Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Diferença em proteólise postmortem entre Bos taurus taurus e Bos taurus indicus pode estar associada a capacidade máxima respiratória mitocondrial (2017)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: RAMOS, PATRICIA MALOSO - ESALQ
  • USP Schools: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LZT
  • Subjects: BOVINOS DE CORTE; CARCAÇA; CARNES E DERIVADOS; CÉLULAS MUSCULARES; METABOLISMO DE PROTEÍNA; MITOCÔNDRIAS; RESPIRAÇÃO CELULAR
  • Language: Português
  • Abstract: O tipo biológico influenciado pela genética Bos taurus indicus garante maior adaptação aos animais em regiões com altas temperaturas, no entanto exibe alguns atributos de carcaça e associados à palatabilidade da carne inferiores quando comparados ao tipo biológico predominantemente Bos taurus taurus. Existe a hipótese de que tais diferenças estejam associadas ao conteúdo mitocondrial na musculatura destes animais. Objetivou-se avaliar as diferenças no metabolismo oxidativo, pela medida de respiração mitocondrial em fibras permeabilizadas submetidas a duas temperaturas (38,5 e 40 °C) utilizando respirômetro de alta resolução (Oroboros Instruments), do Longissimus lumborum imediatamente após abate, entre os tipos biológicos Brahman e Angus com taxa e extensão da proteólise distintas ao longo de 14 dias de maturação. Foram investigadas as atividades enzimáticas de lactato desidrogenase e citrato sintase, pH, bem como autólise de µ-calpaína e degradação de proteínas miofibrilares de 18 animais das raças Brahman (6), Brangus (6) e Angus (6). A taxa de acidificação das carcaças foi diferente entre os tipos biológicos (P = 0,049) e entre os tempos postmortem (P < 0,001), sendo que as carcaças dos animais Brahman às 6h postmortem apresentaram pH tão alto quanto as carcaças de Brangus e Angus às 3h posmortem. A atividade de citrato sintase 1h postmortem também foi diferente (P = 0,086) entre os tipos biológicos, sendo que maior atividade (P = 0,075) foi identificada em Brahmancomparado a Brangus. O fluxo de consumo de oxigênio mitocondrial no estado 4 (ST4_O), apresentou interação (P = 0,050) entre os tipos biológicos e temperatura, assim como a respiração mitocondrial do sistema de transporte de elétrons desacoplado da produção de ATP (P = 0,047), ambos superiores para Brahman a 38,5 °C na comparação entre tipos biológicos. Todavia, ocorreu uma queda da ST4_O, apenas para os animais Brahman, quando a temperatura foi aumentada. A maior resistência a acidificação e maior respiração mitocondrial imediatamente após o abate para o tipo biológico Brahman, foram acompanhadas pela redução (P = 0,058) da autólise completa de µ-calpaína às 24h postmortem. A degradação da titina após 7d de maturação foi reduzida (P = 0,056) e se manteve menor (P = 0,003) aos 14d para Brahman comparado aos outros tipos biológicos. O aparecimento da banda 150 kDa da alfa-II-espectrina às 24h postmortem também é menor (P = 0,011) para Brahman, assim como a degradação da desmina (P = 0,019) e troponina-T (P = 0,001). As duas últimas proteínas tiveram sua degradação reduzida ao longo dos 14d postmortem para este tipo biológico. Portanto, o tipo biológico Brahman tem um mecanismo muscular adaptativo que envolve maior conteúdo mitocondrial, com maior vazamento de prótons pelo sistema de transporte de elétrons e que pode estar relacionado a redução da taxa de ativação da µ-calpaína, redução da degradação proteica e, consequentemente, a redução da taxa e da extensão doamaciamento da carne destes animais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.06.2017
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    ESABC10500133795t636.213 R175d e.2 114086
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RAMOS, Patricia Maloso; DELGADO, Eduardo Francisquine. Diferença em proteólise postmortem entre Bos taurus taurus e Bos taurus indicus pode estar associada a capacidade máxima respiratória mitocondrial. 2017.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11139/tde-29092017-174633/ >.
    • APA

      Ramos, P. M., & Delgado, E. F. (2017). Diferença em proteólise postmortem entre Bos taurus taurus e Bos taurus indicus pode estar associada a capacidade máxima respiratória mitocondrial. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11139/tde-29092017-174633/
    • NLM

      Ramos PM, Delgado EF. Diferença em proteólise postmortem entre Bos taurus taurus e Bos taurus indicus pode estar associada a capacidade máxima respiratória mitocondrial [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11139/tde-29092017-174633/
    • Vancouver

      Ramos PM, Delgado EF. Diferença em proteólise postmortem entre Bos taurus taurus e Bos taurus indicus pode estar associada a capacidade máxima respiratória mitocondrial [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11139/tde-29092017-174633/