Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Transtorno depressivo maior (TDM) com e sem sintomas psicóticos: investigação neuroquímica por espectroscopia de próton (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SÁ, HELENA PINHO DE - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Subjects: DEPRESSÃO; TRANSTORNOS PSICÓTICOS; NEUROQUÍMICA (INVESTIGAÇÃO); ESPECTROSCOPIA
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução. O Transtorno Depressivo Maior (TDM) é um dos mais prevalentes e incapacitantes entre os transtornos mentais. Apesar disso, sua classificação ainda é baseada em sinais e sintomas, uma vez que suas causas e fisiopatologia ainda não foram totalmente esclarecidas. A presença de sintomas psicóticos é relativamente comum durante um episódio depressivo e está associada a particularidades clínicas e biológicas, mas é subdiagnosticada na prática clínica e os processos fisiopatológicos que caracterizam este tipo de depressão foram insuficientemente estudados, ainda mais ao se considerar a extensa literatura acerca das formas não psicóticos de depressão. O objetivo principal deste estudo foi o de investigar a neuroquímica do giro do cíngulo anterior (CA), região cerebral constituinte da neurocircuitaria relacionada à fisiopatologia do TDM, na forma psicótica deste transtorno. Para este objetivo, foram comparadas as concentrações absolutas dos metabólitos entre os grupos portadores de TDM com e sem sintomas psicóticos e controles saudáveis por meio de espectroscopia de próton por ressonância magnética de hidrogênio (H-ERM). Secundariamente, analisou-se a interferência de variáveis sócio-demográficas e clínicas na medida desses metabólitos. Esperava-se que os pacientes com sintomas psicóticos (TDM-P) apresentassem alterações neuroquímicas tanto em relação ao grupo de controles saudáveis quanto a pacientes com depressão sem sintomas psicóticos (TDM-NP), independentemente da gravidade dos sintomas depressivos. Casuística e métodos. Os pacientes portadores de episódio depressivo maior (com e sem sintomas psicóticos), segundo o DSM-IV, foram recrutados no Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HC-FMRP) e avaliados através da Entrevista Clinica Estruturada para o DSM-IV (SCID). A gravidade de sintomas depressivos e psicóticos,bem como o nível de funcionamento global foram avaliados por meio das escalas de Hamilton, BPRS e GAF (respectivamente). Foram coletadas informações a respeito de histórico de tentativas de suicídio, tratamento medicamentoso, comorbidades psiquiátricas e clínicas. Controles saudáveis da comunidade geral foram recrutados por convite da equipe de pesquisa. Utilizou-se ‘ANTIPOT. 1’H-ERM de voxel único, com tempo de eco (TE) curto (31ms), em campo magnético de 3 Testa para a avaliação do CA de 20 pacientes com TDM-P, 22 com TDM-NP e 20 voluntários saudáveis. Foram analisados valores absolutos do glutamato (Glu), glutamato mais glutamina (Gln+Glu), N-acetilaspartato mais N-acetilaspartato-glutamato (NAA + NAAG), Fosforilcolina mais Glicerol-fosforilcolina (PC + GPC), mio-inositol (myo-Ins) e Creatina (Cr). Dados sócio-demográficos e clínicos foram analisados através de ANOVA e quiquadrado, enquanto os níveis de metabólitos foram comparados através de MANOVA. Correlações bivariadas entre dados clínicos e metabólitos foram analisadas por teste de Pearson ou Spearman. O nível de significância estatística empregado foi o de p <0,05. Resultados. Pacientes com TDM-P apresentaram menor escolaridade e pior funcionamento global, tanto em relação aos controles quanto em relação aos pacientes sem psicose. Os grupos de pacientes não diferiram entre si em relação à gravidade dos sintomas depressivos. Em relação aos metabólitos, houve diferença significativamente estatística entre os grupos diagnósticos. O grupo com TDM-P apresentou níveis de Glu inferiores tanto em relação ao grupo TDM-NP quanto ao grupo controle e níveis de PC + GPC e de NAA + NAAG inferiores ao grupo controle (a redução deste último metabólito atingindo significância estatística em nível de tendência apenas. Entre os sexos, os níveis de Glu e de NAA+NAAG dos participantes do sexo masculino foram inferiores aos do feminino. Por fim,os níveis de Glu e Gln+Glu foram inferiores no sexo masculino do TDM-P em relação aos demais grupos e os de Cr foram inferiores no sexo masculino no TDM-NP também em relação aos outros grupos. No entanto, as diferenças em relação ao sexo não atingiram significância estatística, possivelmente por limitações do tamanho amostral. Conclusão. Os níveis de metabólitos do CA sofreram interferência do diagnóstico e os resultados apontaram para efeito do sexo e da interação diagnóstico-sexo. As diferenças dos níveis de Glu, NAA+NAAG e PC+GPC entre os diagnósticos sugerem alterações de neurotransmissão glutamatérgica, metabolismo de membrana e integridade neuronal na TDM-P e corroboram os achados de outras áreas de estudo em depressão em psicose, que sugerem que a forma psicótica da depressão estaria mais associada ao estado de hipercortisolemia, e esta, por sua vez, levaria às alterações cerebrais compatíveis com as alterações encontradas no CA neste estudo. Além disso, os resultados corroboram as diferenças da participação do sistema glutamatérgico na fisiopatologia da depressão e dos quadros psicóticos. e a interferência do sexo para os níveis de Glu e NAA+NAAG sugere um papel protetor dos hormônios femininos para o sistema glutamatérgico e ciclo do NAA. Ainda, este estudo não confirma hipóteses prévias de que as alterações biológicas entre os tipos de depressão seriam secundários a maior gravidade de sintomas depressivos nos pacientes com TDM-P
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.11.2011

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SÁ, Helena Pinho de; SPANGHERO, Maristela Schaufelberger. Transtorno depressivo maior (TDM) com e sem sintomas psicóticos: investigação neuroquímica por espectroscopia de próton. 2011.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.
    • APA

      Sá, H. P. de, & Spanghero, M. S. (2011). Transtorno depressivo maior (TDM) com e sem sintomas psicóticos: investigação neuroquímica por espectroscopia de próton. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Sá HP de, Spanghero MS. Transtorno depressivo maior (TDM) com e sem sintomas psicóticos: investigação neuroquímica por espectroscopia de próton. 2011 ;
    • Vancouver

      Sá HP de, Spanghero MS. Transtorno depressivo maior (TDM) com e sem sintomas psicóticos: investigação neuroquímica por espectroscopia de próton. 2011 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2019