Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estudo da incerteza de medição em análises toxicológicas de substâncias psicoativas em urina (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ELLER, SARAH CAROBINI WERNER DE SOUZA - FCF
  • USP Schools: FCF
  • Subjects: ANÁLISE TOXICOLÓGICA; TOXICOLOGIA FORENSE; DROGAS DE ABUSO; GARANTIA DA QUALIDADE; URINA
  • Language: Português
  • Abstract: Nenhuma medição é realizada com perfeição absoluta, uma vez que todos os valores encontrados são aproximações do valor real e todas as medidas, independente de sua finalidade ou qualidade, possuem uma incerteza. A incerteza de medição é um parâmetro associado ao resultado, que caracteriza a dispersão em torno dos seus valores. O conceito de incerteza de medição já é adotado em laboratórios de calibração e também muito aplicado na área de engenharia; no entanto em análises toxicológicas esta abordagem ainda é recente e há poucos relatos na literatura científica. Portanto, este trabalho teve como objetivo o estudo da incerteza de medição em análises toxicológicas confirmatórias de substâncias psicoativas - anfetaminas (anfetamina e metanfetamina), ácido 11-nor-´ΔPOT.9´-tetraidrocanabinol carboxílico (THC-COOH) e benzoilecgonina - em urina, detectados pela técnica de cromatografia em fase gasosa acoplada à espectrometria de massas (GC-MS). A microextração em fase líquida (LPME) mostrou-se eficaz na determinação de THC-COOH, e após a completa validação, o método desenvolvido foi aplicado na quantificação de amostras de urina de referência provenientes do National Institute of Standards and Technology (NIST) dos Estados Unidos da América (SRM1507b - NIST). As principais contribuições para a incerteza do método foram a concentração do analito, a acurácia, seguidos da precisão e do volume de amostra. A incerteza combinada obtida foi equivalente a 8%. A LPME também apresentou-se eficiente para a extração das anfetaminas e a incerteza combinada obtida por este método foi 2,1%. No método de detecção de benzoilecgonina, a principal fonte de incerteza foi a acurácia do método e o resultado da incerteza combinada da análise de uma urina de referência (SRM1508a - NIST) foi 4,8%. Todos os valores de incerteza de medição encontrados em nosso estudo estão de acordocom as normas e referências internacionais e também são condizentes com os valores estipulados pela NIST nos laudos de análise das amostras de referência
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.04.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    CQ30100020568T 615.907 E45e
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ELLER, Sarah Carobini Werner de Souza; YONAMINE, Maurício. Estudo da incerteza de medição em análises toxicológicas de substâncias psicoativas em urina. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-30042014-160545/ >.
    • APA

      Eller, S. C. W. de S., & Yonamine, M. (2014). Estudo da incerteza de medição em análises toxicológicas de substâncias psicoativas em urina. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-30042014-160545/
    • NLM

      Eller SCW de S, Yonamine M. Estudo da incerteza de medição em análises toxicológicas de substâncias psicoativas em urina [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-30042014-160545/
    • Vancouver

      Eller SCW de S, Yonamine M. Estudo da incerteza de medição em análises toxicológicas de substâncias psicoativas em urina [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9141/tde-30042014-160545/