Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo experimental comparativo dos efeitos da menopausa precoce e fisiológica sobre o controlo autonômico cardiovascular - papel do treinamento físico aeróbio (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: TEZINI, GEISA CRISTINA SINGOLANI VACCARI - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RAL
  • Subjects: MENOPAUSA; ENVELHECIMENTO; TREINAMENTO FÍSICO; RECEPTORES ADRENÉRGICOS; SISTEMA CARDIOVASCULAR
  • Language: Português
  • Abstract: O presente estudo teve por objetivo avaliar e comparar os efeitos da menopausa fisiológica e da menopausa precoce sobre o controle autonômico cardiovascular de ratas velhas, assim como as adaptações promovidas pelo treinamento físico aeróbio nas duas situações, utilizando diferentes abordagens; 1) balanço simpatovagal cardíaco, avaliado pela administração de metilatropina e propranolol; 2) análise espectral da variabilidade da frequência cardíaca (VFC) e da pressão arterial sistólica (VPAS); 3) sensibilidade barorreflexa (SBR), avaliada de forma espontânea e após teste farmacológico com fenilefrina e nitroprussiato de sódio; 4) estudo da contratilidade cardíaca em preparações isoladas, avaliada por meio da administração de agonistas ‘beta’-adrenérgicos; e 5) quantificação da expressão de RNAm dos receptores ‘beta’-adrenérgicos cardíacos. Para tanto, ratas Wistar (N = 144) foram divididas em 3 grandes grupos: Controle (ratas com 22 semanas de idade, submetidas a cirurgia sham na 10ª semana de vida); Menopausa Fisiológica (ratas com 82 semanas de idade, submetidas a cirurgia sham na 10ª semana de vida) e Menopausa Precoce (ratas com 82 semanas de idade, submetidas à ovariectomia na 10ª semana de vida). Em cada grupo, metade das ratas foram submetidas a um protocolo de treinamento físico aeróbio nas últimas 10 semanas. Os grupos sedentários, menopausa fisiológica e menopausa precoce, apresentaram aumento da pressão arterial média (PAM) e da frequência cardíaca (FC) basal e redução da FC intrínseca em comparação ao grupo controle sedentário. O treinamento físico reduziu a PAM somente no grupo menopausa fisiológica. Todos os grupos treinados apresentaram redução da FC basal, no entanto, apenas os grupos controle e menopausa fisiológica treinados tiveram redução na FC intrínseca. Em relação ao balanço simpatovagal cardíaco, o grupo controlesedentário apresentou predominância autonômica vagal, enquanto que os demais grupos sedentários, menopausa fisiológica e menopausa precoce, apresentaram predominância autonômica simpática. Após o treinamento físico, o grupo menopausa fisiológica passou a apresentar predominância vagal. A VFC foi semelhante entre os três grupos sedentários em unidades normalizadas. No entanto, após o treinamento físico, os grupos controle e menopausa fisiológica mostraram redução na potência da banda de baixa frequência (LF; 0,2-0,75 Hz) e aumento na potência da banda de alta frequência (HF; 0,75-3,0 Hz). A análise da VPAS revelou que os grupos sedentários, menopausa fisiológica e menopausa precoce, tiveram aumento na potência da banda de LF. Após o treinamento físico, somente o grupo menopausa fisiológica apresentou redução. Em relação a SBR, os grupos sedentários, menopausa fisiológica e menopausa precoce, apresentaram menor ganho em relação ao grupo controle sedentário, e, esses mesmos grupos, quando submetidos ao treinamento físico, apresentaram elevação na SBR em relação aos seus respectivos grupos sedentários. A avaliação da contratilidade em coração isolado mostrou que a administração de dobutamina induziu menores respostas contráteis nos grupos sedentários menopausa fisiológica e menopausa precoce, quando comparados ao grupo controle sedentário. O treinamento físico promoveu aumento das respostas contráteis à dobutamina somente nos grupos controle e menopausa fisiológica, em relação aos seus respectivos grupos sedentários. Por outro lado, a resposta contrátil ao salbutamol não foi influenciada, nem pela menopausa, nem pelo treinamento físico. Por fim, os grupos sedentários, menopausa fisiológica e menopausa precoce, tiveram aumento na expressão de RNAm dos receptores ‘beta IND. 1’-adrenérgicos, comparados ao grupo controle sedentário, e , após otreinamento físico, houve redução na expressão nos dois grupos menopausa. A expressão dos receptores ‘beta IND. 2’-adrenérgicos cardíacos, por sua vez, foi similar entre os seis grupos estudados. Em conjunto, os resultados do presente estudo mostram que a menopausa fisiológica e a menopausa precoce promovem prejuízos semelhantes em todos os parâmetros avaliados (hemodinâmicos, autonômicos e cardíacos). Entretanto, ao contrário do ocorrido com o grupo menopausa fisiológica, o treinamento físico não foi capaz de atenuar todos os efeitos negativos observados sobre o controle autonômico cardiovascular no grupo menopausa precoce
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.08.2012

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TEZINI, Geisa Cristina Singolani Vaccari; SOUZA, Hugo Celso Dutra de. Estudo experimental comparativo dos efeitos da menopausa precoce e fisiológica sobre o controlo autonômico cardiovascular - papel do treinamento físico aeróbio. 2012.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2012.
    • APA

      Tezini, G. C. S. V., & Souza, H. C. D. de. (2012). Estudo experimental comparativo dos efeitos da menopausa precoce e fisiológica sobre o controlo autonômico cardiovascular - papel do treinamento físico aeróbio. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Tezini GCSV, Souza HCD de. Estudo experimental comparativo dos efeitos da menopausa precoce e fisiológica sobre o controlo autonômico cardiovascular - papel do treinamento físico aeróbio. 2012 ;
    • Vancouver

      Tezini GCSV, Souza HCD de. Estudo experimental comparativo dos efeitos da menopausa precoce e fisiológica sobre o controlo autonômico cardiovascular - papel do treinamento físico aeróbio. 2012 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2019