Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Trabalho e conflito na Noroeste do Brasil: a greve dos ferroviários de 1914 (2009)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CARVALHO, DIEGO FRANCISCO DE - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLH
  • Subjects: GREVES; MOVIMENTO OPERÁRIO; FERROVIAS; CONDIÇÕES DE TRABALHO
  • Language: Português
  • Abstract: O propósito desta dissertação é examinar os trabalhadores envolvidos na construção, manutenção e operação da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, focalizando especialmente a greve dos ferroviários ocorrida no ano de 1914. Questões relacionadas à composição da mão-de-obra tanto da construção como da operação da ferrovia e às condições de trabalho existentes são temas a serem examinados. O período de análise compreende os anos entre 1904, ano de formação da Companhia Noroeste, e 1917, quando ocorre a encampação da E. F. Bauru-Itapura pela União. A ferrovia Noroeste do Brasil, como se convencionou chamá-la desde seu surgimento, que liga as cidades de Bauru (SP) e Corumbá (MS), começou a ser construída em 1905, atingindo Porto Esperança (MS) no ano de 1914, quando completou 1.272 quilômetros de extensão. Ao cortar regiões ainda não ocupadas pelo homem branco, a Noroeste do Brasil foi a primeira ferrovia do estado de São Paulo a abrir novos territórios, ao contrário de suas antecessoras, que surgiram para auxiliar a produção cafeeira já existente. As dificuldades no processo de construção da ferrovia foram muitas. A travessia de áreas insalubres, úmidas e empestadas de mosquitos, a transposição de rios, a presença indígena na região, a dificuldade no recrutamento de trabalhadores, a ganância dos empreiteiros, além do método repressor da Companhia Noroeste com os seus empregados, fizeram desse processo um empreendimento complexo em todos os aspectos e, ao mesmo tempo, desafiador aos limites do homem. Até 1917, a Noroeste do Brasil era, na verdade, formada por duas estradas independentes e interligadas: pela E. F. Bauru-Itapura, privada, de propriedade dos acionistas da Companhia Noroeste; e pela E. F. Itapura-Corumbá, de propriedade da União. Em dezembro de 1917, a E. F. Bauru-Itapura foi encampada pela União, sendo, no ano seguinte, incorporada à E. F. Itapura-Corumbá,de modo que as duas passaram a ser denominadas de Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Entre 1918 e 1956, a ferrovia esteve sob a administração do governo federal. Em 1957, a Noroeste foi integrada à Rede Ferroviária Federal (RFFSA)
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 07.12.2009
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH20900040018T CARVALHO, DIEGO FRANCISCO DE
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CARVALHO, Diego Francisco de; ARRUDA, Jose Jobson de Andrade. Trabalho e conflito na Noroeste do Brasil: a greve dos ferroviários de 1914. 2009.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-08022010-165429/ >.
    • APA

      Carvalho, D. F. de, & Arruda, J. J. de A. (2009). Trabalho e conflito na Noroeste do Brasil: a greve dos ferroviários de 1914. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-08022010-165429/
    • NLM

      Carvalho DF de, Arruda JJ de A. Trabalho e conflito na Noroeste do Brasil: a greve dos ferroviários de 1914 [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-08022010-165429/
    • Vancouver

      Carvalho DF de, Arruda JJ de A. Trabalho e conflito na Noroeste do Brasil: a greve dos ferroviários de 1914 [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-08022010-165429/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: