Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Efeito do tamanho da célula do favo e da infestação do ácaro Varroa destructor sobre a morfometria da asa e da longevidade da sua hospede, a abelha Apis mellifera (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CAPPELARI, FABRICIO ALAOR - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Subjects: ÁCAROS; PARASITISMO; ABELHAS; MORFOMETRIA; ENTOMOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: As abelhas da espécie Apis mellifera são criadas em células de cera organizadas em favos. O tamanho destas células é determinado pela abelha, embora o apicultor possa influir através de fornecimento de laminas de cera moldadas com o padrão das células em tamanho diferente do natural. Apesar do que este tipo de manipulação é freqüente, os efeitos sobre as abelhas são desconhecidos. O ácaro parasita das abelhas, Varroa destructor, também afeta as abelhas enquanto elas desenvolvem dentro das células do favo, embora o efeito da interação entre tamanho da célula e a infestação com o ácaro tem sido pouco estudado. Investigamos os efeitos do tamanho da célula da cria e da infestação com o ácaro em abelhas Africanizadas (AHB) e em abelhas de um cruzamento entre abelhas Italianas e Africanizadas (Hibridas). Os parâmetros investigados foram longevidade (de abelhas recém-nascidas, marcadas e mantidas em uma colméia de observação), morfometria, incluindo morfometria clássica e morfometria geométrica das asas, peso da abelha ao nascer, e frequência da característica "asa enrolada", grau de infestação com o ácaro Varroa destructor, e largura e profundidade das células de cria nos favos. A longevidade das abelhas Híbridas foi significativamente maior (28,8 ‘MAIS OU MENOS’ 6,7 dias) do que das AHB (27,2 ‘MAIS OU MENOS’ 5,2 dias). Abelhas que nasceram em favos com células de cria com largura maior ou igual a 5,00 mm apresentaram uma maior longevidade (30,3 ‘MAIS OU MENOS’ 7,3 dias para Híbridas e 27,1 ‘MAIS OU MENOS’5,5 dias para AHB) do que quando nasceram em células menores do que 5,00 (27,9 ‘MAIS OU MENOS’ 4,1 para Híbridas e 26,2 ‘MAIS OU MENOS’ 3,9 dias para AHB) provando que a célula de cria exerce uma influência significativa sobre a longevidade, exceto quando comparamos AHB nascidas em células pequenas (< 5,0 mm) com as AHB nascidasem células grandes (‘> OU =’5,00 mm), para a qual esta tendência não foi significativa (P = 0,829). Abelhas nascidas em células com profundidade maior ou igual a 12 mm viveram mais do que as que nasceram em profundidade menor do que 12 mm (Híbrida: 29,3 ‘MAIS OU MENOS’ 6,3 dias /28,2 ‘MAIS OU MENOS’ 7,1 dias e AHB: 26,9 ‘MAIS OU MENOS’ 4,1 /26,7 ‘MAIS OU MENOS’ 3,5 dias). O ácaro Varroa destructor também afetou a longevidade das abelhas (30,8 ‘MAIS OU MENOS’ 4,2 dias sem Varroa, comparada a 14,4 ‘MAIS OU MENOS’ 2,1 dias em Híbridas infestadas; e 27,2 ‘MAIS OU MENOS’ 3,3 dias sem Varroa, comparada a 13,1 ‘MAIS OU MENOS’ 1,9 dias em AHB infestadas) Estação do ano também afetou a longevidade das abelhas. As abelhas sobreviveram significativamente mais tempo quando foram criadas na estação quente e chuvosa (30,2 ‘MAIS OU MENOS’ 5,9 dias para Híbridas e 27,1 ‘MAIS OU MENOS’ 4,0 dias para AHB) (Setembro a março) do que na época fria e seca (27,2 ‘MAIS OU MENOS’ 6,2 dias para Híbridas e 26,4 ‘MAIS OU MENOS’ 4,1 dias para Africanizadas). O peso da abelha ao nascer também afetou a longevidade. Abelhas que nasceram com peso maior ou igual a 90 mg viveram significativamente mais tempo do que abelhas com peso menor do que 90 mg. Abelhas Híbridas nascidas com peso menor do que 90 mg apresentaram uma diminuição de 30% na longevidade (29,3 ‘MAIS OU MENOS’ 6,2 dias/ 20,5 ‘MAIS OU MENOS’ 8,2 dias) quando comparadas com Híbridas nascidas em favo grande; em AHB esta perda foi menor (27,1 ‘MAIS OU MENOS’ 3,5 dias / 22,0 ‘MAIS OU MENOS’6,8 dias) Algumas abelhas nasceram com "asa enrolada". Isto diminuiu a longevidade da abelha tanto como a infestação com o ácaro. Embora a asa enrolada foi mais freqüente entre abelhas que foram infestadas com o ácaro, a longevidade das abelhas também foi menor em abelhas com asas enroladasque não foram infestadas com o ácaro. Abelhas com asa enrolada e com Varroa tiveram menor longevidade (10,06 ‘MAIS OU MENOS’ 2,6 dias para AHB e 12,1 ‘MAIS OU MENOS’ 2,3 dias para híbrida) do que as que apresentavam asa enrolada sem infestação por Varroa (AHB: 14,5 ‘MAIS OU MENOS’ 1,6 dias e Hib: 16,6 ‘MAIS OU MENOS’ 4,2 dias). A asa enrolada também foi mais freqüente em abelhas Híbridas independente da infestação com o ácaro. A taxa de infestação com o ácaro foi maior em abelhas Híbridas comparadas com as AHB (10,8 % / 9,6 %). A taxa de infestação com o ácaro também foi maior na estação fria e seca (híbrida: 12,8 ‘MAIS OU MENOS’ 2,7 % / AHB: 8,4 ‘MAIS OU MENOS’ 2,0 %,), comparada com a estação quente e amida (híbrida: 8,4 ‘MAIS OU MENOS’2,0 % /AHB: 7,6 ‘MAIS OU MENOS’ 1,8 %). A porcentagem de células de cria infestadas por mais do que uma fêmea adulta do ácaro aumentou durante os quatro anos de coleta de dados. A asa enrolada foi mais freqüente na estação fria e seca. A frequência de asa enrolada aumentou durante os quatro anos de coleta nas abelhas Híbridas (11,9 ‘MAIS OU MENOS’ 2,6 % para 16,0 ‘MAIS OU MENOS’ 2,7 %) e diminuiu nas AHB (7,7 ‘MAIS OU MENOS’ 3,2 % para 4,0 ‘MAIS OU MENOS’ 1,4 %). Abelhas Híbridas nascidas com Varroa tiveram em geral uma diminuição de 11,1% de seu peso em relação a abelhas com Varroa (101,1 mg para 91,0 mg). Em AHB esta diferença foi de 6,7 % (95,0 para 89,0 mg), sendo a diferença estatisticamente significante. Abelhas que não foram infestadas pelo ácaro pesaram significativamente mais; abelhas nascidas em células de cria de maior largura também pesaram mais. As medidas da asa (comprimento, largura e dimensões da célula radial) não foram significativamente afetadas pelos fatores peso da abelha ao nascer, largura e profundidade da célula do favo, e infestação como ácaro Varroa destructor. A morfometria geométrica das asas, que mede relações entre pontos de encontro das veias da asa, também não detectou diferenças entre abelhas infestadas ou não pelo acaro e entre abelhas nascidas em células de tamanhos diferentes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.06.2011

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800043033Cappelari, Fabricio Alaor
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CAPPELARI, Fabricio Alaor; DE JONG, David. Efeito do tamanho da célula do favo e da infestação do ácaro Varroa destructor sobre a morfometria da asa e da longevidade da sua hospede, a abelha Apis mellifera. 2011.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.
    • APA

      Cappelari, F. A., & De Jong, D. (2011). Efeito do tamanho da célula do favo e da infestação do ácaro Varroa destructor sobre a morfometria da asa e da longevidade da sua hospede, a abelha Apis mellifera. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Cappelari FA, De Jong D. Efeito do tamanho da célula do favo e da infestação do ácaro Varroa destructor sobre a morfometria da asa e da longevidade da sua hospede, a abelha Apis mellifera. 2011 ;
    • Vancouver

      Cappelari FA, De Jong D. Efeito do tamanho da célula do favo e da infestação do ácaro Varroa destructor sobre a morfometria da asa e da longevidade da sua hospede, a abelha Apis mellifera. 2011 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: