Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Um modelo espacial estocástico para o crescimento e tratamento do câncer in situ em fase avascular (2017)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: QUEIROGA, ALEXANDRE SARMENTO - FM
  • USP Schools: FM
  • Sigla do Departamento: MDR
  • Subjects: METÁSTASE NEOPLÁSICA; QUIMIOTERAPIA; COMPUTAÇÃO APLICADA; CARCINOGÊNESE; PROBABILIDADE GEOMÉTRICA; RECIDIVA LOCAL DE NEOPLASIA
  • Keywords: Drug therapy; Mathematical compunting; Neoplastic metastasis
  • Language: Português
  • Abstract: Introducão. A perda da resposta aos mecanismos que regulam o crescimento da população celular em tecidos normais, as alterações em níveis genéticos e epigenéticos, induzem a carcinogênese. Durante o crescimento, seja tumor primário ou metástase, ge- ralmente há uma fase avascular, caracterizada por tumores pequenos onde os recursos necessário para proliferação da população são oriundos dos tecidos adjacentes. Ade- mais, um aspecto marcante é a heterogeneidade intratumoral, que é desencadeada por fatores intrínseco e ambientais às células, desempenhando papeis importante no cresci- mento e resposta ao tratamento. Métodos. Foi proposto um modelo estocástico espacial em termos de Cadeia de Markov para simular a dinâmica de populações de um câncer in situ em fase avascular e o tratamento quimioterapico. As transições de estado das célu- las consideradas foram duplicação, migração, morte, geração de variação na população e quiescência. Assumimos que as taxas de duplicação, migração e morte, dependem do tamanho da população, onde a taxa de duplicação diminui conforme a população au- menta e as taxas de migração e morte aumentam conforme a população cresce. As taxas dependente do tamanho da população foram descritos em termos de funções sigmóidais onde a suavidade da transição entre os valores mínimos e máximos das taxas foi dado pelo parâmetro k, o tamanho da população na qual a taxa de duplicação cai na metade do valor máximo foi dado por N e a taxa de duplicaçãona qual as taxa de migração/morte atingem a metade do valor máximo por 0'. A heterogeneidade do tumor foi representada como um conjunto de duas subpopulações (1) mais proliferativa e (2) mais migratória. Em seguida, foi aclopado um modelo de difusão de drogas e um modelo farmacodinâ- mico para avaliar a repopulação no tratamento com uma única droga. Resultados. As simulações acerca do crescimento tumoral mostram que a população atingiu a densidade de saturação de acordo com os valores do parâmetro k. A densidade das variantes prol iferativas e migratórias não foram diretamente relacionadas a taxa de geração de variação, mas sim pelos parâmetros N e a. Para determinado conjunto de valores atribuídos aos parâmetros k e N,espacialmente observou-se crescimento difuso da população. No que tange ao tratamento, houve emergência da resistência, todavia observou-se padrões diferente na repopulação de acordo com os valores da taxa de geração de variação, k e N. Espacialmente, observa-se que as células resistentes vão ao gradiente droga. O modelo no estágio atual consegue recuperar qualitativamente algumas evidências experimentais atreladas coexistência de duas subpopulações onde uma cresce mais do que a outra, crescimento difuso da população e migração da população resistente para o gradiente de droga
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.04.2017
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    FM2843805-10W4.DB8^SP.USP^FM-2^Q41mo^2017^ex.rev
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      QUEIROGA, Alexandre Sarmento; RAMOS, Alexandre Ferreira. Um modelo espacial estocástico para o crescimento e tratamento do câncer in situ em fase avascular. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-31072017-152507/ >.
    • APA

      Queiroga, A. S., & Ramos, A. F. (2017). Um modelo espacial estocástico para o crescimento e tratamento do câncer in situ em fase avascular. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-31072017-152507/
    • NLM

      Queiroga AS, Ramos AF. Um modelo espacial estocástico para o crescimento e tratamento do câncer in situ em fase avascular [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-31072017-152507/
    • Vancouver

      Queiroga AS, Ramos AF. Um modelo espacial estocástico para o crescimento e tratamento do câncer in situ em fase avascular [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-31072017-152507/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: