Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Implante subdérmico liberador de etonogestrel em mulheres vivendo com o vírus da imunideficência humana: efeitos imunológicos e sobre a ovulação (2013)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PRANDINI, TATIANA ROBERTI ROCHA - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RGO
  • Subjects: MULHERES; INFECÇÕES POR HIV; TERAPIA ANTIRRETROVIRAL DE ALTA ATIVIDADE
  • Language: Português
  • Abstract: Objetivo: O impacto do uso concomitante do implante liberador de etonogestrel (ENG) e terapia antirretrovial (ARV) de alta eficácia na ovulação das mulheres vivendo com HIV/AIDS ainda é incerto. Neste estudo nós avaliamos o efeito do uso concomitante do implante liberados de ENG e terapia ARV composta por lopinavir/ritonavir na ovulação de mulheres infectadas pelo HIV. Desenho do Estudo: Clínico, prospectivo, aberto e não randomizado tipo quasi-experimental. Trinta mulheres que desejavam contracepção com implante liberador de ENG foram selecionadas: 15 não usuárias de terapia ARV e 15 em uso de zidovudina/larnivudina combinada com lopinavir/ritonavir por pelo menos 3 meses. O protocolo consistiu de visitas nas semanas: 2, 4, 6, 8, 10, 12, 16, 20 e 24 após a inserção do implante.. A progesterona (P) foi coletada em todas as visitas (totalizando 10 dosagens de P por paciente). Carga vital, contagem de CD4 e CD8 e hemograrna também foram realizadas nos tempos zero e 24 semana. Resultados: Os grupos não apresentaram diferenças nos valores basais, exceto pela carga vital (p<0,0l) e contagem de CD4 (p=0,02), que era maior no grupo das não usuárias de terapia ARV. Duas pacientes (uma de cada grupo) apresentaram níveis de progesterona compatíveis com ovulação no tempo zero (ambas estavam em amenorréia pós parto com 45 dias). Após a inserção do implante, não houve dosagem de P compatível com ovulação. Não houve diferença nas demais variáveis analisadas após 24 semanas de seguimento. Conclusão: Os resultados mostraram que não houve ovulação após 6 meses de inserção do implante nas mulheres infectadas pelo HIV, independentemente do uso de terapia ARV contendo LPV/r. O implante liberador de ENG também não causou impacto negativo nas variáveis imunológicas destas mulheres. Esta é a primeira evidência que sugere que o uso concomitante desta terapia ARV com o implante liberadorde ENG possa ser seguro
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.11.2013

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200066130Prandini, Tatiana Roberti Rocha
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PRANDINI, Tatiana Roberti Rocha; MACEDO, Carolina Sales Vieira. Implante subdérmico liberador de etonogestrel em mulheres vivendo com o vírus da imunideficência humana: efeitos imunológicos e sobre a ovulação. 2013.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013.
    • APA

      Prandini, T. R. R., & Macedo, C. S. V. (2013). Implante subdérmico liberador de etonogestrel em mulheres vivendo com o vírus da imunideficência humana: efeitos imunológicos e sobre a ovulação. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Prandini TRR, Macedo CSV. Implante subdérmico liberador de etonogestrel em mulheres vivendo com o vírus da imunideficência humana: efeitos imunológicos e sobre a ovulação. 2013 ;
    • Vancouver

      Prandini TRR, Macedo CSV. Implante subdérmico liberador de etonogestrel em mulheres vivendo com o vírus da imunideficência humana: efeitos imunológicos e sobre a ovulação. 2013 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: