalte, tamanho e espessura do enxerto (medida por ultra-som SDM e por paquímetro digital) e distância da margem do enxerto à junção cemento-esmalte após a sutura. Posteriormente, os pacientes foram novamente avaliados aos 30 dias, 3 meses, 6 meses e 1 ano. Os resultados foram avaliados estatisticamente através de métodos descritivos, teste de comparação múltipla de ANOVA complementado pelo método de Tukey e teste de correlação de Pearson. Essa metodologia permitiu observar que houve diminuição da recessão gengival, ganho de inserção clínica e migração coronal da margem gengival do enxerto, como creeping attachment (P <0,05). Não se encontrou variação significativa na profundidade do sulco gengival (P > 0,05). Todos os casos tratados mostraram 100% de sucesso empropiciar maior faixa de gengiva ceratinizada imóvel. Houve ainda correlação estatisticamente significante entre o tamanho e espessura do enxerto com a faixa de gengiva ceratinizada ao final do período de avaliação. Esses resultados sugeriram que houve influência decisiva destes fatores na determinação das características dimensionais da gengiva ceratinizada resultante, com redução da recessão gengival, ganho do nível de inserção e posicionamento coronal da margem gengival ) Embora esse comportamento do enxerto certamente produziu variações nas distâncias biológicas periodontais, não houve alteração na profundidade clínica do sulco gengival
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.02.2002

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FOB11600026651B278c
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BARROSO, Emildre Costa; PASSANEZI, Euloir. Correlação clínica das dimensões de enxerto gengival autógeno livre com a reconstrução dos parâmetros de homeostasia do periodonto marginal. 2002.Universidade de São Paulo, Bauru, 2002.
    • APA

      Barroso, E. C., & Passanezi, E. (2002). Correlação clínica das dimensões de enxerto gengival autógeno livre com a reconstrução dos parâmetros de homeostasia do periodonto marginal. Universidade de São Paulo, Bauru.
    • NLM

      Barroso EC, Passanezi E. Correlação clínica das dimensões de enxerto gengival autógeno livre com a reconstrução dos parâmetros de homeostasia do periodonto marginal. 2002 ;
    • Vancouver

      Barroso EC, Passanezi E. Correlação clínica das dimensões de enxerto gengival autógeno livre com a reconstrução dos parâmetros de homeostasia do periodonto marginal. 2002 ;