Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Fístula faringocutânea após laringectomia total: uma revisão sistemática (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: Dedivitis, Rogério Aparecido - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MCG
  • Subjects: Fistula; ONCOLOGIA; COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS (PREVENÇÃO E CONTROLE;DIAGNÓSTICO;TERAPIA); NEOPLASIAS LARÍNGEAS; CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS; LARINGECTOMIA (COMPLICAÇÕES)
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: Fístula faringocutânea (FFC) é a complicação cirúrgica mais comum após a laringectomia total. Controvérsia ainda permanece quanto aos múltiplos fatores de risco implicados. Objetivo: Os avaliar os potenciais fatores de risco para FFC por meio de uma revisão de literatura. Métodos: A estratégia de busca na literatura incluiu a pesquisa no MEDLINE até dezembro de 2013. Os fatores de risco analisados foram: idade, gênero, tabagismo, alcoolismo, comorbidades, níveis pré-operatórios de hemoglobina, transfusão sanguínea, traqueostomia pré-operatória, radioterapia e radio-quimioterapia prévias, sítio tumoral primário, estágio do tumor primário T, invasão de cartilagem, grau histológico, margens cirúrgicas, material de sutura, segundo plano de sutura, reconstrução, prótese traqueo-esofágica e esvaziamento cervical. A estratégia de pesquisa na literatura quanto ao uso de grampeador para fechamento da faringe incluiu o MEDLINE, EMBASE e LILACS até julho de 2012. A intervenção analisada foi o fechamento da faringe assistido por grampeador, enquanto o grupo controle foi a sutura manual. Com relação à reintrodução da alimentação oral, o estudo incluiu a pesquisa no MEDLINE, EMBASE e LILACS. A intervenção analisada foi a realimentação precoce (<5dias), enquanto o grupo controle foi a realimentação tardia (>7dias) após laringectomia total. Resultados: A pesquisa eletrônica resultou em 311 estudos, dos quais 63 atingiam os critérios de inclusão. DPOC, hemoglobina prévia<12.5g/dL, transfusão sanguínea, radioterapia ou radio-quimioterapia prévia, tumor primário avançado, subsítio em supraglote, sítio primário na hipofaringe, margens cirúrgicas positivas e a realização de esvaziamento cervical foram fatores de risco para FFC. A pesquisa eletrônica para avaliar o uso de grampeador resultou em 319 estudos. Entretanto, quatro artigos foram selecionados com um total de 417 pacientes.No grupo de pacientes nos quais o grampeador foi utilizado, a incidência de FFC foi de 8,7%, enquanto, no grupo de sutura manual, foi de 22,9%, com redução de risco absoluto de 15% (IC95% 0,02 a 0,28; p=0,02; I2=66%). Quanto ao tempo cirúrgico, a diferença média foi de 80 minutos a favor do grupo do grampeador (IC95% 23,16 a 136.58 minutos; p<0,006). A diferença para introdução precoce da alimentação foi 8 dias a favor da sutura mecânica (IC95% 4,01 a 11,73 dias; p<0,001). Pacientes submetidos à sutura mecânica tiveram menor tempo de internação hospitalar, com uma média de 6 dias. De 304 estudos encontrados na avaliação da realimentação precoce, quatro ensaios clínicos randomizados com 180 pacientes foram selecionados. No grupo de realimentação precoce, a incidência de FFC foi de 6,7%, enquanto, no grupo de realimentação tardia, foi de 10%, sem diferença estatisticamente significativa (IC95% -0.11-0.05; p=0.42; I2=0%). Quatro estudos de coorte com 490 pacientes foram também seleconados. No grupo de alimentação precoce, a incidência de FFC foi de 12,2%, enquanto, no outro grupo, foi de 10,1%, sem diferença estatisticamente significativa (IC95% -0.05-0,08; p=0.67; I2=0%).
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 06.11.2014

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2682869-10W4.DB8 SP.USP FM-3 D354fi 2014
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      DEDIVITIS, Rogério Aparecido. Fístula faringocutânea após laringectomia total: uma revisão sistemática. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.
    • APA

      Dedivitis, R. A. (2014). Fístula faringocutânea após laringectomia total: uma revisão sistemática. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Dedivitis RA. Fístula faringocutânea após laringectomia total: uma revisão sistemática. 2014 ;
    • Vancouver

      Dedivitis RA. Fístula faringocutânea após laringectomia total: uma revisão sistemática. 2014 ;