Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

"Tem gente que não quer saber de trabalhar": apontamentos sobre o discurso da vadiagem na Praça da Sé (SP) (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: DINIZ, BEATRIZ FERRAZ - IP
  • USP Schools: IP
  • Sigla do Departamento: PST
  • Subjects: VADIAGEM; PRAÇAS; PSICOLOGIA SOCIAL; PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL; ETNOGRAFIA; MARGINALIDADE SOCIAL
  • Keywords: Praça da Sé; Praça da Sé
  • Language: Português
  • Abstract: A presença de uma explicação psicologizante (e culpabilizante) em relação a setores da pobreza que não encontram lugar na sociedade contemporânea moveu a proposta desta pesquisa. Tal pobreza, não integrada, é vista como composta de indivíduos que, apesar de estarem aptos ao trabalho, não trabalham, evocando representações ligadas ao universo da vadiagem. Com o aporte de estudiosos das ciências humanas e de fontes documentais, verificou-se que, a despeito de particularidades de acordo com a época histórica, os sentidos da vadiagem no Brasil sempre estiveram associados à permanência de certa parcela da população nos espaços públicos, como ruas e praças. Destaca-se, ainda, a pertinência da temática para o contexto brasileiro fundado sob um modelo de cidadania corporativista, em que aqueles que escapam da figura normativa do trabalhador (TELLES, 2001) são vistos como naturalmente incapazes. Tendo em vista estas questões, o presente estudo tem por objetivo investigar se o discurso da vadiagem está presente entre os frequentadores da Praça da Sé (SP), em relação àqueles que se deixam ficar nas imediações do logradouro em período comercial dos dias úteis. A pesquisa foi realizada utilizando como referencial metodológico a etnografia e a análise documental de jornais, e, como ferramentas, a observação participante aliada a conversas informais. As conversas e a convivência no espaço pesquisado mostraram a presença de uma estigmatização de certa plêiade de pedestres que têm em comum ofato de sentar-se ou deitar-se nas muretas ou no chão da praça. Visto como uma gente acomodada que não quer saber de trabalhar, composta, em sua maioria, por homens negros e pobres, a presença destes no logradouro é vista como fator de degradação, de vergonha e também de perigo. Importante apontar que essas pessoas estavam exercendo atividades visando à sobrevivência, de fato, ninguém ali estava à toa. Neste sentido, observa-se a associação da viração das classes pobres identificada às representações de vadiagem em oposição à norma salarial identificada à figura do trabalhador. No levantamento documental, foi visto que os sentidos em torno da vadiagem foram sendo associados não apenas àqueles que permaneciam nos espaços públicos, mas também àqueles que exerciam trabalhos informais nestes espaços. Não obstante, verifica-se que fatores como precariedade das ocupações, repressão policial, instabilidade nas trajetórias de trabalho, porosidade nas fronteiras do formal, informal e lícito, acabam por, muitas vezes, tornar indeterminadas as delimitações entre trabalhadores e vadios. Indeterminação expressa também nas próprias falas dos entrevistados, carregadas de contradições e ambiguidades quanto à adesão ao código do trabalho enquanto processo identificatório. Conclui-se a presença muito forte no imaginário social das estratégias de culpabilização (GUARESCHI, 2007), que atribui o sucesso ou o fracasso, exclusivamente, ao indivíduo. E coloca em segundo plano as circunstânciashistóricas e sociais, o que acaba por legitimar a exclusão social. Conclui-se, também, a associação do espaço da rua (DAMATTA, 1997) como lugar onde vivem os malandros, os pilantras, lugar, por princípio, de desordem moral e violência: preconceito, historicamente, arraigado como visto nas notícias de jornais. Neste cenário, é crucial a exposição pública de certa conduta de ser trabalhador, em que determinados rituais e regras acabam por diferenciar o trabalhador formal, do informal e, ambos, dos acomodados, maloqueiros, pilantras, nóias etc
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.04.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IP12300055671T HM251 D585t e.1
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      DINIZ, Beatriz Ferraz; SATO, Leny. "Tem gente que não quer saber de trabalhar": apontamentos sobre o discurso da vadiagem na Praça da Sé (SP). 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-20102014-123616/ >.
    • APA

      Diniz, B. F., & Sato, L. (2014). "Tem gente que não quer saber de trabalhar": apontamentos sobre o discurso da vadiagem na Praça da Sé (SP). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-20102014-123616/
    • NLM

      Diniz BF, Sato L. "Tem gente que não quer saber de trabalhar": apontamentos sobre o discurso da vadiagem na Praça da Sé (SP) [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-20102014-123616/
    • Vancouver

      Diniz BF, Sato L. "Tem gente que não quer saber de trabalhar": apontamentos sobre o discurso da vadiagem na Praça da Sé (SP) [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-20102014-123616/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: