Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Imunodetecçãodas lipinas de Drosophila melanogaster (2009)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: VIANNA, MURILO CARLOS BIZAM - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RBP
  • Subjects: DROSOPHILA; PROTEÍNAS; LINHAGEM CELULAR; ANTICORPOS
  • Language: Português
  • Abstract: As lipinas fazem parte de uma nova família de proteínas conservadas evolutivamente, que apresentam atividade de fosfatase de ácido fosfatídico dependente de 'Mg POT. 2+'. De acordo com esta atividade, estudos de falta e ganho de função mostram envolvimento dessas proteínas na biossíntese de lipídeos de estocagem em camundongos, e na biossíntese de membranas, no nematóide C.elegans e em fungos. A lipina 1 de mamíferos também está envolvida na diferenciação de adipócitos e tem sido caracterizada como co-ativador transcricional regulando a expressão de genes associados com oxidação de ácidos graxos, síntese e secreção de lipídios. Enquanto em fungos e invertebrados existe somente um gene de lipina, em mamíferos as lipinas são codificadas por 3 genes (Lpin1, Lpin2 e Lpin3), com padrão tecidual de expressão distintos. De modo interessante, resultados de nosso laboratório mostram que o ortólogo de Lpin em Drosophila (denominado de DmLpin), expressa três transcritos de modo regulado nos tecidos e no desenvolvimento. Neste trabalho iniciamos a caracterização das proteínas codificadas por DmLpin através do uso de anticorpos gerados para dois fragmentos distintos, mas comuns às três isoformas. Em imunoblots de extratos protéicos de célula:s S2 e S2R+, e de tecidos de Drosophila, os dois anticorpos detectam uma banda principal que migra entre 130 kDa - 140 kDa. Dentre os tecidos analisados, a lipina mostrou-se presente em maiores quantidades no corpo gorduroso delarvas em L3, estágio em que também são detectados os maiores níveis de lipina durante o desenvolvimento.. As diferenças dos níveis de lipina entre tecidos e no desenvolvimento diferem do observado para os rnRNA, indicando envolvimento de controle pós- transcricional na expressão destas proteínas. A imunomarcação de células 'S2R POT. +', que expressam a lipina B, mas não as isoformas A ou C, revela um padrão disperso de localização citoplasmática, com uma pequena porcentagem de células (~5%) apresentando marcação concentrada aparentemente na periferia de vesícula, com um diâmetro máximo de 3'mü'm. Experimentos bioquímicos mostram que nessas células a lipina é majoritariamente solúvel, com uma quantidade pequena co-sedimentando com membranas pesadas, o que pode ser decorrente de sua possível associação com as estruturas vesiculares. As vesículas positivas para lipina são destituídas de lipídeos neutros (triglicerídeos). Essa observação e o fato de apenas uma pequena porcentagem de células apresentarem a lipina concentrada em vesículas levanta a hipótese de que as vesículas lipina-positivas vistas em células 'S2R POT. +' reflitam um processo celular dinâmico, potencialmente direcionados para a biogênese de membranas necessárias para o crescimento que antecede o divisão celular
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.10.2009

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200038096Vianna, Murilo Carlos Bizam
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VIANNA, Murilo Carlos Bizam; PAÇÓ-LARSON, Maria Luisa. Imunodetecçãodas lipinas de Drosophila melanogaster. 2009.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.
    • APA

      Vianna, M. C. B., & Paçó-Larson, M. L. (2009). Imunodetecçãodas lipinas de Drosophila melanogaster. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Vianna MCB, Paçó-Larson ML. Imunodetecçãodas lipinas de Drosophila melanogaster. 2009 ;
    • Vancouver

      Vianna MCB, Paçó-Larson ML. Imunodetecçãodas lipinas de Drosophila melanogaster. 2009 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: