Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Ritmicidade da emissão de propágulos em Chthamalus bisinuatus (Plsbry, 1916): endógenas e exógenas (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: KASTEN, PAULA - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 592
  • Subjects: CRUSTACEA; RITMOS BIOLÓGICOS ANIMAL
  • Keywords: Chthamalus bisinuatus; emissão larval; muda; ritmos de emissão; ritmos endógenos; Chthamalus bisinuatus; endogenous rhythms; larval release; moult; release rhythms
  • Language: Português
  • Abstract: A sincronização reprodutiva em invertebrados marinhos é comum, e organismos do entremarés se valem de pistas exógenas, como os ciclos ambientais gerados pelos movimentos da Terra e da Lua, na sincronização de uma componente endógena que colocará em fase pelo menos uma etapa do ciclo reprodutivo. Em estudos anteriores com cracas, notou-se uma clara relação entre emissão larval e elevada produção fitoplanctônica, enquanto outros apontam uma estrita relação com os regimes de maré e fases da lua. Neste projeto pretendeu-se detectar as variáveis ambientais associadas à ritmicidade da emissão naupliar na craca Chthamalus bisinuatus em condições constantes de laboratório, permitindo, então, a detecção de uma componente endógena associada a tal atividade e acompanhar a mesma atividade em campo, podendo associar quais condições ambientais em tempo real influenciam essa etapa do ciclo reprodutivo. Para esses objetivos, populações foram submetidas a testes em condições constantes de laboratório, sendo as variáveis temperatura, fotoperíodo e tempo de imersão testados isoladamente e conjugados dois a dois. Em campo, populações do cirripédio tiveram monitoradas por um período de 32 dias, durante o qual a atividade de emissão larval, e as variáveis temperatura, fluxo de água e concentração de clorofila-a foram medidas a fim de se estabelecer uma relação entre as emissões e tais variáveis. Os resultados indicam a existência de uma componente endógena marcando o ritmo de emissão larval e da atividade de muda sincronizada com o ciclo de amplitude de maré (14.4 dias), bem como um papel relevante da ação sinérgica da oscilação ultradiana da altura da maré e da temperatura como modulador da sincronização de tais atividades. Em campo, os eventos extremos de temperatura, a concentração de clorofila-a (um indicador da disponibilidade de alimentos para os adultos) e o fluxo de água atuaram comoindutores da emissão larval em um intervalo antecedente de 1 e 6 dias para as duas primeiras variáveis, e um intervalo de 1 a 3 dias posteriores para a última variável, provando, então, serem importantes na determinação do momento da emissão larval. Portanto, se conclui que ritmos endógenos associados à amplitude de maré podem explicar parcialmente o padrão circa semilunar centrado nos períodos de quadratura examinados em outras populações, mas, como é mostrado aqui, tal ritmicidade pode ser interrompida por variações de temperatura, disponibilidade de alimento e intenso fluxo de água. Discute-se que o primeiro efeito pode estar relacionado a mecanismos fisiológicos que garantem a reprodução de indivíduos submetidos a maiores riscos de mortalidade, e que a alimentação é um recurso limitante para a reprodução da população estudada. Em uma escala temporal menor, a ritmicidade endógena, sincronizada pela combinação de temperatura e tempo de imersão, favorece a emissão larval em períodos de maré-alta. Na ausência de outros fatores ambientais que controlam a emissão, uma componente endógena permitirá a emissão larval nos momentos de maré-alta dos períodos de quadratura, o que promoveria a retenção na linha de costa e minimizaria o risco de encalhe
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 18.11.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800045403Kasten, Paula
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      KASTEN, Paula; FLORES, Augusto Alberto Valero. Ritmicidade da emissão de propágulos em Chthamalus bisinuatus (Plsbry, 1916): endógenas e exógenas. 2011.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59139/tde-17012012-103408/ >.
    • APA

      Kasten, P., & Flores, A. A. V. (2011). Ritmicidade da emissão de propágulos em Chthamalus bisinuatus (Plsbry, 1916): endógenas e exógenas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59139/tde-17012012-103408/
    • NLM

      Kasten P, Flores AAV. Ritmicidade da emissão de propágulos em Chthamalus bisinuatus (Plsbry, 1916): endógenas e exógenas [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59139/tde-17012012-103408/
    • Vancouver

      Kasten P, Flores AAV. Ritmicidade da emissão de propágulos em Chthamalus bisinuatus (Plsbry, 1916): endógenas e exógenas [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59139/tde-17012012-103408/