Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Microvesículas circulantes no choque séptico contêm micro-RNA e RNA mensageiros relacionados à resposta inflamatória e metabolismo redox: um novo mecanismo de comunicação intercelular na sepse? (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: AZEVEDO, LUCIANO CÉSAR PONTES DE - FM
  • USP Schools: FM
  • Subjects: SEPSE; CHOQUE SÉPTICO; RNA MENSAGEIRO; ESTRESSE OXIDATIVO; CITOCINAS
  • Language: Português
  • Abstract: Microvesículas (MV) são fragmentos de células envoltos em membrana lipídica liberados pela maioria dos tipos celulares constitutivamente ou após ativação. Estudos prévios demonstraram que MV plasmáticas (mais especificamente exossomos) de pacientes com choque séptico podem induzir apoptose de células vasculares através de mecanismos de oxido-redução e produzir disfunção do miocárdio em preparações de coração isolado. Sabendo-se que estas MVs podem transportar material genético no seu compartimento interno, formulamos a hipótese de que MVs de pacientes sépticos poderiam transportar microRNAs e RNA mensageiros (RNAm) relacionados a vias fisiopatológicas importantes na sepse. Este estudo teve como objetivo avaliar a carga de material genético de MV isoladas de pacientes sépticos durante seu tratamento na unidade de terapia intensiva (UTI), em busca de microRNAs e RNAm relacionados à resposta inflamatória e metabolismo oxidativo. Vinte e quatro pacientes com choque séptico internados nas UTls do Hospital Sírio-Libanês, Hospital São Paulo/UNIFESP e Hospital das Clínicas/FMUSP entre março de 2012 e agosto de 2013 foram incluídos no estudo. Amostras de sangue foram coletadas no prazo de 48 horas de internação na UTI e sete dias após para os sobreviventes. Doze voluntários saudáveis serviram como controles. MV foram isoladas a partir do plasma por ultracentrifugação, foram caracterizadas de acordo com seu tipo e tamanho e sua carga de RNA foi avaliada por reação em cadeia de polimerase quantitativa em tempo real. MV isoladas do plasma tinham diâmetro predominantemente na faixa de 50-150 nm e continham flotilina-1, uma proteína característica de exossomos.Trinta microRNAs foram encontrados com razão de expressão diferentes em MV dos pacientes sépticos nas primeiras 48 horas comparado com os controles. No sétimo dia da doença, 63 microRNAs tiveram expressão significantemente diferente dos controles. A vasta maioria dos microRNAs (28 microRNAs) diferencialmente expressos nas primeiras 48 horas também encontravam-se expressos no sétimo dia. As vias mais significativamente moduladas por microRNAs foram relacionadas com a resposta inflamatória (IL-6 e vias de resposta de fase aguda). Na comparação dos sobreviventes com não-sobreviventes, 19 microRNAs foram diferencialmente expressos nas primeiras 48 horas. Curiosamente, as vias mais significantemente modificadas neste cenário foram relacionadas com regulação do ciclo celular. Em comparação com as primeiras 48 horas, RNAm da quimiocina (C-C motif) ligante 5 (CCL5) estava mais expressa após sete dias (4,5 vezes). Em comparação com voluntários saudáveis, a fase inicial da sepse tinha expressão aumentada de mieloperoxidase (65 vezes), da enzima antioxidante peroxirredoxina 3 (2,6 vezes), da enzima mitocondrial superóxido-dismutase 2 (2,2 vezes) e dos genes responsivos ao estresse oxidativo proteína de caixa "Forkhead" M1 (21 vezes), selenoproteína S (16 vezes), glutarredoxina-2 (3,4 vezes) e redução da expressão de (C-C motif) ligante 5 (-7,8 vezes). Sete dias após, a expressão de RNAm de mieloperoxidase permaneceu elevada em comparação com os controles (65 vezes). Nossos resultados revelam que microvesículas presentes no plasma de pacientes com choque séptico transportam material genético relacionado com vias fisiopatológicas importantes da doença. Tais vesículas podem representar um novo mecanismo de comunicação intercelular durante a sepse.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.12.2015

  • Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2756324-10W4.DB8^SP.USP^FM-3^A986mi^2015
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      AZEVEDO, Luciano César Pontes de. Microvesículas circulantes no choque séptico contêm micro-RNA e RNA mensageiros relacionados à resposta inflamatória e metabolismo redox: um novo mecanismo de comunicação intercelular na sepse?. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.
    • APA

      Azevedo, L. C. P. de. (2015). Microvesículas circulantes no choque séptico contêm micro-RNA e RNA mensageiros relacionados à resposta inflamatória e metabolismo redox: um novo mecanismo de comunicação intercelular na sepse?. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Azevedo LCP de. Microvesículas circulantes no choque séptico contêm micro-RNA e RNA mensageiros relacionados à resposta inflamatória e metabolismo redox: um novo mecanismo de comunicação intercelular na sepse? 2015 ;
    • Vancouver

      Azevedo LCP de. Microvesículas circulantes no choque séptico contêm micro-RNA e RNA mensageiros relacionados à resposta inflamatória e metabolismo redox: um novo mecanismo de comunicação intercelular na sepse? 2015 ;