Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Balanço hídrico, injúria renal aguda e mortalidade de pacientes em unidade de terapia intensiva (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: AVILA, MARIA OLINDA NOGUEIRA - FM
  • USP Schools: FM
  • Subjects: RIM (LESÕES); INSUFICIÊNCIA RENAL; MORTALIDADE; UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA
  • Keywords: Acute kidney injury; Balanço hídrico; Insuficiência renal; Intensive care unit; Lesão renal aguda; Mortalidade; Mortality; Renal failure; Unidades de terapia intensiva; Water balance
  • Language: Português
  • Abstract: Injúria renal aguda (IRA) é doença de elevada incidência, associada a altas taxas de morbimortalidade. Sepse, pós-operatório de grandes cirurgias e baixo débito cardíaco são as principais causas de IRA em todo o mundo. Na maioria destas situações, expansão volêmica é parte do manejo preventivo e terapêutico da IRA. Contudo, a manutenção de uma estratégia de infusão liberal de fluidos pode causar balanço hídrico positivo (BH+), que tem sido associado a desfechos desfavoráveis em pacientes criticamente enfermos. BH+ frequentemente ocorre nestes pacientes que recebem grandes infusões de volume, mesmo que apresentem volume urinário considerado satisfatório ou acima de 0,5ml/kg/h. Nesta situação, se não houver elevação da creatinina sérica, não será feito o diagnóstico de IRA pelos critérios do Kidney Disease Improving Global Outcome (KDIGO), ainda que haja claro déficit na eliminação da sobrecarga hidrossalina. Este estudo observacional prospectivo, com controle pareado por dias de exposição ao BH+ avaliou a associação entre BH+ e diagnóstico subsequente de IRA (pelos critérios do KDIGO) e mortalidade em 233 pacientes admitidos em uma unidade de terapia intensiva (UTI) geral. Observamos por análise de regressão logística que cada 100 ml de aumento no BH se associou a elevação de 4% na chance de desenvolver IRA (OR 1,04; IC 95% 1,01 a 1,08). Comparado ao primeiro quartil de BH médio, o quarto quartil de BH médio (BH > +1793 ml/dia) se associou a chance 3,12 vezes maior de desenvolver IRA (OR 3,12; IC 95% 1,13 a 8,65).Comparado ao BH de zero até +1500 ml/dia, o BH médio > +1500 ml/dia se associou a chance 3,4 vezes maior de desenvolver IRA, (OR 3,4; IC 95% 1,56 a 7,48). Um modelo de efeito fixo mostrou que BH+ estava presente pelo menos seis dias antes do diagnóstico de IRA pelos critérios do KDIGO. Para avaliar o desfecho óbito, consideramos o BH durante toda internação na UTI. Observamos que cada 100 ml de aumento no BH se associou a incremento de 7% na mortalidade (OR 1,07; IC 95% 1,02 a 1,12). Comparado ao primeiro quartil, o quarto quartil de BH médio (BH > +1652 ml/dia) se associou a chance 2,8 vezes maior de evoluir para óbito (OR 2,8; IC 95% 1,04 a 7,66). Comparado aos pacientes com BH de zero a +1500 ml/dia, os pacientes com média de BH > +1500 ml/dia apresentavam chance 3,8 vezes maior de evolução para óbito (OR 3,8; IC 95% 1,55 a 9,16). Em conclusão, BH+ como variável contínua, em quartis ou utilizando ponto de corte maior do que +1500 ml/dia se associou de maneira independente a maior chance de desenvolvimento subsequente de IRA e evolução para óbito em pacientes criticamente enfermos. No presente trabalho, o BH + foi biomarcador precoce de IRA. Estes achados sugerem que BH+ deve ser incluído nos critérios de definição de IRA, ao lado da creatinina e diurese
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.11.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2667518-10W4.DB8 SP.USP FM-2 FM-2 A934ba 2014
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      AVILA, Maria Olinda Nogueira; BURDMANN, Emmanuel de Almeida. Balanço hídrico, injúria renal aguda e mortalidade de pacientes em unidade de terapia intensiva. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5148/tde-26012015-094753/ >.
    • APA

      Avila, M. O. N., & Burdmann, E. de A. (2014). Balanço hídrico, injúria renal aguda e mortalidade de pacientes em unidade de terapia intensiva. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5148/tde-26012015-094753/
    • NLM

      Avila MON, Burdmann E de A. Balanço hídrico, injúria renal aguda e mortalidade de pacientes em unidade de terapia intensiva [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5148/tde-26012015-094753/
    • Vancouver

      Avila MON, Burdmann E de A. Balanço hídrico, injúria renal aguda e mortalidade de pacientes em unidade de terapia intensiva [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5148/tde-26012015-094753/