Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Gradientes de oxigênio, glicose, dióxido de carbono e lactato em diferentes compartimentos vasculares (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PEREIRA, ADRIANO JOSé - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MCG
  • Subjects: CORAÇÃO; DIÓXIDO DE CARBONO; GLICOSE; METABOLISMO ENERGÉTICO; MODELOS ANIMAIS; OXIGÊNIO; ANÓXIA
  • Keywords: Ácido láctico; Animal disease models; Carbon dioxide; Cell hypoxia; Energy metabolism; Glucose; Heart; Hipóxia celular; Lactic acid; Modelos animais; Oxygen
  • Language: Português
  • Abstract: INTRODUÇÃO: Apesar do amplo uso da medida da saturação central de oxigênio como meta terapêutica em pacientes de terapia intensiva, diferenças absolutas em relação à saturação venosa mista existem. As causas desses gradientes, bem como o comportamento das mesmas ao longo do tempo nas doenças graves não foram completamente esclarecidas. Considerando que a maioria das intervenções atualmente empregadas para reverter desequilíbrios de oxigenação tecidual presentes nos pacientes graves é direcionada, direta ou indiretamente, ao coração; a situação particular de elevada taxa de extração de oxigênio basal do miocárdio e a ausência de ferramentas de monitorização do impacto miocárdico dessas intervenções, o presente estudo, diante da possibilidade teórica da participação do efluente do seio coronário nessas diferenças centrais para pulmonares, não só para a saturação de oxigênio (SO2), analisou o comportamento da SO2, pressão parcial de dióxido de carbono (PCO2), lactato e glicose, em diferentes modelos de hipóxia e compartimentos vasculares, com ênfase na avaliação do metabolismo miocárdico e seu impacto nos gradientes centrais para pulmonares. MÉTODOS: 37 porcos, machos, com peso em torno de 35 Kg, sedados e ventilados mecanicamente, foram estudados após indução de quatro diferentes tipos de injúria hipóxica (hipóxia anêmica, estagnante, hipóxica e sepse), sendo 8 animais por grupo e mais 5 controles. Além de variáveis hemodinâmicas e de oxigenação, SO2, PCO2, lactato e glicoseforam medidos, em diferentes momentos, em 9 compartimentos vasculares distintos, incluindo o seio coronário (artéria femoral, veia cava inferior e superior, átrio direito, ventrículo direito, artéria pulmonar, veia suprahepática direita e veia porta). PRINCIPAIS RESULTADOS: As concentrações de O2, lactato e glicose no efluente do seio coronário apresentaram padrões distintos entre os grupos: troca de substrato energético de lactato por glicose nos grupos hipóxia hipóxica e anêmica, aumento no consumo de ambos os substratos na sepse e ausência de tendência clara no grupo da hipóxia estagnante. Os gradientes de PCO2 entre seio coronário e artéria femoral mantiveram-se estáveis com tendência de alargamento tardio em todos os modelos. Na análise dos demais gradientes regionais, o seio coronário apresentou a menor SO2 do organismo, as menores concentrações de lactato, os maiores níveis de PCO2, e esses padrões variaram ao longo do tempo. Mesma tendência evolutiva foi percebida entre os gradientes centrais para pulmonares de O2, lactato, CO2 e glicose e a medida desses mesmos parâmetros no seio coronário. CONCLUSÕES: As concentrações de O2, lactato e glicose no efluente do seio coronário estão relacionadas ao tipo de injúria e não apenas à disponibilidade de substrato energético. Padrões de gravidade, comuns às fases tardias de todos os grupos, puderam ser identificados: qualquer redução da SO2 coronariana; incremento do metabolismo de glicose; produção de lactato pelo miocárdioe surgimento de igualdade ou inferioridade dos níveis da PCO2 coronariana em relação aos valores dos demais compartimentos vasculares do organismo (independentemente da trajetória). A tendência dos gradientes de PCO2 transmiocárdicos seguiu a do débito cardíaco e, certamente, deve refletir fluxo coronariano. A análise dos gradientes regionais se mostrou capaz de permitir a avaliação de contextos orgânicos regionais específicos, como na avaliação do metabolismo hepático, na qual foi possível demonstrar que na hipóxia, a produção de glicose hepática é mantida até o óbito, diferentemente do padrão descrito para a sepse. Por fim, com a análise dos dados do grupo sepse, foi possível demonstrar que: a) assim como os gradientes centrais para pulmonares de SO2 e lactato já foram descritos, gradientes de glicose e PCO2 também existem; b) o seio coronário participa, significativamente, na formação desses gradientes de lactato, CO2 e glicose
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.08.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM10700102109W4.DB8 SP.USP FM-2 P489gr 2011
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PEREIRA, Adriano José; FIGUEIREDO, Luiz Francisco Poli de; SILVA, Eliezer. Gradientes de oxigênio, glicose, dióxido de carbono e lactato em diferentes compartimentos vasculares. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5152/tde-27102011-160323/ >.
    • APA

      Pereira, A. J., Figueiredo, L. F. P. de, & Silva, E. (2011). Gradientes de oxigênio, glicose, dióxido de carbono e lactato em diferentes compartimentos vasculares. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5152/tde-27102011-160323/
    • NLM

      Pereira AJ, Figueiredo LFP de, Silva E. Gradientes de oxigênio, glicose, dióxido de carbono e lactato em diferentes compartimentos vasculares [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5152/tde-27102011-160323/
    • Vancouver

      Pereira AJ, Figueiredo LFP de, Silva E. Gradientes de oxigênio, glicose, dióxido de carbono e lactato em diferentes compartimentos vasculares [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5152/tde-27102011-160323/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: