Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Risco cardiovascular e carga alostática em profissionais de enfermagem que atuam em oncologia: variáveis biopsicoemocionais e relacionadas ao trabalho (2016)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SANTOS, JULIANO DOS - EE
  • USP Schools: EE
  • Subjects: DOENÇAS CARDIOVASCULARES; HIPERTENSÃO; ESTRESSE; FATORES DE RISCO; ENFERMAGEM ONCOLÓGICA; SAÚDE OCUPACIONAL; ENFERMAGEM
  • Keywords: Allostasis; Alostase; Cardiovascular diseases; Hypertension; Occupational Health; Oncology nursing; Risk factors; Saúde do trabalhador
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: As características do trabalho dos profissionais de enfermagem podem influenciar na presença de fatores de risco cardiovascular e entre aqueles que atuam na assistência a pacientes com câncer, as doenças cardiovasculares representam uma das principais causas de absenteísmo. A hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco cardiovascular e o seu desenvolvimento está relacionado ao estresse crônico. A carga alostática tem sido utilizada para avaliar indiretamente o estresse crônico, a partir do funcionamento dos sistemas cardiovascular, imunológico, metabólico e neuroendócrino e, predizer morbidade e mortalidade em alguns segmentos populacionais. No entanto, até o momento, não foi realizado estudo em âmbito nacional no Brasil, avaliando a relação da carga alostática com variáveis biopsicoemocionais. Objetivos: Avaliar o risco cardiovascular e prevalência de fatores de risco, com destaque para a hipertensão arterial, e a carga alostática em profissionais de enfermagem que atuam na assistência oncológica. Método: Participaram do estudo 231 profissionais de enfermagem [63,6% técnicos/auxiliares de enfermagem; 82,7% mulheres; idade de 39,6 (DP=8,3) anos] selecionados por amostragem aleatória simples. A medida casual da pressão arterial foi realizada com aparelho automático validado e a Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA) com aparelho oscilométrico validado, durante 24 horas. Foram realizadas medidas antropométricas e avaliação de bioimpedância. A hipertensão foi considerada na vigência de pelo menos um dos critérios: medida casual 140/90 mmHg, hipertensão arterial referida ou uso de anti-hipertensivos.As variáveis psicoemocionais foram mensuradas através de instrumentos: a) Burnout, Maslach Burnout Inventory; b) transtornos mentais comuns, Self Reporting Questionnaire (SRQ 20); c) estresse no desempenho das atividades de trabalho, Escala de Estresse no Trabalho (ETT); e d) sono, Pittsburg Sleep Quality Index (PSQI). Foi realizada coleta de sangue dos participantes, com 12 horas de jejum para exames de: glicemia, colesterol total e frações, triglicérides, hemoglobina glicada, cortisol plasmático, fibrinogênio, proteína C-reativa ultrassensível e creatinina. A estratificação de risco cardiovascular foi realizada por meio do Escore de Risco Global (ERG) e Risco pelo Tempo de vida (ETV) e, o estresse crônico por meio do Índice de Carga Alostática (ICA), obtido através de Biomarcadores do Estresse. As variáveis que apresentaram associações estatisticamente significativas na análise univariada foram submetidas à análise multivariada por meio da regressão de Poisson com variância Robusta, estimando-se razões de prevalência (RP) e seus respectivos intervalos de confiança de 95%. Valores de p0,05 foram considerados significantes. O estudo foi aprovado pelos Comitês de Ética em Pesquisa (CAAE:13329513.3.0000.5392) das instituições envolvidas. Resultados: A prevalência de hipertensão arterial referida foi 25,5% e, a identificada, 35,1%. As prevalências de níveis pressóricos alterados pela MAPA foram: 24 horas-30,0%, vigília-26,0% e sono-40,4%. Os fatores de risco cardiovascular referidos foram: sedentarismo-65,4%, dislipidemia-28,1%, etilismo-10,1%, diabetes mellitus-6,5%, tabagismo-6,1%.Verificou-se ainda, que os participantes apresentaram: sobrepeso ou obesidade (69,7%), circunferência da cintura aumentada (70,1%), gordura corporal alta/muito alta (81,0%), músculo esquelético baixo (50,2%), idade corporal acima da real (73,2%), proteína C reativa alterada (80,1%), HDL-colesterol limítrofe/baixo (62,4%), colesterol total limítrofe/alto (42,4%), fibrinogênio elevado (19,1%), cortisol elevado (49,4%) e 2,2% com cortisol diminuído, com hemoglobina glicada alterada (25,4%), creatinina > 1,3 mg/dL (0,4%) e 0,9% com doença renal crônica. A síndrome metabólica esteve presente em 25,1%. A hipertensão do avental branco ocorreu em 8,2%, a hipertensão mascarada em 19,8%, descenso do sono atenuado ou ausente sistólico (52,5%) e (30,5%) diastólico. Quanto às características relacionadas ao trabalho observou-se que 46,7% tinham 2-3 vínculos empregatícios, trabalhavam em média 51,9 (DP=15,0) h/semana, 53,2% eram plantonistas diurnos, 59,7% trabalhavam em turnos e 40,0% tinham formação com residência ou especialização. Em relação às variáveis psicoemocionais, a maioria dos profissionais apresentou estresse moderado/alto (66,6%), transtornos mentais comuns (57,6%) e má qualidade do sono (78,8%). A prevalência de burnout foi de 39,0% e a maioria apresentou alto nível nas três subescalas (exaustão emocional=55,0%; despersonalização=64,1% e baixa realização profissional=73,2%). A prevalência de carga alostática elevada foi de 58,0%, e 28,2% apresentaram risco cardiovascular intermediário/alto pelo ERG e 3,0% alto risco cardiovascular pelo ETV.As variáveis associadas, independentemente, ao risco cardiovascular foram (RP: razão de prevalência; IC95%: intervalo de confiança): maior número de filhos (1,19;1,02-1,40); formação com residência, especialização ou mestrado (0,38; 0,24-0,58); maior idade corporal (1,02;1,002-1,030); fibrinogênio elevado (2,07; 1,19-3,60); hipertensão arterial referida (0,34; 0,23-0,53); concordar em parte que o controle existente no trabalho irrita (0,51; 0,32-0,82) e que a falta de informações sobre as tarefas no trabalho incomoda (1,76; 1,09-2,87). As variáveis associadas à carga alostática elevada foram: concentração diminuída durante o plantão raramente/nunca (1,36; 1,05-1,76); hipertensão do avental branco (1,82; 1,39-2,38); comer alimentos doces entre 1 e 4 dias por semana (1,48; 1,13-1,93) e entre 5 a 7 dias por semana (1,53; 1,16-2,02); e, pressão arterial sistólica média da MAPA do período de 24 horas (1,01; 1,003-1,021). As variáveis associadas independentemente à hipertensão arterial foram: idade 50 anos (2,41; 1,15-5,07); maior idade corporal (1,02; 1,01-1,03); hábito de medir a pressão arterial regularmente (0,68; 0,50-0,93); e fazer tratamento de saúde (1,48; 1,09-2,01). As variáveis associadas independentemente aos níveis pressóricos alterados na MAPA de 24 horas foram: idade 50 anos (3,66; 1,16-11,60); idade corporal a idade real (0,46; 0,27-0,81); e hipertensão arterial referida (0,53; 0,34-0,80). Para a MAPA de vigília foram: tempo de formação profissional entre 10 a 14 anos (2,95; 1,06-8,20) e entre 15 a 24 anos (RP=3,16; 1,14-8,76); maior idade corporal (1,02; 1,001-1,032); e hipertensão arterial referida (0,45; 0,28-0,74).Para a MAPA do período de sono foram: sexo masculino (1,62; 1,18-2,24); idade 50 anos (2,50;1,13-5,60); trabalhar como plantonista diurno (2,38; 1,04-5,45) ou como plantonista noturno (2,47; 1,07-5,70); uso anterior ou atual de antidepressivos (1,43;1,05-1,94); sobrepeso/obesidade (2,45; 1,42-4,23); síndrome metabólica (1,64; 1,21-2,22) e hipertensão arterial identificada (1,53; 1,13-2,09). Conclusões: A prevalência de hipertensão foi elevada, a maioria dos profissionais de enfermagem apresentou sobrecarga alostática e aproximadamente um terço risco cardiovascular intermediário/alto, sugerindo que o processo de trabalho possa estar relacionado a esses achados.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 08.09.2016
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    EE10200028673T4702
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANTOS, Juliano dos; PIERIN, Angela Maria Geraldo; TALARICO, Juliana Nery de Souza. Risco cardiovascular e carga alostática em profissionais de enfermagem que atuam em oncologia: variáveis biopsicoemocionais e relacionadas ao trabalho. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-17052017-111748/ >.
    • APA

      Santos, J. dos, Pierin, A. M. G., & Talarico, J. N. de S. (2016). Risco cardiovascular e carga alostática em profissionais de enfermagem que atuam em oncologia: variáveis biopsicoemocionais e relacionadas ao trabalho. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-17052017-111748/
    • NLM

      Santos J dos, Pierin AMG, Talarico JN de S. Risco cardiovascular e carga alostática em profissionais de enfermagem que atuam em oncologia: variáveis biopsicoemocionais e relacionadas ao trabalho [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-17052017-111748/
    • Vancouver

      Santos J dos, Pierin AMG, Talarico JN de S. Risco cardiovascular e carga alostática em profissionais de enfermagem que atuam em oncologia: variáveis biopsicoemocionais e relacionadas ao trabalho [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-17052017-111748/