Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Modelos para a produção de eritropoietina recombinante humana in vivo e in vitro com vetores plasmideais em ovinos (2011)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GIASSETTI, MARIANA IANELLO - FMVZ
  • USP Schools: FMVZ
  • Subjects: OVINOS; CULTURA DE CÉLULAS
  • Keywords: Bioreactor; Biorreatores; Célula mamária; Eritropoietina recombinante humana; Mammary cell; Milk proteins; Ovelha; Ovine; Proteínas do leite; Recombinant human erythropoietin
  • Language: Português
  • Abstract: Para produção de biofármacos protéicos, como a eritropoietina recombinante humana (EPOrh), são necessárias alterações pós-traducionais adequadas que garantam a sua especificidade e atividade biológica. Essas características são obtidas apenas em biorretores baseados em células eucarióticas, como as da glândula mamária. Sistemas baseados nesse tipo celular, tanto in vivo quanto in vitro, já são utilizados para produção estratégica e viável de proteínas recombinantes biologicamente ativas. Assim, tanto o estabelecimento de novas linhagens de células mamárias que apresentem boa expressão protéica quanto o desenvolvimento de sistemas in vivo que utilizem a estrutura da glândula mamária para essa produção de proteínas recombinantes são de grande valia. O presente trabalho teve como objetivo comparar dois métodos de estabelecimento de uma cultura de células de glândula mamárias ovinas, enzimático e não enzimático, e verificar sua capacidade de expressão das proteínas do leite β-lactoglobulina, α-caseína, β-caseína e κ-caseína mediante o tratamento com SFB (soro fetal bovino) ou SOL (soro de ovelha lactante), na presença ou não de Matrigel. Para isso, foi realizado um experimento in vitro, no qual foi estabelecido o cultivo celular até a passagem 12 (P12) de duas linhagens celulares: digerida (LD) e não digerida (LND). Para a LD na P12 foi observado apenas um tipo celular, o qual era positivo para a marcação com vimentina. Essa linhagem apresentou expressãogênica de β-caseína e β-lactoglobulina apenas quando tratada com meio de cultivo acrescido de SFB, sendo a expressão inferior (P=0,001) ao grupo da LND submetido ao mesmo tratamento. Já a LND, quando tratada com meio adicionado com SFB expressou κ-caseína além da β-caseína e β-lactoglobulina. A troca do SFB do meio de cultivo por SOL aumentou a expressão gênica de β-lactoglobulina (P=0,001) para ambas linhagens. Foi realizada a curva de crescimento para LD e LND na P12 com o meio de cultivo acrescido com SFB ou SOL. Para a LND observou-se o efeito do meio na velocidade de crescimento celular, sendo que foi maior para o grupo tratado com SFB (P<0,05). Para a LD, não ocorreu o efeito do meio na velocidade de crescimento celular (P>0,05), não sendo observada diferença com a LND tratada com SOL (P>0,05). A LND apresentou marcação positiva para a presença de vimentina e citoqueratina. Este trabalho visou, ainda, estabelecer um sistema de produção da EPOrh no leite de ovelhas não transgênicas pela técnica de infusão intra-mamária in vivo de dois plasmídeos diferentes e verificar a secreção qualitativa desta proteína por Western-blotting. Assim, foi feito um experimento in vivo no qual glândulas mamárias de ovelhas foram transfectadas com dois plasmídeos diferentes: ALAC (n=2), BGL (n=2) e controle negativo (n=2). Após a infusão dos plasmídeos, foi realizada a eletroporação de cada teto (3 choques de 500 volts com a duração de 15ms cada,sendo realizada a inversão da polaridade). Os animais foram ordenhados durante 20 dias após a transfecção, porém não foi possível detectar a presença de EPOrh nas amostras de leite analisadas. O limiar de detecção do teste utilizado foi de 67,5pg de EPOrh (Eritromax®) em leite controle negativo de ovelha. Concluindo, foi possível estabelecer o cultivo in vitro das LD e LND com capacidade de expressar proteínas do leite, sendo a expressão da β-lactoglobulina aumentada pelo tratamento com SOL. Ambas as linhagens apresentaram marcação positiva para vimentina, mas apenas LND para citoqueratina. Ainda, para o experimento in vivo, não foi possível detectar a expressão de EPOrh no leite das ovelhas transfectadas com os plasmídeos ALAC e BGL
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.02.2011
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMVZ11300043823T.2417 FMVZ
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GIASSETTI, Mariana Ianello; VISINTIN, José Antonio. Modelos para a produção de eritropoietina recombinante humana in vivo e in vitro com vetores plasmideais em ovinos. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-18102012-112038/ >.
    • APA

      Giassetti, M. I., & Visintin, J. A. (2011). Modelos para a produção de eritropoietina recombinante humana in vivo e in vitro com vetores plasmideais em ovinos. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-18102012-112038/
    • NLM

      Giassetti MI, Visintin JA. Modelos para a produção de eritropoietina recombinante humana in vivo e in vitro com vetores plasmideais em ovinos [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-18102012-112038/
    • Vancouver

      Giassetti MI, Visintin JA. Modelos para a produção de eritropoietina recombinante humana in vivo e in vitro com vetores plasmideais em ovinos [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10131/tde-18102012-112038/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: