Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Caracterização do ciclo replicativo do vírus Oropouche em células HeLa (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MENDONÇA, LEILA RODRIGUES DE - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Subjects: BUNYAVIRIDAE; REPLICAÇÃO VIRAL
  • Language: Português
  • Abstract: O vírus Oropouche (OROV) é a segunda maior causa de infecções por arbovírus no Brasil. Apesar disso, pouco se sabe sobre o ciclo replicativo desse vírus na célula hospedeira. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi caracterizar o ciclo replicativo do OROV. Para isso, células HeLa foram inoculadas com OROV e foram analisados diferentes tempos da curva de replicação viral. Através de imunoblot, foram detectadas proteínas virais no lisado celular a partir de 6 h p.i. e, no sobrenadante das células, a partir de 12 h p.i. Quanto à localização subcelular viral, observou-se que o vírus se localiza em endossomos inicias e tardios nas primeiras horas de infecção. A partir de 3 h p.i, a marcação para OROV apresentou um padrão reticular, disperso no citoplasma e colocalização com dois marcadores de retículo endoplasmático: a proteína solúvel YFPKDEL e a proteína integral de membrana calnexina. A partir de 5 h até 24 h p.i., foram observadas estruturas granulares citoplasmáticas contendo calnexina, que provavelmente constituem as fábricas virais. Estas estruturas foram observadas também através de imunoEM. Foi observado também que a infecção por OROV ocasiona a redistribuição da proteína TGN46 do trans-Golgi para as fábricas virais. Essa redistribuição não ocorreu devido à fragmentação do complexo de Golgi, já que a marcação contra a proteína de matriz do complexo de Golgi, Giantina, permaneceu inalterada e não colocalizou com a marcação para proteínas virais. Por fim, foi analisada a importância do funcionamento da maquinaria ESCRT para a montagem e brotamento de OROV. Para isso, OROV foi inoculado em células HeLa expressando um mutante dominante-negativo da ATPase Vps4A. No entanto, não foi observada colocalização da marcação viral com Vps4A nos tempos de infecção analisados. Esses resultados fornecem uma caracterização inicial do ciclo replicativo do OROV esugerem que: 1) o complexo de Golgi não é o principal local de brotamento do OROV; 2) a infecção por OROV ocasiona o deslocamento TGN46 para as fábricas virais; 3) OROV possivelmente utiliza regiões do retículo endoplasmático para formar vírions; e 4) OROV provavelmente não depende da atividade de Vps4A para formação de partículas virais.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.09.2014

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200066563Mendonça, Leila Rodrigues de
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MENDONÇA, Leila Rodrigues de; SILVA, Luis Lamberti Pinto da. Caracterização do ciclo replicativo do vírus Oropouche em células HeLa. 2014.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
    • APA

      Mendonça, L. R. de, & Silva, L. L. P. da. (2014). Caracterização do ciclo replicativo do vírus Oropouche em células HeLa. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Mendonça LR de, Silva LLP da. Caracterização do ciclo replicativo do vírus Oropouche em células HeLa. 2014 ;
    • Vancouver

      Mendonça LR de, Silva LLP da. Caracterização do ciclo replicativo do vírus Oropouche em células HeLa. 2014 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: