Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Respostas do caranguejo chama-marés Uca rapax (Ocypodidae, Brachyura) à contaminação por metais: biomarcadores fisiológicos e bioquímicos (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CAPPARELLI, MARIANA VELLOSA - FFCLRP
  • USP Schools: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 592
  • Subjects: CARANGUEJO; METAIS; ESTRESSE OXIDATIVO
  • Language: Português
  • Abstract: O impacto da liberação antrópica de metais em diversos ecossistemas é motivo de grande preocupação ecológica, e o desconhecimento dos efeitos biológicos desses poluentes dificulta avaliar a extensão e grau desse impacto. Algumas populações de caranguejos chama-marés (Uca), típicos de entre-marés, em zonas estearinas, têm respondido negativamente à poluição, no entanto, os estudos sobre efeitos da contaminação por metais neste gênero são ainda escassos. Assim, este trabalho objetiva avaliar as respostas físiológicas e bioquímicas de Uca rapax ante a exposição ao cobre (Cu) via solução e dieta, em laboratório, e à uma mistura complexa de contaminantes in situ. Para tanto, utilizou-se como biomarcadores fisiológicos o consumo de oxigénio (CO2) e a regulação osmótica e iônica; e como bioquímicas as proteínas semelhantes à metalotioneinas (PSM), glutationa peroxidase (GPx), S-transferase (GST), acetilcolinestrerase (AChe), K+-fosfatase da enzima (Na+, K+)-ATPase (NAKA) e anidrase carbônica (AC). U. rapax demonstrou capacidade de regular e/ou evitar a captação de Cu até o limiar de 250 µg/l Cu. Independentemente da via de exposição, as brânquias acumularam Cu, e o hepatopâncreas foi o principal órgão de acumulação. A hemolinfa acumulou Cu somente em animais expostos via solução. O Cu em solução afetou a regulação iônica e osmótica somente em animais mentidos em submersão, o que pode ser devido à diminuição da [Na+] e [Cl-] observada na hemolinfa Tanto a atividade da NKA e AC foram inibidas a partir de 150 µg/l Cu em solução, no entanto maiores que os animais controle em 50 µg/l Cu. Isto sugere a existência de uma resposta compensatória destas enzimas para evitar distúrbios osmorregulatórios após exposição a concentrações de Cu ambientalmente relevantes. O CO2 não foi afetado pela exposição ao Cu porém uma menor sensibilidade térmica (< valores de Q10)em 25 e 35 °C foi detectada após exposição a Cu via solução. O Cu não induziu a produção de PSM, e as atividades das enzimas GPx e GST foram alteradas somente em concentrações acima de 250 µg/l Cu e em 25 e 35 °C. Para avaliar a exposição à contaminação in situ, espécimes de U. rapax foram coligidos em locais com diferentes históricos de contaminação ambiental do litoral Paulista, do mais ao menos poluído: Ilha Diana, Santos (ID); Rio Itapanhaú, Bertioga (RI); Picinguaba, Ubatuba (P). A concentração de metais nas brânquias e hepatopâncreas de U rapax foi incipiente a moderada em animais das três localidades, e maior naqueles de ID e RI. Os metais no sedimento de tocas onde os caranguejos foram coletados ficaram abaixo do limite de efeito tóxico (baseados em TEL e PEL) nas três localidades. A PSM estava induzida em animais de RI e ID; e a atividade das enzimas GPX, GST e AChe alteradas nas populações animais das três localidades. O CO2 em caranguejos de RI e ID foi alterado em 35 °C. Observou-se um maior poder hipoosmorregulatório nos animais de ID e RI, bem como uma maior atividade da NKA. Este pode ser considerado um ajuste bioquímico resultante de alterações na capacidade osmorregulatória, também observado em exposição ao Cu em laboratório. Nossos resultados mostraram alterações nos parâmetros avaliados em U. rapax, tanto em exposição ao Cu quanto em exposição à contaminação crônica in situ
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.03.2015

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FCLRP20800049242Capparelli, Mariana Vellosa
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CAPPARELLI, Mariana Vellosa; MCNAMARA, John Campbell. Respostas do caranguejo chama-marés Uca rapax (Ocypodidae, Brachyura) à contaminação por metais: biomarcadores fisiológicos e bioquímicos. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.
    • APA

      Capparelli, M. V., & McNamara, J. C. (2015). Respostas do caranguejo chama-marés Uca rapax (Ocypodidae, Brachyura) à contaminação por metais: biomarcadores fisiológicos e bioquímicos. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Capparelli MV, McNamara JC. Respostas do caranguejo chama-marés Uca rapax (Ocypodidae, Brachyura) à contaminação por metais: biomarcadores fisiológicos e bioquímicos. 2015 ;
    • Vancouver

      Capparelli MV, McNamara JC. Respostas do caranguejo chama-marés Uca rapax (Ocypodidae, Brachyura) à contaminação por metais: biomarcadores fisiológicos e bioquímicos. 2015 ;