Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Mecanismo hemostático da serpente Crotalus durissus terrificus (Ophidia: Viperidae, Crotalinae) (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: VIEIRA, CAROLINA OKAMOTO - IB
  • USP Schools: IB
  • Subjects: HEMOSTASIA; COAGULAÇÃO; SERPENTES; FISIOLOGIA; VIPERIDAE; CROTALIDAE
  • Keywords: Coagulation; Crotalus durissus terrificus; Crotalus durissus terrificus; Hemostasis; Snake; Thrombocytes; Trombócitos
  • Language: Português
  • Abstract: A hemostasia previne a perda de sangue após uma lesão vascular e garante a fluidez sanguínea. Para isso há a participação de células carreadoras de fator tissular e também de plaquetas, além de fatores plasmáticos, cofatores, fosfolipídios e íons cálcio que resultam na liberação dos fibrinopeptídios do fibrinogênio e polimerização dos monômeros de fibrina, transformando-os em fibrina estável. Os polifosfatos também participam da ativação da via intrínseca da cascata de coagulação ativando o fator XII e a pré-calicreína plasmática. Os répteis possuem peculiaridades quanto ao mecanismo de coagulação, apresentando níveis altos de anticoagulantes circulantes e ausência ou deficiência de alguns fatores de coagulação. Pouco se sabe sobre a participação real dos trombócitos e polifosfatos no mecanismo hemostático de serpentes. Assim, o objetivo deste estudo foi investigar o mecanismo hemostático da serpente de C.d. terrificus, avaliando também o papel dos trombócitos e dos polifosfatos. Os testes de coagulação apresentaram tempos prolongados, mas o nível de fibrinogênio (227, 47 ± 20,38 g/dL) foi semelhante ao humano. Foi constatada a presença de FXII, que foi ativado pelos polifosfatos, reduzindo o tempo de coagulação em Rotem. Os trombócitos de C.d. terrificus (13,37 ± 1,22 x 109/L) são células nucleadas elipsoidais, que apresentam superfície lisa quando não estão ativados. Esses trombócitos agregaram com colágeno 5,84 ± 0,85 Ω) e cálcio ionóforo (24 ± 3,3 %). Porém, nãoativaram com ADP, como previamente mostrado em outros répteis. A adesão trombocitária observada (1,25 ± 0,37 %) foi mais baixa do que em seres humanos (11%), lembrando que a adaptação do método usado não foi totalmente adequada às serpentes. Embora se saiba pouco sobre a importância das variações das características morfológicas das fibras de fibrina, que em C.d. terrificus diferem das de ratos, humanos e outras espécies descritas de mamíferos, o tipo dessa rede de fibrina pode estar influenciando no processo final da hemostasia, juntamente com a participação dos trombócitos. A eficácia do mecanismo hemostático em serpentes C.d. terrificus parece estar relacionada principalmente à ativação da coagulação pelo fator tissular. Assim, a fase de iniciação é tão eficiente quanto em mamíferos, diferindo mais na fase de propagação do coágulo, ou seja, na via intrínseca. A baixa concentração de alguns fatores de coagulação e níveis elevados de inibidores naturais, tais como a antitrombina, interfere nesse sistema mais lento e possivelmente diminui os riscos trombóticos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 10.10.2014
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IB12000029682D-1629
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VIEIRA, Carolina Okamoto; MARTINS, Ida Sigueko Sano. Mecanismo hemostático da serpente Crotalus durissus terrificus (Ophidia: Viperidae, Crotalinae). 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-26012015-141001/ >.
    • APA

      Vieira, C. O., & Martins, I. S. S. (2014). Mecanismo hemostático da serpente Crotalus durissus terrificus (Ophidia: Viperidae, Crotalinae). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-26012015-141001/
    • NLM

      Vieira CO, Martins ISS. Mecanismo hemostático da serpente Crotalus durissus terrificus (Ophidia: Viperidae, Crotalinae) [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-26012015-141001/
    • Vancouver

      Vieira CO, Martins ISS. Mecanismo hemostático da serpente Crotalus durissus terrificus (Ophidia: Viperidae, Crotalinae) [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41135/tde-26012015-141001/