Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Ventilação não invasiva pós extubação na prática clínica de um hospital terciário: um estudo de coorte (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: FIGUEIRôA, MAISE CALA - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MFT
  • Subjects: RESPIRAÇÃO COM PRESSÃO POSITIVA; INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA; TERAPIA RESPIRATÓRIA; EPIDEMIOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: INTRODUÇÃO: A insuficiência respiratória pós-extubação é um evento comum após a descontinuação da ventilação mecânica, sendo a reintubação necessária em cerca de 10% (4-24%) dos casos. A ventilação não invasiva (VNI) tem sido considerada como uma terapia promissora para evitar a reintubação, sendo aplicada como um adjunto para extubação precoce, de forma preventiva ou em pacientes que desenvolveram insuficiência respiratória pós extubação. OBJETIVO: Comparar as características clínicas e os desfechos da população de estudo, de acordo com as três formas de aplicação da VNI no período pós extubação. MÉTODOS: Estudo observacional prospectivo em 11 Unidades de Terapia Intensiva por um período de nove meses, onde todos os pacientes adultos submetidos à VNI dentro de 48h após a extubação foram avaliados. RESULTADOS: Um total de 174 pacientes foi incluído no estudo. A média(DP) de idade foi de 56 (18) anos e 55% eram do sexo masculino. A média (DP) do SAPS II foi de 42(14). As formas de aplicação da VNI foram: Insuficiência respiratória pós-extubação (G-IRpA) (26%), como adjunto no desmame precoce (G-PRECOCE) (10%) e como VNI preventiva (G-PREVENT) (64%). O tempo mediano de tempo de ventilação mecânica foi similar nos três grupos (66h), o tempo mediano entre a extubação e o inicio da VNI foi de 0h (0-16h), e o tempo mediano entre a extubação e a reintubação foi de 2 dias (0,7-4d). Apenas 3% dos pacientes tinham DPOC. A taxa de sucesso da VNI foi de 67% no G-IRpA, 70% no G-PRECOCE e 64% no G-PREVENT, com taxa de reintubação de 34%. A taxa de mortalidade na UTI foi de 27%. Pacientes com hipercapnia tiveram uma taxa de sucesso maior (81%), já os pacientes que necessitaram de aspiração de secreção e que passaram mais tempo na VNI foram mais susceptíveis a serem reintubados.(Continua)(Continuação) CONCLUSÃO: A VNI pode reduzir as taxas de reintubação em pacientes que apresentaram insuficiência respiratória pós extubação, apresentar um sucesso moderado em pacientes heterogêneos que a utilizaram no desmame precoce e quando utilizada em uma população não seleta de forma preventiva, não reduz, significativamente, as taxas de mortalidade e de reintubação
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 08.07.2011
  • Acesso online ao documento

    Acesso à fonte or search this record in

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FIGUEIRÔA, Maise Cala; FU, Carolina. Ventilação não invasiva pós extubação na prática clínica de um hospital terciário: um estudo de coorte. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5163/tde-02082011-141513/ >.
    • APA

      Figueirôa, M. C., & Fu, C. (2011). Ventilação não invasiva pós extubação na prática clínica de um hospital terciário: um estudo de coorte. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5163/tde-02082011-141513/
    • NLM

      Figueirôa MC, Fu C. Ventilação não invasiva pós extubação na prática clínica de um hospital terciário: um estudo de coorte [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5163/tde-02082011-141513/
    • Vancouver

      Figueirôa MC, Fu C. Ventilação não invasiva pós extubação na prática clínica de um hospital terciário: um estudo de coorte [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5163/tde-02082011-141513/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2019