Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Reutilização de implantes de progesterona: do teste in vitro às taxas de concepção na IATF (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: KEHRLE, ALINE - FMVZ
  • USP Schools: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VRA
  • Subjects: IMPLANTES EXPERIMENTAIS; INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL ANIMAL; OVARIECTOMIA; PROGESTERONA; VACAS
  • Keywords: Conception rates; FTAI; IATF; Progesterona; Progesterone; Reuse of devices; Reutilização de dispositivos; Taxas de concepção
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo do presente estudo foi caracterizar implantes de Progesterona e suas reutilizações e avaliar sua eficiência. Três experimentos foram conduzidos: para avaliação das quantidades de P4 liberadas (Experimento in vitro), teores plasmáticos proporcionados (Experimento in vivo - vacas ovariectomizadas) e taxas de concepção na IATF (Experimento a campo vacas paridas). No experimento in vitro, as três reutilizações do implante foram testadas em dissolutor de comprimidos com seis cubas, tendo uma solução álcool/água (60:40) como meio de difusão. Dois ensaios foram realizados, totalizando 12 implantes, sendo que no terceiro uso do dispositivo foi adicionado um anel de P4 (0,1g) e no quarto uso foram adicionados 2 anéis (0,1g cada). Os implantes novos foram testados em quadruplicata em um terceiro ensaio, com a mesma metodologia. Amostras foram coletadas nos tempos 2 min, 2, 4, 8, 12, 24, 48, 72 e 96h. As quantidades de P4 foram dosadas por Cromatografia Líquida de Alto Desempenho (HPLC). Para quantidade acumulada de P4, segundo dispositivo, em função do tempo, houve interação tempo*tratamento (P=0,0002). A quantidade de P4 diferiu (P=0,0152) conforme os subseqüentes usos dos implantes Cronipres® e também em relação ao tempo (P<0.0001). As equações que descrevem as quantidades liberadas são: dispositivos novos y = 240,69 + 84,127A x (R2=0,9721); 2°uso y = 75,918 + 42,595B x (R2=0,8858); 3°uso - y=62,94 + 31,29C x (R2=0,8629) e 4° uso y = 40,595 + 32,148C x (R2=0,7205). No experimento in vivo, cada uso foi testado em triplicata, totalizando 12 animais. Os implantes foram inseridos e amostras de sangue foram colhidas nos tempos 0 (momento da colocação do implante), 2, 4, 6, 8, 10, 12, 24, 48, 72, 96, 120, 144, 168 e 192h. As dosagens de P4 foram realizadas por Rádio-Imuno-Ensaio RIE, com kit comercial da DPC (Diagnostics Products Corporation, EUA). A AUC diferiuentre o primeiro e segundo (p<0,0001), segundo e terceiro (p=0,0010), mas não entre o terceiro e o quarto usos (p=0,8764). Para análise estatística destes experimentos, foram utilizados os PROC IML, GLM (comando REPEATED) e REG (teste in vitro, o qual gerou uma equação de regressão) ou avaliação da area under the curve AUC no teste in vivo, pelo teste t. No teste a campo, quatro lotes de vacas de corte paridas (n=763) Nelore e Simental x Nelore, com idade variando entre 3 e 10 anos e condição corporal entre 4 e 7 (escala de 1-9) foram utilizados. No D0 do tratamento todos os animais receberam 2 mg i.m. de Benzoato de Estradiol (Cronibest® - Biogénesis-Bagó, Argentina) e um implante Cronipres® (implante novo, contendo 1 g de P4 n=194; implante de segundo uso, n=190; implante de terceiro uso acrescido de um anel complementar de P4 (0,1g de P4), n=191; implante de quarto uso com um anel de P4 usado e dois anéis de P4 novos, n=188). No D8 procedeu-se a retirada do implante e aplicação i.m. de 300 UI de eCG (Novormon®, ScheringPlough, EUA) e 150 µg i.m. de D-cloprostenol (Croniben®, Biogénesis-Bagó, Argentina). No D9, todos os animais receberam 1mg i.m. de Benzoato de estradiol (Cronibest®) e, após 30h, foi realizada a IATF. Em todos os lotes, os tratamentos foram igualmente distribuídos. Os dados foram submetidos à regressão com análise de variância (PROC GLIMMIX do SAS Statistical Analysis Sistem®), separando-se como causas de variação: tratamento (implante novo, 2° uso, 3° uso e 4° uso), escore de condição corporal (ECC<5, ECC5 e ECC>5), ciclicidade (ciclando e nãociclando), lote (1 a 4), período pós parto (<3 meses, 3 a 5 meses e >5meses) e grau de sangue (Nelore e Simental X Nelore) e suas interações, eliminando-se as variáveis do modelo quando estas apresentavam p >0.2. No modelo final permaneceram as variáveis: tratamento (p=0,18), grau de sangue (p=0,11) e lote (p=0,14).Não houve diferença estatística nas TC segundo tratamento (implante novo 55,1%, 2° uso 47,9%, 3° uso 48,7%, 4° uso 44,15%) (p=0.18). A taxa de concepção geral foi de 49,1%.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.07.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMVZ11300053723T.2457 FMVZ
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      KEHRLE, Aline; MADUREIRA, Ed Hoffmann. Reutilização de implantes de progesterona: do teste in vitro às taxas de concepção na IATF. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-22082012-153952/ >.
    • APA

      Kehrle, A., & Madureira, E. H. (2011). Reutilização de implantes de progesterona: do teste in vitro às taxas de concepção na IATF. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-22082012-153952/
    • NLM

      Kehrle A, Madureira EH. Reutilização de implantes de progesterona: do teste in vitro às taxas de concepção na IATF [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-22082012-153952/
    • Vancouver

      Kehrle A, Madureira EH. Reutilização de implantes de progesterona: do teste in vitro às taxas de concepção na IATF [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-22082012-153952/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: