Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Infecção congênita pelo Herpesvírus humano tipo 6 (HHV-6): prevalência, análise molecular e persistência da excreção das cepas virais (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: FRIGORI, CARLA BERTOLINI - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Sigla do Departamento: RPP
  • Subjects: HERPESVIRUS 6 HUMANO; INFECÇÕES POR VÍRUS DE DNA; SALIVA
  • Language: Português
  • Abstract: O Herpesvírus humano tipo 6 (HHV-6) pertence à família Herpesviridae e subfamília Betaherpesvirinae, a mesma que compreende o citomegalovirus (CMV), considerado o agente causal mais freqüente de infecção congênita no homem. Embora existam estudos brasileiros mostrando a alta soroprevalência ao HHV-6 em crianças, não existem dados sobre a prevalência e características da infecção congênita por este vírus na nossa população. Os objetivos deste estudo consistiram em estimar a prevalência da infecção congênita pelo HHV-6, verificar a persistência da excreção do HHV-6 na saliva e na urina das crianças infectadas, determinar a freqüência das duas variantes (HHV-6A e HHV-6B) na infecção congênita por este vírus e verificar se a saliva é uma amostra clínica que pode ser utilizada em larga escala para triagem neonatal desta infecção. Participaram do estudo 2597 recém-nascidos de qualquer idade gestacional, com quaisquer características clínicas ao nascer e que foram atendidos no HCFMRP-USP. Saliva e sangue capilar foram obtidos durante a primeira semana de vida de todos os recém-nascidos. Adicionalmente, saliva e/ou urina seqüenciais foram coletadas das crianças infectadas congenitamente pelo HHV-6, para verificar a persistência da excreção viral nestes fluidos. A infecção congênita foi definida pela detecção do DNA de HHV-6 na saliva e no sangue capilar ao nascimento pela PCR. As variantes do HHV-6 foram determinadas pelo seqüenciamento nucleotídico do DNA viral. A infecção congênita pelo HHV-6 foi confirmada em 10/2597 dos recém-nascidos, com prevalência ao nascer de 0,4% (IC 95%: 0,2-0,7). Dentre as 10 crianças infectadas, duas (20%) apresentaram manifestações clínicas sugestivas de infecção congênita. A persistência da excreção do HHV-6 na saliva e na urina das crianças infectadas foi verificada por pelo menos 30 meses. A viruria foi observada somente em(6/10) 60% das crianças infectadas. Com relação às variantes do HHV-6, 6/10 (60%) das crianças foram infectadas pela variante tipo B do vírus e 4/10 (40%) foram infectadas pelo HHV6-A, sendo que, a mesma variante viral foi identificada quando foram analisados saliva, sangue capilar e urina. A prevalência da infecção congênita pelo HHV-6 foi similar às relatadas em estudos prévios realizados em outros países e menor do que a prevalência da infecção congênita pelo CMV, na mesma população estudada. A maioria das crianças infectadas congenitamente pelo HHV-6 foi assintomática ao nascer. O HHV-6 foi persistentemente excretado na saliva e na urina das crianças infectadas congenitamente, a exemplo do que ocorre com o CMV. As duas variantes do HHV-6 foram transmitidas congenitamente em proporções similares, embora o número de crianças infectadas tenha sido pequeno. Uma única cepa do HHV-6 foi causadora desta infecção. A exemplo do CMV, a saliva é uma amostra clínica que pode ser utilizada em larga escala para triagem neonatal da infecção congênita por HHV-6.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.11.2014

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200066782Frigori, Carla Bertolini
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FRIGORI, Carla Bertolini; YAMAMOTO, Aparecida Yulie. Infecção congênita pelo Herpesvírus humano tipo 6 (HHV-6): prevalência, análise molecular e persistência da excreção das cepas virais. 2014.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.
    • APA

      Frigori, C. B., & Yamamoto, A. Y. (2014). Infecção congênita pelo Herpesvírus humano tipo 6 (HHV-6): prevalência, análise molecular e persistência da excreção das cepas virais. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Frigori CB, Yamamoto AY. Infecção congênita pelo Herpesvírus humano tipo 6 (HHV-6): prevalência, análise molecular e persistência da excreção das cepas virais. 2014 ;
    • Vancouver

      Frigori CB, Yamamoto AY. Infecção congênita pelo Herpesvírus humano tipo 6 (HHV-6): prevalência, análise molecular e persistência da excreção das cepas virais. 2014 ;