Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Vivência jurídica (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CADORE, RODRIGO GARCIA - FD
  • USP Schools: FD
  • Subjects: FILOSOFIA DO DIREITO; HERMENÊUTICA (DIREITO); TEORIA DO DIREITO
  • Language: Português
  • Abstract: Os estudos jurídicos devem se orientar pela vivência do direito e não pelas teorias e sistematizações de uma suposta ciência jurídica. Direito é vivência humana e como tal deve ser tematizado. Abordar o direito requer olhar para as práticas reais dos protagonistas reais da vivência jurídica, na provocação e tomada de decisões. Adentrar às sessões dos tribunais e atentar aos bastidores das adjudicações. As tentativas de conformação de específica ciência do direito, encarregada de sistematizar e interpretar o assim-chamado direito válido se revelam vazias de juridicidade. Tomam como realidade conjuntos de abstrações. Direito não é ente, devendo ser abordado em seu constante devir, como continuum, no fluxo de processos que rumam para a o desfecho de casos trazidos a juízo, clamando por decisão tendencialmente definitiva. Não se pode insistir em abordagens estáticas do direito. Cumpre assumir o desafio de encará-lo na sua processual idade e dinamicidade, tematizando-lhe a travessia, das situações conflitivas da vida em grupo às decisões judiciais de última instância aptas a se revestir de força de coisa julgada. Carece de sentido a postulação de cisão gnoseológica entre planos de ser (Sein) e dever ser (Sollen) na abordagem do direito. Afigurando-se como vivência, não se constitui como espécie de normatividade (ideal idade) situada em plano diverso do da realidade, ainda que se sujeitem os jurisdicionados à autoridade das manifestações judiciais decisórias, restando vinculados a elas. O dogma da normatividade e síndrome do normativismo devem ser afastados, fazendo perceber que inexiste algo como um direito válido a ser aplicado, anteriormente à interpretação e decisão dos julgadores. A variabilidade e mutabilidade do direito deve ser assumido, rechaçando-se perspectivas sistematizantes, quer as insistentes em afirmar a sistematicidade(continua)(continuação)do direito, quer as preocupadas em construir conhecimento sistemático sobre as disposições jurídicas. A aprendizagem jurídica requer vivência. Impõe-se lançar nuamente ao direito, a fim de vivenciá-lo em permanente câmbio, situando-se sempre entre o não ainda e o não mais. A partir da inspiração da poesia de Czeslaw Milosz, esta dissertação, escrita sob a forma de ensaios, pretende oferecer subsídios para desbancar algumas teses bastantes difundidas no interior da designada "ciência jurídica", negando-lhe cientificidade e juridicidade, bem como sugerir algumas idéias a ter em conta na tematização do direito, procurando contribuir para uma reestruturação dos estudos jurídicos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.05.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FD20400212161P15-21-21 DBC
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CADORE, Rodrigo Garcia; SÓLON, Ari Marcelo. Vivência jurídica. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2139/tde-28052012-142104/pt-br.php >.
    • APA

      Cadore, R. G., & Sólon, A. M. (2011). Vivência jurídica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2139/tde-28052012-142104/pt-br.php
    • NLM

      Cadore RG, Sólon AM. Vivência jurídica [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2139/tde-28052012-142104/pt-br.php
    • Vancouver

      Cadore RG, Sólon AM. Vivência jurídica [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2139/tde-28052012-142104/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: