Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Determinação de incidência, preditores e escores de risco de complicações cardiovasculares e óbito total, em 30 dias e após 1ano da cirurgia, em pacientes submetidos a cirurgias vasculares arteriais eletivas (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SMEILI, LUCIANA ANDRéA AVENA - FM
  • USP Schools: FM
  • Subjects: CARDIOLOGIA
  • Keywords: Assistência perioperatória; Cardiovascular diseases/surgery; Coeficiente de mortalidade; Complicações pós-operatórias; Curva ROC; Doenças cardiovasculares/cirurgia; Fatores de risco; Hospital mortality; Incidence; Incidência; Indicadores de morbimortalidade; Indicators of morbidity and mortality; Logistic models; Medição de risco; Modelos logísticos; Morbidade; Morbidity; Mortalidade; Mortalidade hospitalar; Mortality; Mortality rate; Mortality registries; Período perioperatório; Perioperative care; Perioperative period; Postoperative complications; Predictive value; Procedimentos cirúrgicos vasculares/efeitos adversos; Prognosis; Prognóstico; Registros de mortalidade; Risk assessment; Risk factors; ROC curve; Valor preditivo dos testes; Vascular surgical procedures/adverse effects
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: Estima-se que ocorram 2,5 milhões de mortes por ano relacionadas a cirurgias não cardíacas e cinco vezes este valor para morbidade, com limitações funcionais e redução na sobrevida em longo prazo. Pacientes que deverão ser submetidos à cirurgia vascular são considerados de risco aumentado para eventos adversos cardiovasculares no pós-operatório. Há, ainda, muitas dúvidas em como fazer uma avaliação pré-operatória mais acurada desses pacientes. Objetivo: Em pacientes submetidos à cirurgia vascular arterial eletiva, avaliar a incidência e preditores de complicações cardiovasculares e/ou óbito total, e calcular a performance dos modelos de estratificação de risco mais utilizados. Métodos: Em pacientes adultos, consecutivos, operados em hospital terciário, determinou-se a incidência de complicações cardiovasculares e óbitos, em 30 dias e em um ano. Comparações univariadas e regressão logística avaliaram os fatores de risco associados com os desfechos e a curva ROC (receiver operating characteristic) examinou a capacidade discriminatória do Índice de Risco Cardíaco Revisado (RCRI) e do Índice de Risco Cardíaco do Grupo de Cirurgia Vascular da New England (VSG-CRI). Resultados: Um total de 141 pacientes (idade média 66 anos, 65% homens) realizou cirurgia de: carótida 15 (10,6%), membros inferiores 65 (46,1%), aorta abdominal 56 (39,7%) e outras (3,5%). Complicações cardiovasculares e óbito ocorreram, respectivamente, em 28 (19,9%) e em 20 (14,2%), em até 30 dias, e em20 (16,8%) e 10 (8,4%), de 30 dias a um ano. Complicações combinadas ocorreram em 39 (27,7%) pacientes em até 30 dias e em 21 (17,6%) de 30 dias a um ano da cirurgia. Para eventos em até 30 dias, os preditores de risco encontrados foram: idade, obesidade, acidente vascular cerebral, capacidade funcional ruim, cintilografia com hipocaptação transitória, cirurgia aberta, cirurgia de aorta e troponina alterada. Os escores Índice de Risco Cardíaco Revisado (RCRI) e Índice de Risco Cardíaco do Grupo de Estudo Vascular da New England (VSG-CRI) obtiveram AUC (area under curve) de 0,635 e 0,639 para complicações cardiovasculares precoces e 0,562 e 0,610 para óbito em 30 dias, respectivamente. Com base nas variáveis preditoras aqui encontradas, testou-se um novo escore pré-operatório que obteve AUC de 0,747, para complicações cardiovasculares precoces, e um escore intraoperatório que apresentou AUC de 0,840, para óbito em até 30 dias. Para eventos tardios (de 30 dias a 1 ano), os preditores encontrados foram: capacidade funcional ruim, pressão arterial sistólica, cintilografia com hipocaptação transitória, ASA (American Society of Anesthesiologists Physical Status) classe > II, RCRI (AUC 0,726) e troponina alterada. Conclusões: Nesse grupo pequeno e selecionado de pacientes de elevada complexidade clínica, submetidos à cirurgia vascular arterial, a incidência de eventos adversos foi elevada. Para complicações em até 30 dias, mostramos que os índices de avaliação de risco mais utilizados até o momento (RCRI e VSG-CRI) não apresentaramboa performance em nossa amostra. A capacidade preditiva de um escore mais amplo pré-operatório, e uma análise de risco em dois tempos: no pré-operatório e no pós-operatório imediato, como o que simulamos, poderá ser mais efetiva em estimar o risco de complicações
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.04.2015

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2708872-10W4.DB8^SP.USP^FM-2^S644de^2015
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SMEILI, Luciana Andréa Avena; LOTUFO, Paulo Andrade. Determinação de incidência, preditores e escores de risco de complicações cardiovasculares e óbito total, em 30 dias e após 1ano da cirurgia, em pacientes submetidos a cirurgias vasculares arteriais eletivas. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.
    • APA

      Smeili, L. A. A., & Lotufo, P. A. (2015). Determinação de incidência, preditores e escores de risco de complicações cardiovasculares e óbito total, em 30 dias e após 1ano da cirurgia, em pacientes submetidos a cirurgias vasculares arteriais eletivas. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Smeili LAA, Lotufo PA. Determinação de incidência, preditores e escores de risco de complicações cardiovasculares e óbito total, em 30 dias e após 1ano da cirurgia, em pacientes submetidos a cirurgias vasculares arteriais eletivas. 2015 ;
    • Vancouver

      Smeili LAA, Lotufo PA. Determinação de incidência, preditores e escores de risco de complicações cardiovasculares e óbito total, em 30 dias e após 1ano da cirurgia, em pacientes submetidos a cirurgias vasculares arteriais eletivas. 2015 ;