Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Ferro intracelular: fator modificável de susceptibilidade cardiovascular? (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SOCAS, LEONARDO JENSEN - FM
  • USP Schools: FM
  • Subjects: FERRO; INSUFICIÊNCIA CARDÍACA; MIOBLASTOS; CAMUNDONGOS; RATOS; TÉCNICAS E PROCEDIMENTOS DE LABORATÓRIO; CULTURA DE CÉLULAS
  • Keywords: Cell culture techniques; Heart failure; Iron; Mice; Miócitos cardíacos; Myocytes cardiac; Rat; Técnicas de cultivo de células
  • Language: Português
  • Abstract: Mutações no gene Hfe causam a forma mais comum da hemocromatose hereditária, doença caracterizada por acúmulo progressivo de ferro nos tecidos parenquimatosos. Um estudo prévio conduzido em nosso laboratório (Am J Cardiol 88(4):388-91, 2001) encontrou associação entre mutação do gene Hfe e cardiomiopatia isquêmica, sugerindo que o acúmulo de ferro no tecido cardíaco pode ser um fator que potencializa as agressões ao sistema cardiovascular. O objetivo do presente trabalho foi testar a hipótese de que o ferro aumenta a susceptibilidade ao risco cardiovascular. A análise de dados de 318 pacientes seguidos durante 10 anos indicou que variantes genéticas do Hfe estão associadas com maior mortalidade em pacientes com insuficiência cardíaca de diferentes etiologias. Em seguida, verificou-se o acúmulo de ferro no coração, aorta e fígado ao longo de 1, 3, 6 e 12 meses em camundongos FVB. Para mimetizar os efeitos deletérios do ferro no ser humano, validamos proteínas envolvidas no metabolismo do ferro em camundongos e tratamos os animais com 10 mg diárias de ferro dextrano durante 4 semanas. Os resultados sem a sobrecarga de ferro já apontaram acúmulo de ferro significativo no coração e no fígado ao longo de 12 meses de vida, consistente com a ideia de aumento progressivo de risco cardiovascular associado ao envelhecimento. A sobrecarga de ferro foi associada com maior mortalidade e deterioração da função cardíaca. Os camundongos tratados com ferro apresentaram diminuição da fração de ejeção, redução da espessura do septo, maior remodelamento cardíaco e aumento do volume nuclear dos cardiomiócitos. Para entender as modulações gênicascausadas pelo ferro no coração, foi medida a expressão dos transcritos primários de mRNA relativo para os genes Hfe e para a hepcidina, encontrando-se ambos os genes significativamente menos expressos nos animais tratados com ferro em comparação ao grupo que só recebeu salina. Por fim, com o intuito de estudar em condições mais controladas o comportamento cardíaco frente à sobrecarga de ferro, foram comparados dois protocolos de extração primária de cardiomiócitos ventriculares de ratos neonatos para testes farmacológicos com ferro in vitro. O enriquecimento de cardiomiócitos in vitro se estabeleceu por dois métodos: separação por gradiente de percoll (Per) e por uma pré-seleção nomeada pre plating (PP). As células cardíacas foram mantidas por 8 dias em cultura e avaliações do metabolismo, produção de espécies reativas de oxigênio e contratilidade foram medidas. Ambos os métodos foram eficientes para a obtenção de células cardíacas, entretanto, as células extraídas por protocolo PP apresentaram metabolismo aumentado, com maior consumo de glicose e produção de lactato. Por diferentes parâmetros testados o protocolo PP apresentou maior estresse oxidativo, porém sem modular a quantidade de glutationas reduzidas e oxidadas. Notadamente, o protocolo PP apresentou maior atividade contrátil com aumento dos batimentos e maior influxo intracelular de cálcio. Células cardíacasextraídas pelo método PP foram tratadas com citrato de amônia férrico com doses de 50 ug/mL e 100 ug/mL e, após 24 horas, foi possível observar aumento significativo de apoptose. Desta forma, os modelos celulares em questão apresentam-se como importantes ferramentas para a identificação de mecanismos moleculares e celulares associados aos efeitos deletérios causados pelo ferro. Em conjunto, os resultados do presente trabalho apoiam a hipótese de que o acúmulo de ferro no tecido cardíaco aumenta a susceptibilidade cardiovascular. Trabalhos futuros permitirão melhor compreensão dos mecanismos envolvidos no acúmulo de ferro no coração ao longo do envelhecimento em pacientes com insuficiência cardíaca
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.08.2015
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2727654-10W4.DB8^SP.USP^FM-1^S662fe^2015
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SOCAS, Leonardo Jensen; KRIEGER, Jose Eduardo. Ferro intracelular: fator modificável de susceptibilidade cardiovascular?. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5166/tde-10112015-092645/ >.
    • APA

      Socas, L. J., & Krieger, J. E. (2015). Ferro intracelular: fator modificável de susceptibilidade cardiovascular?. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5166/tde-10112015-092645/
    • NLM

      Socas LJ, Krieger JE. Ferro intracelular: fator modificável de susceptibilidade cardiovascular? [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5166/tde-10112015-092645/
    • Vancouver

      Socas LJ, Krieger JE. Ferro intracelular: fator modificável de susceptibilidade cardiovascular? [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5166/tde-10112015-092645/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: