Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Caracterização do perfil da micro-alternância da onda T na cardiomiopatia hipertrófica (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: ANTUNES, MURILLO DE OLIVEIRA - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MCP
  • Subjects: CARDIOPATIAS; MORTE SÚBITA CARDÍACA; FATORES DE RISCO; DIAGNÓSTICO POR COMPUTADOR; REPRODUTIBILIDADE DE RESULTADOS
  • Keywords: Arrhythmias cardiac/diagnosis; Arritmias cardíacas/diagnóstico; Cardiomiopatia hipertrófica; Computer diagnostic/methods; Diagnóstico por computador/métodos; Electrocardiography/methods; Eletrocardiografia/métodos; Exercise test; Fatores de risco; Hypertrophic cardiomyopathy; Morte súbita cardíaca; Reproducibility of results; Reprodutibilidade dos testes; Risk factors; Sensibilidade e especificidade; Sensitivity and specificity; Sudden cardiac death; Teste de esforço
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: A cardiomiopatia hipertrófica (CMH) é definida, como a hipertrofia miocárdica ocorrida na ausência de doença cardíaca ou sistêmica, sendo a mais prevalente das cardiopatias de transmissão genética e a principal causa de morte súbita em jovens e atletas. A única opção de tratamento para prevenção dessa complicação é a indicação do cardiodesfibrilador implantável (CDI). Alguns marcadores de risco foram identificados, como: pacientes que sobreviveram à parada cardíaca por fibrilação ventricular, episódio de taquicardia ventricular sustentada; história familiar precoce de MSC; síncope inexplicada; espessura septal >= 30 mm; taquicardia ventricular não sustentada (TVNS) no Holter; queda da pressão sistólica (PAS) > 20 mmHg ou aumento < 20 mmHg no esforço. Entretanto, a sensibilidade e especificidade desses critérios são limitadas, tornando necessário o conhecimento de novos métodos diagnósticos com capacidade de predizer MSC. A micro-alternância da onda T (MAOT) é utilizada como ferramenta diagnóstica na estratificação de pacientes com riscos de desenvolver arritmias ventriculares malignas e MSC auxiliando na indicação do CDI. Na CMH há poucos estudos realizados com objetivos e resultados diferentes e, atualmente, uma nova metodologia na realização desses exames foi desenvolvida, não sendo testada nesta população.Os objetivos do presente estudo foram: caracterizar os valores da MAOT pela metodologia Média Móvel Modificada (MMM) e avaliar a associação de seus resultados com os fatores de risco clínicos para MSC. Metodologia: Foram selecionados 132 pacientes com CMH que foram divididos em dois grupos: 1) Alto Risco, 67 pacientes, que apresentavam, pelo menos, um fator de risco para morte súbita cardíaca (história familiar de morte súbita; síncope inexplicada; espessura septal do miocárdio >=30 mm; taquicardia ventricular não sustentada; queda da pressão sistólica no teste de esforço) e 2) Baixo Risco, 65 pacientes, sem fatores de risco. A idade média foi de 37 ± 11,3 anos, sendo 63% do sexo masculino. A média da espessura de septo interventricular foi 23,9 ± 6,2 mm, da fração de ejeção 72 ± 8,1% e 26% apresentavam forma obstrutiva da doença. A MAOT foi avaliada pelo teste ergométrico com protocolo Naughton modificado, com dois fatores de atualização (FaT) 1/8 e 1/32, de forma quantitativa e qualitativa (positivo e negativo) e com três formas de análises: considerando todas as derivações do eletrocardiograma (plano periférico, frontal e ortogonal); desconsiderando os resultados do plano periférico e desconsiderando as derivações ortogonais.Resultados: A aferição da MAOT com FaT 1/8 apresentou maior sensibilidade em comparação com FaT 1/32 (FaT 1/8 MAOTméd. = 69,2 uV a 78,2 uV vs FaT 1/32 MAOTméd. = 33,2 uV a 38,7 uV, p < 0,01), resultando nas análises quantitativas de valores maiores da micro-alternância (MAOTmáx. - FaT 1/8 = 528 uV vs 124 uV = FaT 1/32, p < 0,01) e na análise qualitativa maior número de exames positivos (MAOT positiva - FaT 1/8 = 57,5% vs 19,0% = FaT 1/32). Os pacientes do grupo Alto risco apresentavam maiores valores de MAOT (Alto Risco MAOT média = 101,4 uV vs 54,3 uV Baixo Risco, p < 0,001) e 84% apresentavam exame positivo (56/67). A MAOT mostrou associação significativa com os fatores de risco para MSC: espessura septal >= 30 mm (p < 0,001), TVNS no Holter 24 h (p = 0,001), história familiar de MSC (p = 0,006) e queda da pressão arterial no esforço (p = 0,02). No rastreamento de pacientes de Alto risco, com ponto de corte de 53 uV o teste apresentou sensibilidade e especificidade de 84% e 71%, com acurácia de 0,77 (IC de 95%: 0,69 a 0,86). Conclusões: Os melhores resultados da MAOT pela metodologia Média Móvel Modificada foram encontrados analisando todas as derivações eletrocardiográficas (plano periférico, horizontal e derivações ortogonais), realizados de forma quantitativa, com Fator de Atualização 1/8 e ponto de corte para positividade 53 uV. A MAOT demonstrou associação significativa com a maioria dos fatores de risco clínicos apresentando boa acurácia no rastreamento dos pacientes de Alto Risco para MSC
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.03.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2484399-10W4.DB8 SP.USP FM-2 A643ca 2013
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ANTUNES, Murillo de Oliveira; FERNÁNDEZ, Edmundo Arteaga. Caracterização do perfil da micro-alternância da onda T na cardiomiopatia hipertrófica. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-06062014-102912/ >.
    • APA

      Antunes, M. de O., & Fernández, E. A. (2014). Caracterização do perfil da micro-alternância da onda T na cardiomiopatia hipertrófica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-06062014-102912/
    • NLM

      Antunes M de O, Fernández EA. Caracterização do perfil da micro-alternância da onda T na cardiomiopatia hipertrófica [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-06062014-102912/
    • Vancouver

      Antunes M de O, Fernández EA. Caracterização do perfil da micro-alternância da onda T na cardiomiopatia hipertrófica [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5131/tde-06062014-102912/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: