Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Influência do tamanho do fragmento na diversidade de Hymenoptera Sociais (Apidae; Apinae: Apini, Vespidae; Polistinae, Formicidae) em fragmentos remanescentes de floresta estacional semidecidual do Noroeste do Estado de São Paulo: uma análise preliminar (2010)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CORÓ, SIMONY LAVEZZO - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Subjects: HYMENOPTERA; BIODIVERSIDADE; INSETOS SOCIAIS
  • Language: Português
  • Abstract: A fragmentação da vegetação em pequenas áreas afeta vários processos ecológicos que envolvem animais e plantas. O tamanho do fragmento e seu grau de isolamento podem ser fatores determinantes da diversidade de espécies em sistemas fragmentados, e tal processo é uma das principais razões da perda de biodiversidade. Em relação ao numero de espécies, invertebrados terrestres representam a maior parte da biodiversidade, sendo Hymenoptera uma das maiores e mais diversas ordens de insetos. Os insetos sociais são o melhor exemplo de níveis de organização social, e os graus de comportamento social variam, desde solitário até eussocial. Essa visão geral revela a importância e a riqueza dos Hymenoptera sociais para os ambientes naturais, uma vez que ocupam vários nichos ecológicos. Neste trabalho foi realizado um levantamento de Hymenoptera eussociais, capturados com o uso de armadilhas Malaise, sendo duas em cada localidade. O período de amostragem das áreas foi de maio de 2007 a agosto de 2009. Dentre a tribo Apini, foram registrados 218 indivíduos, pertencentes a 9 gêneros e 11 espécies, sendo que os gêneros Tetragonisca e Trigona foram os mais representativos e Tetragonisca angustula foi a espécie mais significativa. A área de Pindorama foi a de maior heterogeneidade e de maior equitabilidade, e Barretos foi a área mais representativa em relação a dominância das espécies. Em relação a similaridade ente as áreas, o coeficiente de Morisita-Hom mostrou-nos que Palestina e União Paulista são as áreas mais similares entre si. Pelo coeficiente de Bray-Curtis, pudemos observar que Macaubal e União Paulista são as áreas com maior similaridade entre si, e através do coeficiente de Jaccard, observamos os mesmos resultados obtidos com o coeficiente de Bray-Curtis. As curvas dos estimadores de riqueza (ACE e ICE) mostraram que somente em Macaubal, União Paulista e Barretos houvetendência a estabilização das curvas, indicando que as coletas foram suficientes. A curva de rarefação de Hulbert mostrou-nos que Barretos apresenta maior riqueza de espécies, e as curvas de todas as áreas tendem a um crescimento e estabilização, o que significa que seriam necessárias mais algumas coletas para confirmar que todas as espécies foram registradas. Dentre a subfamília Polistinae, foram registrados 802 indivíduos, pertencentes a 9 gêneros e 20 espécies. Os generos Agelaia e Polybia foram os mais significativos, e as espécies A. pallipes, P.junnei e P. paulista foram as mais representativas. A área de Macaubal apresentou maior diversidade e maior equitabilidade, e Pindorama foi a área mais representativa em relação a dominância das espécies. Em relação à similaridade ente as áreas, o coeficiente de Morisita-Hom mostrou-nos que Palestina e Barretos são as áreas mais similares entre si. Pelo coeficiente de Bray-Curtis, podemos observar que Vicentinópolis e Planalto apresentam maior similaridade, e através do coeficiente de Jaccard observamos que também Vicentinópolis e Planalto apresentam maior similaridade entre si. As curvas dos estimadores de riqueza (ACE e ICE) mostram que somente em Vicentinópolis e Macaubal as curvas se estabilizaram, indicando que nestas áreas as coletas foram suficientes para estimar a riqueza de espécies encontradas. A curva de rarefação de Hulbert mostrou-nos que Barretos apresenta maior riqueza de espécies. Onda Verde e a área de menor riqueza, onde seriam necessárias mais coletas para confirmar a riqueza total de espécies. Em relação a família Formicidae, além do levantamento de sua fauna, foi feito um agrupamento das espécies em guildas tróficas. Foram registrados 6016 indivíduos, pertencentes a nove subfamílias, 26 gêneros e 99 espécies. A subfamília melhor representada foi Myrmicinae, os gêneros mais representativosforam Camponotus, Pseudomyrmex e Cephalotes, e Pheidole bergi, Pseudomymex simplex e Cephalotes clypeatus foram as espécies mais significativas. Pindorama foi a área mais diversa e também de maior equitabilidade, e Onda Verde foi a área que apresentou mais espécies dominantes. No que diz respeito a similaridade ente as áreas, o coeficiente de Morisita-Hom mostrou-nos que Vicentinópolis e Macaubal são as áreas mais similares entre si, o coeficiente de Bray-Curtis indicou-nos que Planalto e União Paulista são as áreas com maior similaridade entre si e o coeficiente de Jaccard mostrou-nos os mesmos resultados obtidos pelo coeficiente de Bray-Curtis. As curvas dos estimadores de riqueza dos índices ACE e ICE mostraram que somente em União Paulista as curvas se estabilizaram, indicando que nesta área as coletas foram suficientes para estimar a riqueza de espécies encontradas. A curva de rarefação de Hulbert mostrou-nos que Planalto e a área com maior riqueza de espécies. Foram descritos 13 grupos funcionais para as formigas, desde predadoras de solo e vegetação, até onívoras, oportunistas e especialistas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.07.2010

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800041049Coró, Simony Lavezzo
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CORÓ, Simony Lavezzo; NOLL, Fernando Barbosa. Influência do tamanho do fragmento na diversidade de Hymenoptera Sociais (Apidae; Apinae: Apini, Vespidae; Polistinae, Formicidae) em fragmentos remanescentes de floresta estacional semidecidual do Noroeste do Estado de São Paulo: uma análise preliminar. 2010.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010.
    • APA

      Coró, S. L., & Noll, F. B. (2010). Influência do tamanho do fragmento na diversidade de Hymenoptera Sociais (Apidae; Apinae: Apini, Vespidae; Polistinae, Formicidae) em fragmentos remanescentes de floresta estacional semidecidual do Noroeste do Estado de São Paulo: uma análise preliminar. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Coró SL, Noll FB. Influência do tamanho do fragmento na diversidade de Hymenoptera Sociais (Apidae; Apinae: Apini, Vespidae; Polistinae, Formicidae) em fragmentos remanescentes de floresta estacional semidecidual do Noroeste do Estado de São Paulo: uma análise preliminar. 2010 ;
    • Vancouver

      Coró SL, Noll FB. Influência do tamanho do fragmento na diversidade de Hymenoptera Sociais (Apidae; Apinae: Apini, Vespidae; Polistinae, Formicidae) em fragmentos remanescentes de floresta estacional semidecidual do Noroeste do Estado de São Paulo: uma análise preliminar. 2010 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: