Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O tradutor imaginário: pseudotradução, um encontro secular entre tradução e literatura (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GONÇALVES, DIRCILENE FERNANDES - FFLCH
  • USP Schools: FFLCH
  • Subjects: TRADUÇÃO; LITERATURA
  • Keywords: Literary system; Pseudotradução; Pseudotranslation; Sistema literário
  • Language: Português
  • Abstract: A definição básica de pseudotradução é: um texto apresentado como tradução, mas que, na verdade, é um texto original. Nela, um tradutor imaginário afirma estar traduzindo uma obra inexistente: tanto tradutor como obra são produtos de ficção. Um recurso utilizado há muitos séculos de diversas maneiras e com diferentes motivações, ela é, muitas vezes, considerada farsa, fraude, falsificação ou mesmo mero gracejo narrativo sem grandes consequências. Entretanto, ao contrário do que essa visão simplória pode sugerir, ela tem estado presente em momentos importantes da história ocidental. Em sua relação com a literatura, a pseudotradução tem sido utilizada ao longo dos séculos como um poderoso recurso narrativo na composição de obras que concorreram para a transformação de sistemas culturais e literários. A partir da perspectiva do potencial criador e transformador da pseudotradução, este trabalho apresenta cinco obras produzidas em diferentes épocas da história ocidental, as quais, de alguma maneira, contribuíram para a dinâmica dos sistemas literários de suas épocas. Em todas elas, o fato de terem sido concebidas como pseudotraduções foi elemento fundamental e decisivo para seus efeitos. Cada uma dessas obras, distribuídas em períodos pontuais entre os séculos XII e XX, utilizou o recurso da pseudotradução de maneira diferente; todavia, todas elas promoveram transformações de paradigmas literários e questionamentos sobre questões humanas e sobre a própria ficção. São elas: TheHistory of the Kings of Britain, de Geoffrey of Monmouth, século XII; Don Quijote de la Mancha, de Miguel de Cervantes, século XVII; O castelo de Otranto, de Horace Walpole, século XVIII; O nome da rosa, de Umberto Eco, e o conto "Tlön, Uqbar, Orbis Tertius", de Jorge Luis Borges, ambas produções do século XX. A observação dessas obras desde a perspectiva do uso da pseudotradução permite considerar a tradução além do processo de versão de uma língua para outra, como processo de escritura per se.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.10.2015
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FFLCH2754748-2013788N
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GONÇALVES, Dircilene Fernandes; ESTEVES, Lenita Maria Rimoli. O tradutor imaginário: pseudotradução, um encontro secular entre tradução e literatura. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-15012016-125933/ >.
    • APA

      Gonçalves, D. F., & Esteves, L. M. R. (2015). O tradutor imaginário: pseudotradução, um encontro secular entre tradução e literatura. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-15012016-125933/
    • NLM

      Gonçalves DF, Esteves LMR. O tradutor imaginário: pseudotradução, um encontro secular entre tradução e literatura [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-15012016-125933/
    • Vancouver

      Gonçalves DF, Esteves LMR. O tradutor imaginário: pseudotradução, um encontro secular entre tradução e literatura [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-15012016-125933/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: