Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

Adaptação e validação da versão em português da escala Partners in Health (PIH) para a população brasileira com doenças crônicas  (2017)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: STACKFLETH, RENATA - EERP
  • USP Schools: EERP
  • Sigla do Departamento: ERG
  • Subjects: ESTUDOS DE VALIDAÇÃO; METODOLOGIA DA PESQUISA; DOENÇA CRÔNICA
  • Keywords: Automanejo; Chronic diseases; Methodological research; Pesquisa metodológica; Self-management; Validation studies
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução. O automanejo em saúde pode ser entendido como a habilidade da pessoa em conseguir resolver problemas e ser a protagonista, nas tomadas de decisão relacionadas à sua vida e à sua saúde. Este conceito tem sido associado com resultados positivos, tanto para o indivíduo como para as instituições de saúde. A escala Partners in Health (PIH) avalia o automanejo em saúde por meio do engajamento da pessoa com doença crônica na execução de ações que protegem e promovem a saúde. Objetivos. Este estudo metodológico teve como objetivos adaptar culturalmente a PIH e avaliar as propriedades psicométricas da versão adaptada em uma amostra de indivíduos adultos com doenças crônicas. Método. O estudo foi aprovado pelos Comitês de Ética das instituições envolvidas. O processo de adaptação cultural ocorreu como segue: tradução do instrumento original, avaliação e síntese das traduções pelo Comitê de Juízes, retrotradução, avaliação semântica dos itens, avaliação pelo autor do instrumento original, pré-teste e avaliação psicométrica. Os dados foram coletados entre janeiro e maio de 2016, em seis ambulatórios (nefrologia, gastroenterologia, cardiologia, imunologia, endocrinologia e oncologia) do Hospital de Clínicas de Ribeirão Preto. Participaram do estudo 176 indivíduos adultos de ambos os sexos, com diagnóstico de doenças crônicas há, pelo menos, seis meses e que estavam em acompanhamento clínico regular em um dos ambulatórios referidos. A PIH é respondida em uma escala ordinal comnove pontos, na qual menores valores indicam melhor automanejo, em um intervalo possível de zero a 96 pontos. A validade de constructo da PIH foi avaliada pelas correlações entre a medida de automanejo com as medidas de autoestima (Escala de Auto-Estima de Rosenberg), ansiedade e depressão (Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão- HADS). A confiabilidade foi avaliada pela consistência interna (alfa de Cronbach). O nível de significância adotado foi de 0,05. Resultados. A média de idade dos participantes foi 54,1 anos (DP=15,1, variação 21-87) e 51,6% eram do sexo feminino. O tempo médio de ensino formal relatado foi de 7 (DP=4,80, variação 0-21) anos. Eles apresentaram diversificadas doenças crônicas, e 80,3% tinham mais de dois anos de diagnóstico. O escore médio da PIH foi de 24,5 (DP=15,1). Em 75% dos itens, foi verificada a presença de efeito chão (itens 3, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11 e 12). O alfa de Cronbach foi de 0,78. A correlação entre as medidas de automanejo e autoestima apresentou valor negativo e de moderada intensidade (r = - 0,344; p < 0,001). As correlações entre as medidas de automanejo e sintomas de ansiedade (r = 0,360; p<0,001) e sintomas de depressão (r=0,363; p<0,001) apresentaram valores positivos e de moderadas intensidades. As propriedades psicométricas da versão adaptada da PIH foram consideradas adequadas. Conclusão: A versão brasileira da PIH apresentou propriedades psicométricas aceitáveis para medir o automanejo da saúde, entre os participantes do estudo. A versão adaptada da PIH deverá ser testada em outros grupos de indivíduos com doenças crônicas, com diferentes características sociodemográficas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.08.2017
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    EERP10400031309Stackfleth, Renata
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      STACKFLETH, Renata; DANTAS, Rosana Aparecida Spadoti. Adaptação e validação da versão em português da escala Partners in Health (PIH) para a população brasileira com doenças crônicas . 2017.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-28112017-160924/ >.
    • APA

      Stackfleth, R., & Dantas, R. A. S. (2017). Adaptação e validação da versão em português da escala Partners in Health (PIH) para a população brasileira com doenças crônicas . Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-28112017-160924/
    • NLM

      Stackfleth R, Dantas RAS. Adaptação e validação da versão em português da escala Partners in Health (PIH) para a população brasileira com doenças crônicas  [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-28112017-160924/
    • Vancouver

      Stackfleth R, Dantas RAS. Adaptação e validação da versão em português da escala Partners in Health (PIH) para a população brasileira com doenças crônicas  [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-28112017-160924/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: