Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A Montanha dos Signos: Antonin Artaud no México pós-revolucionário dos anos 1930 (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MENDONçA, TâNIA GOMES - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLH
  • Subjects: LITERATURA DE VIAGENS; REVOLUÇÕES
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho propõe uma análise da viagem do artista francês Antonin Artaud ao México no ano de 1936. Por meio das correspondências e dos textos de Artaud produzidos neste país, pretende-se problematizar a sua concepção sobre a Revolução Mexicana e sobre os seus desdobramentos políticos e culturais durante os anos 1930, as suas ideias sobre as culturas indígenas e a sua relação com a realidade artística-intelectual mexicana. Parte-se da premissa de que o olhar de Artaud para o México foi formado por um ambiente intelectual e artístico marcado pelo Surrealismo, por um sentimento de crise da civilização europeia e por uma busca por formas de vida mais integradas entre o homem, a natureza e a arte. Artaud chega ao México em fevereiro de 1936 e permanece no país durante oito meses. Segundo suas próprias palavras, fora em busca do que ele denominaria de esoterismo mexicano o único que se apóia ainda sobre o sangue e a magnificência de uma terra cuja magia só os imitadores fanatizados da Europa podem ignorar. Durante a estadia, antes de ir à terra dos Tarahumaras, proferiu conferências na Escola Nacional Preparatória e escreveu artigos em jornais mexicanos a respeito do teatro europeu, do teatro mexicano, do movimento surrealista francês, das suas expectativas com relação à cultura indígena mexicana e da sua busca existencial como artista. No entanto, a sua visita ao México se dá justamente no período pós-revolucionário, durante o polêmico e marcante governo de LázaroCárdenas, no qual há uma radicalização da querela entre os artistas denominados universalistas e aqueles conhecidos como nacionalistas. Os primeiros, ao defenderem uma arte moderna e universal, preconizavam a arte europeia como matriz aspecto que Artaud repudiava e os segundos, ao afirmarem uma arte nacional, pura, utilizavam-se da cultura indígena como elemento unificador da nação, mas sem o respeito pela magia e pelo esoterismo indígena que Artaud tanto pregava. Daí as hipóteses para a falta de repercussão sobre o artista francês durante a sua permanência no país. Artaud também projetou sobre o México percepções que ele nutria a respeito do teatro. Idealizador do chamado Teatro da Crueldade, Artaud reconheceu no ritual do peyote praticado pelos índios tarahumaras no México uma vivência que se aproximava do seu projeto teatral
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.02.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH20900163518T MENDONÇA, TÂNIA GOMES 2014
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MENDONÇA, Tânia Gomes; SOARES, Gabriela Pellegrino. A Montanha dos Signos: Antonin Artaud no México pós-revolucionário dos anos 1930. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-01102014-164639/ >.
    • APA

      Mendonça, T. G., & Soares, G. P. (2014). A Montanha dos Signos: Antonin Artaud no México pós-revolucionário dos anos 1930. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-01102014-164639/
    • NLM

      Mendonça TG, Soares GP. A Montanha dos Signos: Antonin Artaud no México pós-revolucionário dos anos 1930 [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-01102014-164639/
    • Vancouver

      Mendonça TG, Soares GP. A Montanha dos Signos: Antonin Artaud no México pós-revolucionário dos anos 1930 [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-01102014-164639/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: