Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Estratégias de resistência à medicalização: a experiência francesa (2017)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MUTARELLI, ANDREIA - IP
  • USP Schools: IP
  • Sigla do Departamento: PSA
  • Subjects: RESISTÊNCIA; FENOMENOLOGIA; MEDICALIZAÇÃO
  • Keywords: Resistência
  • Language: Português
  • Abstract: O fenômeno da medicalização organiza, hoje, o modo como as pessoas vivem e se compreendem. Desde os anos 1960, esse tema ganhou destaque em diversos artigos. Entendese que tal processo é complexo e, além de produzir a patologização da vida, também pode ser analisado como uma resposta a diversas necessidades humanas. Na presente pesquisa, o processo de medicalização foi pensado a partir do referencial teórico-metodológico da fenomenologia, compreendendo o homem como ser-no-mundo, cuja humanidade reside na sua essência de ser desvelador de mundo. Nessa perspectiva, a medicalização expressa um modo de compreensão técnico do mundo, um processo que busca controlar, assegurar, padronizar e prever os fenômenos multideterminados do ser humano, submetendo a complexidade deste à disciplina da medicina, que sempre poderá lhe oferecer intervenções e explicações. A resistência a esse processo torna-se um tema importante de pesquisa, dada sua abrangência e profundidade no modo de vida atual. A psiquiatria francesa apresenta resistências singulares ao hiperdiagnóstico do TDAH, uma expressão da medicalização. O trabalho de campo foi realizado na França e buscou formular articulações com o enfrentamento brasileiro. O objetivo geral desta pesquisa é investigar o sentido da resistência à medicalização, de modo a ampliar a compreensão desse fenômeno. Para tanto, dois aportes de dados foram utilizados: a análise documental dos coletivos Pas de Zéro de Conduite pour les enfants de trois ans,Lappel des appels e Stop-DSM e a análise de entrevistas com profissionais da saúde franceses. Para a análise das entrevistas, baseamo-nos na Hermenêutica da Facticidade. As entrevistas foram realizadas em formato de rede: a cada conversa a pesquisadora apresentava elementos que surgiram nas entrevistas anteriores, de modo que a própria pesquisa se tornasse um instrumento de resistência, coletivizando a discussão do tema. Assim, após a etapa de campo na França, entrevistamos Manuel Vallée, da Universidade de Auckland, cujo artigo foi citado em todas as conversas com os profissionais franceses. Como resultado, partindo das estratégias apreendidas em campo, chegamos a quatro fundamentos da resistência à medicalização na França: 1) a concepção de homem como possibilidade de ser, entendendo que ele está sempre aberto para as possibilidades que se apresentam no futuro indeterminado, resistindo à cristalização de um diagnóstico; 2) a pluralidade de práticas e métodos de pesquisa coexistindo de forma a contrapor o monismo metodológico; 3) a construção de redes como estratégia de enfrentamento à individualização/biologização das problemáticas humanas; 4) as intervenções multifocais, com cuidado multidisciplinar, considerando o contexto social, cultural e político dos usuários como enfrentamento à hiperprescrição de medicamentos pautada por interesses financeiros na área da saúde. No processo de medicalização da sociedade, o lugar de convivência entre os homens, a política, perde seuespaço para a ciência, que passa a regulamentar o modo como os homens devem viver, assegurando os resultados dos seus modos de vida. As estratégias de resistência à medicalização apreendidas nesta pesquisa apontam para o fortalecimento do campo político, âmbito em que a verdade plural vigora, como principal direcionamento desse enfrentamento
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.03.2017
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IP12300059241T RM260 M992e e.1
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MUTARELLI, Andreia; SOUZA, Marilene Proença Rebello de. Estratégias de resistência à medicalização: a experiência francesa. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-29052017-102934/ >.
    • APA

      Mutarelli, A., & Souza, M. P. R. de. (2017). Estratégias de resistência à medicalização: a experiência francesa. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-29052017-102934/
    • NLM

      Mutarelli A, Souza MPR de. Estratégias de resistência à medicalização: a experiência francesa [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-29052017-102934/
    • Vancouver

      Mutarelli A, Souza MPR de. Estratégias de resistência à medicalização: a experiência francesa [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-29052017-102934/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: