Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

A EPI da ascensão chinesa como um ator global chave (2014)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: URDINEZ, FRANCISCO - IRI
  • USP Schools: IRI
  • Subjects: ECONOMIA POLÍTICA; ECONOMIA DE MERCADO; INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS; MÍNIMOS QUADRADOS; CHINA
  • Keywords: China; China; Economia política internacional; Foreign direct investment; International political economy; Investimentos estrangeiros diretos; Mínimos quadrados ordinários; Ordinary least squares; Organização mundial do comércio; World trade organization
  • Language: Português
  • Abstract: O Protocolo de Adesão à Organização Mundial do Comércio da China, assinado em dezembro de 2001, permitiu a outros países membros considerarem a China como uma economia "não de mercado" até o final de 2016. O objetivo deste trabalho é responder a seguinte pergunta: Pode o Reconhecimento de Economia de Mercado (REM) ser medido em seu compliance? O proxy utilizado parra o compliance foi o número de investigações antidumping iniciadas por país. A expectativa é que os países que reconhecem o status de economia de mercado da China iniciem menos investigações antidumping do que aqueles que ainda tratam a China como uma economia "não de mercado". Isso explicaria por que o governo chinês tem feito campanha desde 2001 para ganhar REM entre seus parceiros econômicos. A utilização de modelos de contagem demonstra que o REM teve um impacto positivo na redução do número de investigações antidumping contra produtos chineses. O atual desenvolvimento econômico da China depende muito de seu acesso a recursos energéticos, o que cada vez mais influencía mudanças nos Investimento Direto Estrangeiro (IDE) chinês com a finalidade de possibilitar o acesso a recursos que estão localizados no exterior. O objetivo deste trabalho é responder às seguintes perguntas: Em que medida a procura por recursos energéticos afetou os IDE entre 2005 e 2012? Essa procura foi sensível à locação geográfica dos recursos? Os dados sobre IDE chineses foram obtidos do China Global Investment Tracker, e utilizaram-se (Continua)(Continuação) determinantes domésticos de IDE, testados empiricamente na literatura existente, para medir o impacto da produção de energia do país anfitrião na alocação de investimentos. Ao aplicar MCO e um modelo com lag espacial em uma amostra de 92 países demostrou-se que os recursos energéticos do país anfitrião foram o principal motor da IDE chinesa, e que não houve sensibilidade geográfica aos recursos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.02.14
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IRI2842022-10T330 U74i
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      URDINEZ, Francisco; SCHOR, Adriana. A EPI da ascensão chinesa como um ator global chave. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/101/101131/tde-26022014-174514/ >.
    • APA

      Urdinez, F., & Schor, A. (2014). A EPI da ascensão chinesa como um ator global chave. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/101/101131/tde-26022014-174514/
    • NLM

      Urdinez F, Schor A. A EPI da ascensão chinesa como um ator global chave [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/101/101131/tde-26022014-174514/
    • Vancouver

      Urdinez F, Schor A. A EPI da ascensão chinesa como um ator global chave [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/101/101131/tde-26022014-174514/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: