Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Alterações na microarquitetura óssea de mulheres com esclerose múltipla remitente-recorrente (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GUERREIRO, CARLOS TOSTES - FMRP
  • USP Schools: FMRP
  • Subjects: ESCLEROSE MÚLTIPLA; OSTEOPOROSE; HORMÔNIOS GLICOCORTICOIDES
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução. A esclerose múltipla (EM) é uma doença autoimune que afeta o sistema nervoso central, especificamente a substância branca, resultando em inflamação e desmielinização. A forma remitente-recorrente (EMRR) é a mais comum, representando 85% de dos casos, quando a doença se inicia. A redução da mobilidade e o tratamento com corticosteroides em altas doses são fatores secundários que podem aumentar o risco de mulheres com EM desenvolverem osteoporose. Objetivos. Os objetivos deste estudo foram verificar as alterações na microarquitetura óssea de mulheres com EM, através do ultrassom quantitativo de falanges (QUS falanges), compará-las com os resultados de um grupo controle saudável e correlacioná-las com alguns aspectos clínicos e de tratamento da EM, tais como o número de surtos, estado de incapacidade, tratamento com corticosteroides e desempenho em testes de capacidade funcional. Métodos. A presente tese está dividida em dois estudos: No primeiro, estudo transversal, foi verificado o perfil ósseo de 66 mulheres com EM, cuja média de idade de 33,77±6,62 anos e a da escala expandida do estado de incapacidade (EDSS) de 2,28±0,89 (1,0-4,5). Quarenta e quatro (66,67%) pacientes com esclerose múltipla apresentaram nível de incapacidade discreta (EDSS≤2,5) e 22 (33,33%) incapacidade moderada (EDSS>3,0). A avaliação do grau de incapacidade foi realizada através da EDSS e do teste de caminhada em 6 minutos (TC6). No segundo estudo, caso-controle, os dados de 50 mulheres com EM foram comparados com os dados de 40 mulheres saudáveis. Para ambos os estudos, a avaliação da quantidade óssea (Amplitude dependente da velocidade de som, AD-SoS) e a qualidade óssea (Índice ultrassonográfico do perfil ósseo, UBPI) foram verificadas através do QUS de falanges (equipamento DBM Sonic BP). Resultados. Não foram encontradas diferenças significativas entre as mulheres com EM, considerandoos dois diferentes graus de incapacidade nos parâmetros AD-SoS (p = 0,389) e UBPI (p = 0,138) no estudo descritivo. A correlação negativa moderada entre UBPI e o número de tratamento com corticosteroides (r = -0,361; p = 0,003) e a correlação positiva moderada entre AD-SOS e o TC6 (r=0,315; p=0,010) foram encontradas. A análise de regressão linear múltipla mostrou que o número de tratamento com corticoides foi identificado como variável independente significativa preditora para o parâmetro UBPI (r2 ajustado=0,10; p=0,017) em mulheres com EM e incapacidade leve, e o desempenho no TC6 como variável independente preditora para o parâmetro AD-SoS (r2 ajustado=0,17; p=0,029) para o grupo de mulheres com EM e incapacidade moderada. Para o grupo controle, o índice de massa corporal (IMC) foi identificado como variável independente, preditiva para o parâmetro AD-SoS (r2 ajustado=0,170; p=0,005). Conclusões. Características clínico-neurológicas das mulheres com EM podem influenciar as alterações da quantidade e da qualidade óssea e constituírem-se em fatores secundários para o desenvolvimento da osteoporose. Através do DBM foi possível verificar alterações na microarquitetura óssea de mulheres com EM. O QUS de falanges é um método que pode ser aplicado a pacientes com EM em nível ambulatorial
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.09.2015

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FMRP11200067932Guerreiro, Carlos Tostes
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GUERREIRO, Carlos Tostes; BARREIRA, Amilton Antunes; SOUZA, Doralina Guimarães Brum de. Alterações na microarquitetura óssea de mulheres com esclerose múltipla remitente-recorrente. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.
    • APA

      Guerreiro, C. T., Barreira, A. A., & Souza, D. G. B. de. (2015). Alterações na microarquitetura óssea de mulheres com esclerose múltipla remitente-recorrente. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Guerreiro CT, Barreira AA, Souza DGB de. Alterações na microarquitetura óssea de mulheres com esclerose múltipla remitente-recorrente. 2015 ;
    • Vancouver

      Guerreiro CT, Barreira AA, Souza DGB de. Alterações na microarquitetura óssea de mulheres com esclerose múltipla remitente-recorrente. 2015 ;