Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Redistribuição da cocaína e sua influência na neuroquímica post mortem (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CARVALHO, VIRGíNIA MARTINS - FCF
  • USP Schools: FCF
  • Sigla do Departamento: FBC
  • Subjects: COCAÍNA; TOXICOLOGIA FORENSE; NEUROQUÍMICA
  • Language: Português
  • Abstract: A interpretação dos achados laboratoriais no estabelecimento da causa mortis consiste na integração dos conhecimentos sobre a toxicocinética e toxicodinâmica do agente, conhecimentos de sua redistribuição post mortem (RPM) e achados necroscópicos que possibilitem o nexo causal entre o toxicante e o efeito letal. Neste sentido, é importante considerar que somente as concentrações de cocaína (COC) e seus metabólitos podem não ser determinantes na interpretação da causa de morte, podendo ser útil o cotejamento com outros parâmetros, como os níveis de neurotrasmissores que representem o mecanismo de ação do fármaco. Assim, este trabalho teve por objetivo investigar a RPM da COC e seu metabólito benzoilecgonina (BE) em três segmentos do tecido encefálico (TE), no humor vítreo (HV) e sangue (SG), bem como determinar as concentrações de catecolaminas e indolaminas no encéfalo para avaliar a aplicação da neuroquímica post mortem (NPM) na toxicologia forense. No estudo de RPM foram quantificados os níveis de COC e BE em três segmentos do TE (córtex frontal, núcleos da base e cerebelo), no HV e no SG através de método por cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC) acoplada ao detector de arranjo de diodos. Os estudos de neuroquímica foram realizados empregando-se HPLC acoplada ao detector eletroquímico. Os resultados indicaram que as concentrações médias de COC foram maiores no TE, seguido por SG e HV (3,09, 2,92 e 1,71 µg/mL, respectivamente), enquanto para BE foram maioresem SG, seguido por HV e TE (6,12, 1,39 e 0,87 µg/mL, respectivamente). As concentrações de COC se apresentaram distribuídas uniformemente nos três segmentos de TE e apresentaram alta correlação com o HV. Adicionalmente, a média de concentrações de dopamina total foi maior no grupo de indivíduos com amostras positivas para COC, sendo verificado diferença significativa entre este grupo e o de indivíduos com amostras negativas para o fármaco de interesse. Os resultados demostraram que o estudo de RPM e da NPM constituem ferramentas aplicáveis na interpretação da causa e maneira de morte
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.03.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    CQ30100018123T615.9523214 C331r
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CARVALHO, Virgínia Martins; CHASIN, Alice Aparecida da Matta. Redistribuição da cocaína e sua influência na neuroquímica post mortem. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-15072011-120720/ >.
    • APA

      Carvalho, V. M., & Chasin, A. A. da M. (2011). Redistribuição da cocaína e sua influência na neuroquímica post mortem. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-15072011-120720/
    • NLM

      Carvalho VM, Chasin AA da M. Redistribuição da cocaína e sua influência na neuroquímica post mortem [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-15072011-120720/
    • Vancouver

      Carvalho VM, Chasin AA da M. Redistribuição da cocaína e sua influência na neuroquímica post mortem [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-15072011-120720/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: