Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Análise proteômica das diversas fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea (2010)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PAULA, LEONARDO BARCELOS DE - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Subjects: CÉLULAS-TRONCO; OSTEOBLASTO; REGENERAÇÃO ÓSSEA
  • Language: Português
  • Abstract: O crescimento, desenvolvimento e manutenção do tecido ósseo são processos altamente regulados. Diversas proteínas como hormônios, fatores de crescimento e citocinas estão envolvidas nestes processos e exercem atividade direta sobre células osteoblástica e osteoclástica, atuando em sua diferenciação e ativação metabólica. O processo de regeneração óssea é iniciado por fatores estimuladores locais como as proteínas morfogenética óssea (BMP - "Bone Morphogenetic Proteins"). As BMPs são um produto do metabolismo dos osteoblastos, odontoblastos e de várias células tumorais, sendo armazenadas na forma de concentrados no osso, dentina e em células neoplásicas do osteossarcoma e de certos tumores odontogênicos, tais como: fibroma cementificante, cementoblastoma benigno, dentinoma, fibroma odontogênico e odontoma. Esclarecer os mecanismos que controlam a remodelação óssea é uma questão bastante relevante. Nesse sentido, as células-tronco mesenquimais têm despertado grande interesse devido ao seu potencial envolvimento no processo de reparo tissular. A obtenção de osteoblastos funcionais a partir de células-tronco mesenquimais tem sido utilizada na engenharia de tecidos e terapia celular. Desse modo, no presente trabalho foi realizada uma análise proteômica das proteínas envolvidas nas diversas fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea de rato Wistar e humana, no sentido de obter maiores informações sobre a diferenciação celular e a biologia do tecido ósseo. Células-tronco mesenquimais obtidas de medula óssea foram cultivadas em meio osteogênico por diferentes períodos para obter células em diversas fases da diferenciação osteoblástica. Para análise proteômica foram utilizadas ferramentas como a estratégia de "shotgun proteomics"e quantificação relativa (iTRAQ - Isobaric Tag for Relative and Absolute Quantitation) para separação de proteínas e aespectrometria de massas para a identificação e quantificação relativa de proteínas e peptídeos. Neste contexto, os nossos resultados nos levam a concluir que: as CTMs de medula óssea de rato Wistar expressam genes que estão envolvidos na diferenciação osteogênica quando estimuladas in vitro formando matriz óssea no período de 14 dias, ou seja, o fator estimulante no microambiente é de fundamental importância; as CTMs de medula óssea humana apresentaram resultados semelhantes com as CTMs de ratos em nível genômico durante a diferenciação osteogênica, entretanto quando estimuladas in vitro formaram a matriz óssea no período de 21 dias; utilizando duas abordagens proteômicas, foi possível identificar proteínas importantes que estão envolvidas no processo de diferenciação. Mas cabe salientar que, embora tenham sido detectados genes que parecem envolvidos no processo de diferenciação, isso não teve reflexo no proteoma dessas células nos períodos de 7 e 14 dias da indução de diferenciação à osteogênese, o que indica que a maior parte da funcionalidade dessas células quanto aos outros processos biológicos estão preservados, como por exemplo a proliferação celular permaneceu sem grandes alterações. Isso indica que manipulações de isolamento, cultivo e indução da diferenciação dessas células não afetaram o proteoma, com aspectos positivos para a utilização de células-tronco mesenquimais em terapia celular. Do ponto de vista metodológico, esse trabalho abre perspectivas da utilização de estratégias proteômicas baseadas na marcação por isóbaros em combinação com separação de proteínas por eletroforese unidimensional SDS-PAGE para a análise de amostras biologicamente complexas e de quantidades limitadas de obtenção como células-tronco mesenquimais. O estudo da expressão de proteínas durante as fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea deverefletir seu estado funcional e contribuir para o entendimento das diversas vias envolvidas no processo de diferenciação
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 13.12.2010
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200056612Paula, Leonardo Barcelos de
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PAULA, Leonardo Barcelos de; ROSA, José César. Análise proteômica das diversas fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea. 2010.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17136/tde-26012011-101120/?&lang=pt-br >.
    • APA

      Paula, L. B. de, & Rosa, J. C. (2010). Análise proteômica das diversas fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17136/tde-26012011-101120/?&lang=pt-br
    • NLM

      Paula LB de, Rosa JC. Análise proteômica das diversas fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17136/tde-26012011-101120/?&lang=pt-br
    • Vancouver

      Paula LB de, Rosa JC. Análise proteômica das diversas fases de diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de medula óssea [Internet]. 2010 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17136/tde-26012011-101120/?&lang=pt-br