Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Correlação da força muscular com a composição corporal segmentar na obesidade grave (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GADDUCCI, ALEXANDRE VIEIRA - FM
  • USP Schools: FM
  • Subjects: OBESIDADE MÓRBIDA; MÚSCULO ESQUELÉTICO; TECIDO ADIPOSO; FORÇA MUSCULAR; COMPOSIÇÃO CORPORAL; DINAMÔMETROS; EXTREMIDADES
  • Keywords: Adipose tissue; Body composition; Composição corporal; Dinamômetro de força muscular; Extremidade inferior; Força muscular; Lower extrem; Muscle skeletal; Muscle strength; Muscle strength dynamometer; Músculo esquelético; Obesidade mórbida; Obesity morbid; Tecido adiposo
  • Language: Português
  • Abstract: INTRODUÇÃO: A obesidade mórbida é um problema de saúde pública. O aumento da massa gorda contribui para a perda de massa livre de gordura e mudanças na força muscular e resistência dos músculos dos membros inferiores (flexores e extensores), que são responsáveis pela independência, mobilidade e capacidade para realizar com segurança as atividades diárias. OBJETIVO: Avaliar a correlação entre a força muscular e composição corporal total e segmentar de acordo com o grau de obesidade. M >>TODO: Foram incluídos no estudo 132 pacientes com obesidade mórbida de ambos os sexos, com idade entre 18 e 60 anos, sendo divididos entre grupo obeso (>= 40Kg/m2 e < 50Kg/m²) e superobeso (>= 50Kg/m2 e < 60Kg/m²). Todos os pacientes realizaram avaliação da composição corporal (bioimpedância elétrica) e da força muscular máxima dos membros inferiores (dinamometria isocinética). RESULTADOS: Não houve diferença significativa entre o valor médio da força muscular absoluta de extensão (156,4 ± 45 Nm vs. 156,4 ± 41 Nm) e flexão (71,5 ± 22 Nm vs. 72,8 ± 22 Nm) entre o grupo obeso e superobeso. O grupo superobeso apresentou redução da força muscular de extensão e flexão corrigida pelo peso corporal e pelo peso dos membros inferiores em relação ao grupo obeso (P < 0,05). A correlação da força muscular com o peso corporal foi fraca (r = 0,37-0,57, P < 0,001) a moderada, enquanto que observou se correlação moderada em relação ao peso dos membros inferiores (r = 0,46-0,61, p < 0,001). CONCLUSÃO: O grupo superobeso apresentou um valor médiona força absoluta de extensão e de flexão. A força muscular diminuída na obesidade grave está diretamente relacionada com a composição corporal dos membros inferiores
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 14.05.2015
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2708899-10W4.DB8^SP.USP^FM-1^G12co^2015^ex.rev
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GADDUCCI, Alexandre Vieira; CLEVA, Roberto de. Correlação da força muscular com a composição corporal segmentar na obesidade grave. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06082015-125025/ >.
    • APA

      Gadducci, A. V., & Cleva, R. de. (2015). Correlação da força muscular com a composição corporal segmentar na obesidade grave. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06082015-125025/
    • NLM

      Gadducci AV, Cleva R de. Correlação da força muscular com a composição corporal segmentar na obesidade grave [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06082015-125025/
    • Vancouver

      Gadducci AV, Cleva R de. Correlação da força muscular com a composição corporal segmentar na obesidade grave [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06082015-125025/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: