Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Adenomiose em pacientes com endometriose profunda: aspectos clínicos, histológicos e radiológicos (2010)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GONZALES, MIDGLEY - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MOG
  • Subjects: ENDOMETRIOSE; IMAGEM POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
  • Language: Português
  • Abstract: Objetivo: O objetivo deste estudo foi analisar a relação do diagnóstico, à ressonância magnética, de adenomiose com endometriose. Pacientes e Métodos: Entre fevereiro de 2004 e março de 2008 foram avaliadas 152 pacientes, com diagnóstico histológico de endometriose, as quais foram separadas em dois grupos de acordo com a presença (Grupo A) ou ausência de adenomiose (Grupo B), diagnosticadas ao exame de ressonância magnética. Foram analisadas a espessura da zona juncional e a presença de cistos intramiometriais como critérios principais para diagnóstico de adenomiose. Critérios secundários como acometimento da parede posterior uterina, "adenomiose subserosa", zona juncional até a serosa, zona juncional indefinida e adenomiose focal também foram avaliados. Os dados obtidos pela análise do exame de imagem foram correlacionados ao quadro clínico, estadiamento, local de acometimento e a classificação histológica da endometriose. Resultados: A prevalência de adenomiose em pacientes com endometriose foi de 42,76%. Pacientes com endometriose e adenomiose, diagnosticada à ressonância magnética, apresentaram, em relação ao grupo sem adenomiose maior queixa de dismenorréia severa ou incapacitante (61,53% no Grupo A e 44,83% no Grupo B, p=0,041) e dispareunia de profundidade (64,61% no Grupo A e 41,38% no Grupo B, p=0,005), maior associação com endometriose estádio IV (50,77% no Grupo A e 33,34% no Grupo B, p=0,03), mais endometriose localizada em retossigmóide (49,23% no Grupo A e 32,18% no Grupo B, p=0,033), maior associação com endometriose indiferenciada ou mista (52,31% no Grupo A e 34,48% no Grupo B, p=0,028). As pacientes com endometriose profunda, acometendo retossigmoide, e com estádio IV, apresentaram adenomiose, correlacionada a maiores espessuras de zona juncional, predominantemente em parede posterior do útero, e relacionada ao achado radiológico de cistosintramiometriais e adenomiose subserosa (p<0,05). Conclusão: Os resultados obtidos permitem concluir que, neste estudo, observou-se correlação entre adenomiose e endometriose profunda de pior prognóstico, envolvendo principalmente o reto-sigmóide
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.06.2010
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM10700068296W4.DB8 SP.USP FM-2 G652ad 2010
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GONZALES, Midgley; ABRÃO, Mauricio Simões. Adenomiose em pacientes com endometriose profunda: aspectos clínicos, histológicos e radiológicos. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5139/tde-22062010-114341/ >.
    • APA

      Gonzales, M., & Abrão, M. S. (2010). Adenomiose em pacientes com endometriose profunda: aspectos clínicos, histológicos e radiológicos. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5139/tde-22062010-114341/
    • NLM

      Gonzales M, Abrão MS. Adenomiose em pacientes com endometriose profunda: aspectos clínicos, histológicos e radiológicos [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5139/tde-22062010-114341/
    • Vancouver

      Gonzales M, Abrão MS. Adenomiose em pacientes com endometriose profunda: aspectos clínicos, histológicos e radiológicos [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5139/tde-22062010-114341/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: