Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O impacto neuroendocrinológico do uso prolongado de morfina por vias espinal e oral no tratamento da dor crônica (2010)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: VALVERDE FILHO, JOãO - FM
  • USP Schools: FM
  • Subjects: ALCALOIDES; DOR; DOENÇA CRÔNICA; HORMÔNIOS; BOMBAS DE INFUSÃO; OSTEOPOROSE
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução. Foram avaliados prospectivamente com o questionário de qualidade de vida Treatment Outcomes in Pain Survey (TOPS) escala visual analógica (EVA) e a função hipotálamo-hipofisária de 57 doentes com dor não decorrente de doença oncológica; 20 doentes eram do sexo feminino (18 a 45 anos) e 37 do sexo masculino (18 a 60 anos), sendo 19 tratados com 60 ao 120mg/dia de morfina por via oral (grupo oral), 19 com 0,2 a 10 mg/dia de morfina por via espinal (grupo espinal) e 19 sem morfina (grupo controle). Resultados. Ocorreu alteração significativa da libido em ambos os sexos nos doentes tratados com morfina por ambas as vias de administração; 84,2% dos doentes do grupo controle não referiram alterações clínicas na esfera sexual. Comprometimento da potência sexual foi significativamente mais referida nos homens do grupo oral que nos do grupo controle, fogacho foi mais prevalente nas doentes do sexo feminino tratadas com morfina por ambas a as vias de administração e ocorreu alteração do ciclo menstrual em todas as doentes do sexo feminino tratadas com morfina por via espinal. As concentrações séricas de testosterona total inferiores a < 271 ng/dl foram significativamente mais prevalentes nos doentes dos grupos espinal (58,33%) e oral (70%) do que nos do grupo controle (16,7%)(p=0,012). A concentração sérica do DHEAS foi baixa nos doentes dos grupos espinal e oral. As respostas estimuladas do TSH após estímulo com TRH foram subnormais nos grupos espinal e oral (p=0,020). As concentrações basais e estimuladas de LH, FSH, as plasmáticas basais do ACTH, as plasmáticas do pico e basais do cortisol, a excreção urinária do cortisol, as concentrações basais do IGF-I e do pico do GH durante o teste de tolerância da insulina e concentração sérica dos hormônios tireoidianos. não diferiram estatisticamente entre os grupos. As concentrações séricas do colesterol total acima de 200mg/dl e concentrações (Continua)(Continuação) elevadas do PCR foram significantemente mais frequentes nos doentes dos grupos espinal e oral do que nos do grupo controle (p=0,03). As concentrações séricas do fibrinogênio, colesterol e frações, triglicérides e Lpa foram similares nos doentes dos três grupos. A concentração sérica de 25-OH-vitamina D3 foi menor que 30ng/ml em 69% a 94% dos doentes e não se evidenciou diferença significativa entre os três grupos. A DMO do corpo inteiro foi abaixo do valor normal nos doentes do sexo masculino do grupo espinal (p=0,014). Houve prevalência significativa de osteopenia (p=0,01) nos doentes do grupo espinal e osteoporose densitométrica nos doentes do grupo oral (p=0,023) em relação aos do grupo controle. A perda óssea não se relacionou a qualquer alteração hormonal. Conclusão. O hipogonadismo- hipogonadotrófico foi prevalente nos usuários de morfina. A morfina pode ter induzido à perda óssea. Ocorreu alta prevalência de deficiência de 25-OH-VitD3 nos doentes dos três grupos. Os eixos GH, TSH, ACTH e as variáveis do risco cardiovascular foram menos comprometidos com o uso da morfina
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.08.2010
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM10700068484W4.DB8 SP.USP FM-2 V29im 2010
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VALVERDE FILHO, João; TEIXEIRA, Manoel Jacobsen. O impacto neuroendocrinológico do uso prolongado de morfina por vias espinal e oral no tratamento da dor crônica. 2010.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5138/tde-22092010-112609/ >.
    • APA

      Valverde Filho, J., & Teixeira, M. J. (2010). O impacto neuroendocrinológico do uso prolongado de morfina por vias espinal e oral no tratamento da dor crônica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5138/tde-22092010-112609/
    • NLM

      Valverde Filho J, Teixeira MJ. O impacto neuroendocrinológico do uso prolongado de morfina por vias espinal e oral no tratamento da dor crônica [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5138/tde-22092010-112609/
    • Vancouver

      Valverde Filho J, Teixeira MJ. O impacto neuroendocrinológico do uso prolongado de morfina por vias espinal e oral no tratamento da dor crônica [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5138/tde-22092010-112609/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: