Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Que(m) nomeia a deficiência? (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GALVãO, LíGIA FERREIRA - IP
  • USP Schools: IP
  • Subjects: DEFICIENTES; ANÁLISE DO DISCURSO; EDUCAÇÃO ESPECIAL; EDUCAÇÃO INCLUSIVA; DESENVOLVIMENTO HUMANO
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho estuda os modos de produção discursiva do que se denomina, na atualidade, deficiência. Vale-se da análise institucional do discurso, proposta por Marlene Guirado, como referência teórico-metodológica em todas as etapas da pesquisa, em especial para a análise das entrevistas realizadas. Estas trazem à cena o discurso de quatro pessoas (re)conhecidas como pessoas com deficiência e de seus familiares; todas as quatro matriculadas na rede municipal de ensino de uma cidade próxima à cidade de São Paulo. O período de realização das entrevistas (2008-2010) coincide com o momento em que as práticas vinculadas ao modelo tradicional de ensino ofertado àqueles alunos (educação especial) passam a ser substituídas por práticas enunciadas como visando outro modelo de ensino, denominado educação inclusiva. Também é analisado o discurso de seis educadores e seis profissionais de outras áreas, todos eles ligados direta ou indiretamente às quatro pessoas com deficiência e em contato direto ou indireto entre si, no cotidiano profissional. Analisadas uma a uma, as entrevistas são agrupadas primeiramente pela sua origem, a saber: pessoas e familiares; educadores e terapeutas. São analisadas as singularidades que se destacam em cada entrevista e as regularidades que se desenham pela repetição de termos e expressões no entrecruzamento desses discursos. Obtêm-se, dessa forma, categorias que não só constituem o campo discursivo específico do conjunto de entrevistas como indicam osgêneros discursivos e os modos particulares de dizer e colocar em circulação um discurso da deficiência. Assim efetivada, a análise permite afirmar que a deficiência, dita como falta, limitação, dificuldade; mostrada como imperfeição, doença, bloqueio, também é associada, pela negação, à capacidade/incapacidade dos sujeitos. A transitividade dos termos enunciados não é complementada senão com termos vagos e gerais, como artigos e pronomes indefinidos. Contrastada, no discurso, com as narrativas de experiências e histórias concretas de vida, em especial na fala das pessoas com deficiência e de seus familiares, a dimensão conceitual e abstrata da categoria deficiência parece não ter destaque na enunciação, dando lugar ao inefável da experiência humana
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.08.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IP12300029874T BF727.H3 G182q e.1
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GALVÃO, Lígia Ferreira; GUIRADO, Marlene. Que(m) nomeia a deficiência?. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-30112011-111315/ >.
    • APA

      Galvão, L. F., & Guirado, M. (2011). Que(m) nomeia a deficiência?. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-30112011-111315/
    • NLM

      Galvão LF, Guirado M. Que(m) nomeia a deficiência? [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-30112011-111315/
    • Vancouver

      Galvão LF, Guirado M. Que(m) nomeia a deficiência? [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-30112011-111315/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: