Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Biocompatibilidade do polimetilmetacrilato (PMMA) associado às proteínas do látex da seringueira Hevea brasiliensis como preenchedor cutâneo em ratos (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SILVEIRA, CAMILA TELES FRANCO DA - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: QUÍMICA COLOIDAL; LATEX; IMUNOLOGIA; CICATRIZAÇÃO
  • Language: Português
  • Abstract: Buscou-se avaliar as modificações teciduais induzidas pelo preenchimento cutâneo do biopolímero polimetilmetacrilato (PMMA) incorporado ao soro do látex e sua fração proteica F1 em modelo experimental em ratos. Foram utilizados 42 ratos Wistar machos (150-200g), submetidos ao preenchimento dérmico dorsal linear de 1mL de PMMA, constituindo-se 3 grupos: (a) PMMA associado ao soro do látex a 10% – 16 animais (Lx); (b) PMMA associado à fração F1a 0,01% – 16 animais (F1); (c) PMMA isolado (controle) – 10 animais. Após 15 e 45 dias do preenchimento, os animais foram sacrificados e biopsiados para estudo histopatológico [HE, TG (tricrômico de Gomori), Picrosirius], imunohistoquímico (CD68, IL1β, IL4, IL17, TGFβ, TNFα) e bioquímico (hidroxiprolina). As imagens das lâminas foram analisadas pelo software ImageJ. Ao HE foram analisadas as áreas brancas (dispersão do preenchedor); celularidade (infiltrado inflamatório e fibroblastos) e vasos sanguíneos. A colagênese foi analisada pelo TG e Picrosirius (colágenos tipos I e III), além da dosagem de hidroxiprolina. Na imunohistoquímica foram quantificadas as áreas imunomarcadas. Foram sacrificados 2 animais em cada grupo no 15º dia e o restante após 45 dias. Na coloração HE, a porcentagem de área branca foi menor no grupo Lx que nos grupos F1 e controle apenas no 45º dia, e somente esse grupo apresentou diferença entre os tempos 15 e 45 dias. Quanto à celularidade, houve diminuição no número de células do 15º para 45º dias nos 3 grupos, porém sem significância. Observou-se proliferação vascular do Lx no 15º dia e ausente no 45º dia. Quanto à colagênese, os cortes corados pelo TG mostraram porcentagem maior no 45º dia comparado ao 15º nos 3 grupos. O grupo Lx apresentou estímulo mais precoce da colagênese. Na coloração Picrosirius, não houve estímulo de colágeno tipo III em nenhum dos grupos e tempos, porém houveestímulo de colágeno tipo I entre os tempos, semelhante nos 3 grupos. Na dosagem de hidroxiprolina, verificou-se que o Lx foi superior ao F1 e controle na produção de colágeno. À imunohistoquímica, o grupo Lx apresentou menor expressão de TNFα que o controle. Já para o TGFβ, houve tendência à maior expressão no grupo Lx, enquanto para a IL4 houve confirmação de maior expressão no grupo Lx que no F1 e controle. A IL17 apresentou menor expressão no grupo Lx que no F1 e controle tanto na área do preenchimento quanto na periferia. A IL1β e o CD68 também apresentaram maior expressão no grupo Lx comparado ao F1 e ao controle. A associação do soro do látex ao PMMA foi capaz de estimular a inflamação, confirmada pela alta celularidade e maior expressão de IL1β e CD68, além de acelerar a colagênese evidente pela maior produção de hidroxiprolina. Destacam-se ainda que as modificações teciduais foram moduladas pela maior expressão de IL4 e menores de IL17 e TNFα, comparadas aos grupos F1 e controle. Em conclusão, os resultados demonstram as propriedades de estimulação e autorregulação das proteínas do soro do látex nas fases do processo cicatricial envolvido na incorporação do preenchedor PMMA, fato este que deve ser considerado para sua futura na utilização clínica associado à preenchedores.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.12.2014

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200066784Silveira, Camila T. Franco da
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SILVEIRA, Camila Teles Franco da; FRADE, Marco Andrey Cipriani. Biocompatibilidade do polimetilmetacrilato (PMMA) associado às proteínas do látex da seringueira Hevea brasiliensis como preenchedor cutâneo em ratos. 2014.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
    • APA

      Silveira, C. T. F. da, & Frade, M. A. C. (2014). Biocompatibilidade do polimetilmetacrilato (PMMA) associado às proteínas do látex da seringueira Hevea brasiliensis como preenchedor cutâneo em ratos. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Silveira CTF da, Frade MAC. Biocompatibilidade do polimetilmetacrilato (PMMA) associado às proteínas do látex da seringueira Hevea brasiliensis como preenchedor cutâneo em ratos. 2014 ;
    • Vancouver

      Silveira CTF da, Frade MAC. Biocompatibilidade do polimetilmetacrilato (PMMA) associado às proteínas do látex da seringueira Hevea brasiliensis como preenchedor cutâneo em ratos. 2014 ;