Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Caracterização molecular e celular do homólogo de Lpin1 em Drosophila melanogaster (2010)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MAIA, RAFAELA MARTINS - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RBP
  • Subjects: DROSOPHILA; EXPRESSÃO GÊNICA; GENÉTICA MOLECULAR
  • Language: Português
  • Abstract: As lipinas definem uma nova família de fosfatases de ácido fosfatídico dependente de magnésio (PAP 1), enzimas que catalizam a defosforilação de PA produzindo diacilglicerol (DAG), um importante intermediário no metabolismo de lipídio e na sinalização celular. Enquanto um único gene de lipina é detectado em organismos menos complexos, em mamíferos existem três parálogos (Lpin1, Lpin-2 e Lpin3) que são diferencialmente expressos entre os tecidos. Em Drosophila existe um único ortólogo de Lpin1, anotado como CG8709. Neste trabalho contribuímos para a caracterização da estrutura e expressão deste lócus, denominado por nós de DmLpin, e que expressa pelo menos três isoformas, DmLpinA, B e C. O transcrito de DmLpinC foi aqui isolado e codifica uma proteína de 962 aminoácidos que corresponde à isoforma B deletada em 74 aminoácidos na porção amino terminal. Apesar de conter apenas 32 resíduos do domínio NLIP, a ‘Gly POT. 84’ necessária para a atividade PAP1 da lipina-1 é conservada na DmLpinC. Além disso, assim como as isoformas A e B, DmLpinC possui o domínio CLIP, que inclui o motif DXDXT característico das enzimas PAP1, e o motif LXXIL necessário para a atividade de co-ativador transcricional das Opinas 1 e 2 de mamíferos. Os estudos dos níveis dos transcritos das isoformas de DmLpin indicaram padrões de expressão distintos no desenvolvimento e entre tecidos. DmLpinA e B são expressos em maiores quantidades no embrião e em adultos, e DmLpinC é expresso a partir do terceiro estágio, e em popas e adultos machos. Nos tecidos larvais, DmLpinA é o mais abundante em RNA extraído do intestino/túbulo de Malpighi, DmLpinB é predominantemente expresso em tecido nervoso e DmLpinC é detectado exclusivamente em testículos. Utilizando anticorpo que reconhece as três isoformas protéicas de DmLpin observamos por microscopia confocal que as lipinas de Drosophila apresentampadrões de localização subcelular peculiares nos diferentes tecidos. No corpo gorduroso o sinal da lipina é disperso no citoplasma e núcleo, mas apresenta-se concentrado na região perinuclear. Também no cordão nervoso ventral a marcação é restrita ao corpo celular de neurônios já que nos nervos segmentares a marcação de lipina é detectada na glia, mas não no feixe axonal. Nas glândulas anelares a marcação de DmLipin é difusa pelo citoplasma e é detectada no núcleo, onde se apresenta concentrada em uma região que aparenta ser o nucléolo. No intestino, assim como no aparelho reprodutor masculino, as lipinas são detectadas exclusivamente no músculo longitudinal do intestino médio e na camada muscular do testículo, apresentando padrão de distribuição sarcomérico. No ovário a marcação é difusa no citoplasma das células da câmara avariaria e notadamente concentrada nos ring canals que conectam as células nutridoras entre si e com o oócito. Estes padrões específicos de localização subcelular sugerem funções novas para as lipinas, possíveis de serem testadas experimentalmente. Com o objetivo de estabelecer ferramentas para estudos funcionais caracterizamos as linhagens transgênicas 36006GD e 36007GD, construídas para a expressão de RNA duplafita do CG8709 (DmLpin), quanto a capacidade de promover knockdown regulado das lipinas. Análise por western blot mostrou que as quantidades relativas de lipina estavam significativamente diminuídas em tecido onde o dsRNA de CG8709 foi expresso validando o uso das linhagens 36006GD e 36007GD para ensaios funcionais. Finalmente, ensaios preliminares sugerem que a superexpressão de DmLpin dirigida para o corpo gorduroso resulta no aumento de gotículas de lipídios pequenas nas células deste tecido, sugerindo que no corpo gorduroso as lipinas possam estar envolvidas na mobilização de lipídios de estocajem para a produção de energia
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.05.2010

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200055176Maia, Rafaela Martins
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MAIA, Rafaela Martins; PAÇÓ-LARSON, Maria Luísa. Caracterização molecular e celular do homólogo de Lpin1 em Drosophila melanogaster. 2010.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010.
    • APA

      Maia, R. M., & Paçó-Larson, M. L. (2010). Caracterização molecular e celular do homólogo de Lpin1 em Drosophila melanogaster. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Maia RM, Paçó-Larson ML. Caracterização molecular e celular do homólogo de Lpin1 em Drosophila melanogaster. 2010 ;
    • Vancouver

      Maia RM, Paçó-Larson ML. Caracterização molecular e celular do homólogo de Lpin1 em Drosophila melanogaster. 2010 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: