Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Utilização de células dendríticas pulsadas com peptídeo 10 (P10) de Paracoccidioides brasiliensis no controle da paracoccidiodomicose experimental. Reversão do estado anérgico, associação com antifúngicos e controle de infecção aguda (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SILVA, LEANDRO BUFFONI ROQUE DA - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MDT
  • Subjects: CÉLULAS DENDRÍTICAS; PARACOCCIDIOIDES BRASILIENSIS; PEPTÍDEOS; IMUNIDADE NATURAL; CAMUNDONGOS
  • Keywords: Camundongos; Células dendríticas; Combinação trimetoprina-sulfametoxazol; Dendritic cells; Dexametasona; Dexamethasone; Immunity, innate; Imunidade inata; Mice; P10 peptide; Paracoccidioides; Paracoccidioides; Paracoccidioides brasiliensis; Paracoccidioides brasiliensis; Peptídeo 10; Trimethoprin-sulfamethoxazole combination
  • Language: Português
  • Abstract: A paracoccidioidomicose (PCM) é uma micose sistêmica e endêmica na América Latina com maior prevalência no Brasil, Colômbia e Venezuela. A doença é causada pelos fungos P. brasiliensis e P. lutzii. As células dendríticas são eficientes apresentadoras de antígenos e quando utilizadas como adjuvante podem ser de 100 a 1000 vezes mais efetiva nesta função. O peptídeo P10 corresponde a um trecho específico de 15 aminoácidos derivado da gp43, principal antígeno diagnóstico, e é reconhecido pelos linfócitos T CD4+ capaz de induzir resposta preferencialmentedo tipo Th1 e conferindo proteção no modelo experimental. Células indiferenciadas foram obtidas a partir de medula óssea de camundongos machos BALB/c B10.A, cultivadas na presença de GM-CSF e IL-4 por 9 dias, para a diferenciação de células dendríticas (DC). As células foram incubadas na presença do P10 por 2 horas, em estufa com 5% de CO2 a 37°C, e foram utilizadas nas imunizações. A maturação das células foi observada por citometria de fluxo com os marcadores CD11c, MHC-II, CD80 e CD86. Camundongos da linhagem BALB/c e B10.A foram submetidos à imunossupressão com dexametasona, por 20 dias, seguido pela infecção intratraqueal com o isolado Pb18. Após 30 dias, os grupos foram tratados com DCs ou DCs pulsadas com P10 em associação ou não com sulfametoxazol/Trimetoprim, por um período de 15 dias. O sacrifício ocorreu 45 dias após a infecção e foram retirados os pulmões, baço e fígado para quantificação de carga fúngica, análisehistológica e dosagem de citocinas. Observamos diminuição significativa da carga fúngica nos pulmões dos animais que receberam DCs pulsadas com P10 associada ou não ao tratamento medicamentoso. Não foi observado crescimento fúngico em outros órgãos como fígado e baço em ambos os grupos. A análise histológica revelou redução da carga fúngica e preservação do parênquima pulmonar nos grupos tratados com Dcs pulsadas com P10. As dosagens das citocinas indicaram uma resposta imune mista Th1/Th2. Inicialmente reportamos que as DCs pulsadas com P10 reduz a carga fúngica em camundongos infectados. Neste trabalho, reportamos que as DCs pulsadas com P10 podem também reduzir a carga fúngica em animais anérgicos, mimetizando pacientes com a forma aguda/subaguda da doença
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.06.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2504334-10W4.DB8 SP.USP FM-1 S581ut 2014 ex.rev
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SILVA, Leandro Buffoni Roque da; TABORDA, Carlos Pelleschi. Utilização de células dendríticas pulsadas com peptídeo 10 (P10) de Paracoccidioides brasiliensis no controle da paracoccidiodomicose experimental. Reversão do estado anérgico, associação com antifúngicos e controle de infecção aguda. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5133/tde-04092014-162220/ >.
    • APA

      Silva, L. B. R. da, & Taborda, C. P. (2014). Utilização de células dendríticas pulsadas com peptídeo 10 (P10) de Paracoccidioides brasiliensis no controle da paracoccidiodomicose experimental. Reversão do estado anérgico, associação com antifúngicos e controle de infecção aguda. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5133/tde-04092014-162220/
    • NLM

      Silva LBR da, Taborda CP. Utilização de células dendríticas pulsadas com peptídeo 10 (P10) de Paracoccidioides brasiliensis no controle da paracoccidiodomicose experimental. Reversão do estado anérgico, associação com antifúngicos e controle de infecção aguda [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5133/tde-04092014-162220/
    • Vancouver

      Silva LBR da, Taborda CP. Utilização de células dendríticas pulsadas com peptídeo 10 (P10) de Paracoccidioides brasiliensis no controle da paracoccidiodomicose experimental. Reversão do estado anérgico, associação com antifúngicos e controle de infecção aguda [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5133/tde-04092014-162220/