Ver registro no DEDALUS
Exportar registro bibliográfico

O uso de cobogós como segunda pele em edifícios de escritórios: análise do desempenho lumínico de diferentes geometrias (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: CORDEIRO, ANA CAROLINA AQUARELI - IAU
  • USP Schools: IAU
  • Subjects: ELEMENTOS VAZADOS; ILUMINAÇÃO NATURAL
  • Keywords: Cobogó; Computational simulation and experimental method; Desempenho lumínico; Light performance; Simulação computacional e método experimental
  • Language: Português
  • Abstract: Uma das principais características do território brasileiro é a abundância de luz natural, recurso este que deve ser melhor aproveitado no interior das edificações. É fundamental que haja qualidade de iluminação natural incidindo nestes ambientes, principalmente se atividades visuais são desenvolvidas nestes locais. Por outro lado, a radiação solar direta também possui efeitos negativos, e o controle de sua incidência de forma direta nos ambientes internos se faz necessário. Dentro deste contexto, é relevante o uso de estratégias projetuais que, ao mesmo tempo que possibilitem o uso da luz natural, também protejam estes espaços internos da insolação direta, como os cobogós, elementos que permitem a passagem de luz natural e dos ventos, mas controla a incidência da radiação solar direta. O objetivo desta pesquisa é avaliar o desempenho lumínico em salas hipotéticas de escritórios, por meio da utilização de diferentes geometrias de cobogós, levando em consideração as diferentes latitudes, as orientações geográficas e as profundidades das salas.A metodologia consiste na análise do nível de iluminância e da uniformidade da luz nos ambientes estudados. Para este trabalho foram utilizados dois métodos: o método computacional, por meio do programa DIAlux e o método experimental, no qual foram avaliados modelos de escala. Primeiramente, foram apresentadas as análises obtidas por meio do programa computacional, que simulou quatro salas hipotéticas; duas delas tinham sua abertura composta somente com vidro, e as outras duas, a abertura continha, além do vidro, o cobogó como segunda pele. Para realizar as simulações foi empregada uma diversificada faixa de latitudes do território brasileiro (5ºN à 34ºS). Os resultados demostraram que os parâmetros projetuais como a utilização da sala sem cobogós (somente vidro), a geometria dos elementos vazados e a sua área de abertura, a orientação solar e os períodos analisados (verão e inverno) exerceram uma influência significativa na distribuição e no redirecionamento da luz no ambiente interno das salas estudadas.Com relação ao desempenho de luz no ambiente, o caso 1, entre todos os outros estudados, foi o que mostrou ser mais eficiente e atendeu melhor o requisito de iluminância interna, apesar de se verificar pontos com luminosidade acima de 2000 lux, principalmente na fachada Oeste e no final da tarde. Posteriormente, foram avaliados e comparados os dados 8 simulados com os dados medidos em um modelo de escala, averiguando duas situações definidas: o caso de referência e um dos casos de cobogós para a cidade de São Carlos. Os resultados obtidos por meio do programa DIAlux garantiram valores mais próximos do ideal, já que neste software foram inseridos a latitude, a hora, a orientação, e demais dados que não irão sofrer influências externas. Em contrapartida, o método experimental revelou-se uma ferramenta útil na visualização da distribuição espacial da luz no ambiente estudado. Como conclusão do trabalho, comprovou-se que os cobogós são eficazes dispositivos de sombreamento, pois controlam altos níveis de iluminância em comparação aos ambientes que não apresentaram esses elementos de proteção.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.02.2018
  • Acesso online ao documento

    Online access or search this record in

    Exemplares físicos disponíveis nas Bibliotecas da USP
    BibliotecaCód. de barrasNúm. de chamada
    IAU93000006161T/D 868
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CORDEIRO, Ana Carolina Aquareli; FRANIECK, Rosana Maria Caram; LUKIANTCHUKI, Marieli Azoia. O uso de cobogós como segunda pele em edifícios de escritórios: análise do desempenho lumínico de diferentes geometrias. 2018.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-25042018-103424/ >.
    • APA

      Cordeiro, A. C. A., Franieck, R. M. C., & Lukiantchuki, M. A. (2018). O uso de cobogós como segunda pele em edifícios de escritórios: análise do desempenho lumínico de diferentes geometrias. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-25042018-103424/
    • NLM

      Cordeiro ACA, Franieck RMC, Lukiantchuki MA. O uso de cobogós como segunda pele em edifícios de escritórios: análise do desempenho lumínico de diferentes geometrias [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-25042018-103424/
    • Vancouver

      Cordeiro ACA, Franieck RMC, Lukiantchuki MA. O uso de cobogós como segunda pele em edifícios de escritórios: análise do desempenho lumínico de diferentes geometrias [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-25042018-103424/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI: