Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo da termitofauna (Insecta, Isoptera) da região do alto Rio Madeira, Rondônia (2013)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CARRIJO, TIAGO FERNANDES - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 592
  • Subjects: CUPIM; BIODIVERSIDADE; DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL; BIOGEOGRAFIA; ENTOMOLOGIA
  • Keywords: Barreira biogeográfica; Diversidade beta; Beta diversity; Biogeographic barrie; Cryptic species; Spatial distribution; Termites
  • Language: Português
  • Abstract: Estudo da termitofauna (Insecta, Isoptera) da região do alto Rio Madeira, Rondônia. Na região conhecida como "alto Rio Madeira", no município de Porto Velho, Rondônia, estão sendo criadas as Usinas Hidrelétricas (UHEs) de Santo Antônio e Jirau. As construções das represas das UHEs estão inundando grandes porções de floresta ao longo das duas margens do rio Madeira. Desta forma o conhecimento da biota local, especialmente de sua distribuição no espaço, é extremamente importante, ainda mais porque o alinhamento dos rios Amazonas-Madeira-Mamoré separa a região Neotropical em duas áreas de endemismo para diversos grupos de animais. Essa tese tem por objetivo apresentar os resultados gerais obtidas ao longo de três anos de monitoramento de cupins nas áreas de influência da UHE de Jirau e dois anos nas áreas de influência da UHE de Santo Antônio, assim como desenvolver um estudo de comunidades e análise da distribuição espacial dos cupins presentes nas áreas de influência da UHE de Jirau (Capítulo 1). Outro objetivo é o estudo da estrutura genética das populações de Heterotermes tenuis (Rhinotermitidae) ao longo das áreas de influência das duas UHEs, visando investigar a existência de fluxo gênico entre as populações de cada margem do Rio Madeira (Capítulo 2). Foram amestrados doze módulos, sete na margem esquerda do rio e cinco na margem direita. Cada um era compostos por transactos de 3 ou 4 km e parcelas perpendiculares a cada l km, e as amostragens foram realizadas em subparcelas de 5x2m dentro das parcelas. Durante um total de 20 campanhas foram investigadas 1121 subparcelas, totalizando 7875 amostras de cupins e pelo menos 169 espécies. Esse é provavelmente o trabalho com maior esforço amostral já empregado e também o que registrou o maior número de espécies de cupins até hoje. Para o estudo de comunidades, foram aleatorizadas 20 subparcelas nos seis módulos da UHE de Jirau,sendo cinco subparcelas dentro das parcelas marcadas nas seguintes distancias em relação à margem do rio: P1 - 50 m, P2 - 1 km, P3 - 2 km e P4 3 km. A composição de cupins não está relacionada com o lado do rio. O estimador que mais se aproximou do provável número real de espécies foi o Jackknife 2. Como resultado das análises de diversidade beta utilizando a composição de espécies de cupins houve um agrupamento dos módulos com o mesmo tipo de solo, sugerindo que algumas espécies de cupins estejam distribuídas de acordo com esta variável. Em relação à distancia para o rio, a parcela mais próxima do rio foi a mais singular, tanto em relação a composição de espécies quanto a riqueza e abundancia, sendo que existem espécies restritas a P1 e outras praticamente ausentes nessas parcelas. Das dez variáveis ambientais analisadas, a riqueza de cupins se mostrou correlacionada com a altitude, concentração de argila e silte no solo e ostratificação vegetal entre 1 e 5 m. Para o estudo da estrutura genética das populações de H. tenuis foram utilizadas 84 sequencias dessa espécie dos 12 módulos de monitoramento, seis de colônias do Cerrado e três do GenBank (de Manaus, Guiana Francesa, e Equador), além de uma de H. longiceps como grupo externo. Nas analises iniciais, foi encontrada uma forte estruturação genética entre as sequencias: todas as analises filogenéticas (máxima parcimônia, máxima verossimilhança e inferência bayesiana), assim como a rede de haplotipos, formaram dois grupos consistentes, mas sem qualquer relação espacial. A partir disso, passou-se a trabalhar com a hipótese de que ha duas espécies crípticas (chamadas Ht. A e Ht. B). Desta forma, todas as analises para testar se o Rio Madeira funcionava como barreira biogeográfica foram testadas separadamente para cada uma das supostas duas espécies crípticas, entretanto, não foi constatada qualquer influencia do riocomo barreira ao fluxo gênico entre as populações de cada margem
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.06.2013
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800048164Carrijo, Tiago Fernandes
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CARRIJO, Tiago Fernandes; CANCELLO, Eliana Marques; MOLARES, Adriana Coletto. Estudo da termitofauna (Insecta, Isoptera) da região do alto Rio Madeira, Rondônia. 2013.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-17122013-093224/ >.
    • APA

      Carrijo, T. F., Cancello, E. M., & Molares, A. C. (2013). Estudo da termitofauna (Insecta, Isoptera) da região do alto Rio Madeira, Rondônia. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-17122013-093224/
    • NLM

      Carrijo TF, Cancello EM, Molares AC. Estudo da termitofauna (Insecta, Isoptera) da região do alto Rio Madeira, Rondônia [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-17122013-093224/
    • Vancouver

      Carrijo TF, Cancello EM, Molares AC. Estudo da termitofauna (Insecta, Isoptera) da região do alto Rio Madeira, Rondônia [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-17122013-093224/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: